Para quando?

“O que eu não daria para ser paraplégico…” É um desabafo forte, quase violento, de um homem, um deficiente militar tetraplégico, que falou com o ELO.

O associado Alberto Jesus Caiado, 62 anos, e a mulher, Luísa Teixeira Caiado, 60 anos, falaram sobre as suas ânsias e preocupações face ao futuro.

Leia a entrevista completa,aqui: http://www.adfa-portugal.com/pdf/1010/09.pdf

Comentários