"Não me dou por vencido"

"Mergulhei e quando estava a voltar à superfície, dei por mim paralisado. Fiquei a boiar, de barriga para baixo, sem conseguir virar-me nem pedir ajuda. Quando acordei, estava no hospital, entubado."

Flávio Jorge Soares lembra-se bem dessa tarde do dia 21 de Junho de 2009, na praia de Esmoriz. Antes de sair de casa, viu na net que o mar estaria de feição para praticar bodyboard, mas, afinal, não havia ondas. Quando já estava para ir embora, resolveu dar um último mergulho. Estava com os amigos, numa zona que conhecia bem.

"Foi um mergulho normal, como muitos outros. Não bati com a cabeça em lado nenhum", conta Flávio. O que terá acontecido foi o que vulgarmente se designa por movimento chicote, uma extensão abrupta da coluna que pode causar lesões gravíssimas. No caso de Flávio, fracturou a coluna vertebral, ao nível da cervical (entre as vértebras C5 e C6). Ficou tetraplégico. Tem 19 anos.

Os últimos 17 meses passou-os em quatro hospitais, onde foi submetido a diversas cirugias até estabilizar e iniciar o processo de reabilitação. Começou com exercícios para treinar o equilíbrio do tronco e conseguir manter-se sentado. Fortaleceu os músculos para conseguir levantar-se e fazer as transferências de e a partir da cadeira de rodas.

Flávio recusou a cadeira de rodas eléctrica e explica porquê: "Obriga-me a trabalhar mais. É preciso mais equilíbrio e força. Não quero ficar tão dependente. Com a cadeira eléctrica, ia acomodar-me ao problema."

E acomodar-ser não é verbo que queira conjugar. Quer licenciar-se em Informática e continuar com o árduo processo de reabilitação. "Disseram-me que iria ficar completamente paralisado, que não iria conseguir andar numa cadeira manual. Sinto as pernas, tenho força nos braços. Não trabalho por acreditar que vou andar, mas tenho melhorado muito e, com paciência, vou melhorar ainda mais", acredita Flávio. "Não me dou por vencido." JN

Comentários

  1. Que história emocionante!
    Tenho certeza que ele vencerá. Percebe-se que o Flávio tem uma força de vontade muito grande e não desistirá facilmente. Parabéns, Flávio! Siga em frente...

    Abraços, Eduardo!

    ResponderEliminar
  2. E a questão de preferir conduzir uma cadeira manual, está certíssima.
    Eu infelizmente não tenho capacidades para tanto...
    Fica bem

    ResponderEliminar
  3. força e teimosia são condições necessárias para quem encara a vida de frente.
    se queres continuar a tua actividade aquática contacta a FPC canoagem adaptada.
    abraço

    ResponderEliminar

Enviar um comentário