Portugueses devem 61 milhões na farmácia


Já são quase 400 mil os portugueses que têm pagamentos em atraso na farmácia, ascendendo o total da dívida aos 61 milhões de euros.

Contas feitas, cada farmácia tem a receber, dos seus utentes, em média, 22 mil euros, avança hoje o ‘Correio da Manhã'.

É que, apesar de o preço dos medicamentos ter baixado, os cortes nas comparticipações, por parte do Estado, acabam por agravar a factura dos doentes. .

Os farmacêuticos contactados pelo CM relatam um cenário "muito complicado" e afirmam que "a tendência é de agravamento".

"Metade do que facturava era pago pelo Estado e, nestes primeiros dias, esse valor desceu para 30%", disse ao CM Francisco Enes, da farmácia Passeio Alegre, no Porto.

Também Isabel Aleixo, da farmácia Três Bicos, em Portimão, diz que "todos os dias há pessoas a pedir para ficar a dever", sublinhando que "no medicamento, o apoio social tem sido dado pelas farmácias".

O presidente da ANF, João Cordeiro, disse ao CM que "o incumprimento tem, de facto, aumentado", mas sublinha que os dados de que dispõe apontam para valores "ligeiramente mais baixos". Jornal Económico

Comentários