Falta de médicos provoca situação "dramática" em Abrantes e Sardoal

A falta de médicos de clínica geral está a preocupar os autarcas de Abrantes e de Sardoal, que consideram a situação "dramática" e afirmam que, em termos de acesso a cuidados médicos de saúde primários, "pior não é possível".

No concelho de Abrantes, com 19 freguesias e perto de 42 mil habitantes, dos 30 médicos de família previstos apenas 11 estão ao serviço. No vizinho concelho de Sardoal, com quatro freguesias e onde habitam cerca de 4.000 pessoas, a população está sem um único dos três médicos de clínica geral que ali deveriam prestar cuidados de saúde.

Sem acesso directo a cuidados de saúde primários e com uma população envelhecida, à comunidade de Sardoal resta a alternativa de recorrer ao Centro de Saúde de Abrantes, a cerca de 20 quilómetros, e também ele com problemas na prestação de serviços médicos à sua população.

A utente Rosa Ramos, de 54 anos, disse à Lusa que o problema "é grave", lembrado que no centro de saúde de Sardoal, desde o final de 2010, "presta-se apenas o serviço de receituário e de enfermagem".

Segundo esta residente, a alternativa mais próxima é em Abrantes, alertando, no entanto, que, na falta de transportes públicos, uma deslocação implica ter viatura própria ou alugar um táxi, o que "não é fácil" para as pessoas mais idosas.

Já José Faria, de 63 anos, considera que as gentes de Sardoal estão a viver uma tragédia.

Fonte: JN

Comentários