Bancos inacessiveis a utilizadores de cadeira de rodas em Abrantes

MONTEPIO

AGÊNCIA DA PRAÇA BARÃO DA BATALHA DO MILLENNIUM BCP

AGÊNCIA DA AVENIDA DAS FORÇAS ARMADAS DO MILLENNIUM BCP

AGÊNCIA DA CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS NO ROSSIO AO SUL DO TEJO

AGÊNCIA DO BPI NO ROSSIO AO SUL DO TEJO

AGÊNCIA DO BPI EM ABRANTES

BONS EXEMPLOS DE ACESSIBILIDADE

AGÊNCIA DA CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS EM SÃO VICENTE

AGÊNCIA DA CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS DE ABRANTES


Bancos que com mais ou menos dificuldades, se consegue aceder: Agência Santander Totta no Rossio ao Sul do Tejo, Agência Finibanco em Alferrarede, Agência do Banif em Alferrarede, Banco Espirito Santo agência de Alferrarede, Barclays agência de Abrantes, BPN agência de Abrantes e Caixa de Crédito Agrícola agência de Abrantes.

Fotos: Jorge Damas

Comentários

  1. Não me parece difícil adequar a acessibilidade a cadeiras de rodas, mantendo uma inclinação suave às rampas.

    ResponderEliminar
  2. Falta é boa vontade. Governo alargou-lhes o prazo até 2017 para o fazerem...
    Fique bem

    ResponderEliminar
  3. Houve um amigo da região que oportunamente abardou a questão da falta de mobilidade em Abrantes. Atente a isto, meu caro Eduardo Jorge.

    http://ocidadaoabt.blogspot.com/2009/06/influenza-doismiliduzentus.html



    http://ocidadaoabt.blogspot.com/2008/09/chetaxumm.html

    ResponderEliminar
  4. Estive a ver Joaquim. Obrigado pela informação.
    Vá lá que Abrantes resolveu aderir ao Programa RAMPA:
    http://tetraplegicos.blogspot.com/2010/11/abrantes-aprovada-candidatura-ao.html
    Vamos ver se é desta.
    Fique bem

    ResponderEliminar
  5. Só em 2017 será obrigatório ter acessibilidade? Isso é absurdo. Eu acredito que a copa em 2014 já vai trazer algum avanço na pauta sobre acessibilidade por aqui, e Portugal parece que nesse aspecto está ficando para trás da ex-colônia...

    ResponderEliminar
  6. Em 1997, as acessibilidades foram objecto de regulação para eliminação de barreiras urbanísticas e arquitectónicas nos edifícios públicos, equipamentos colectivos e via pública. À data daquela legislação, aos edifícios já construídos, deu-se um prazo de 7 anos para que se adaptassem. No entanto, em 2006, foi elaborada nova legislação sobre a mesma matéria, uma vez que se reconheceu a ineficácia da anterior legislação no combate ao ás desigualdades impostas pela existência de barreiras. Assim, veio-se, uma vez mais, permitir que o prazo de adaptação de edifícios públicos se estendesse por mais 10 anos, mas a verdade é que, na prática, se concederam 17 anos de adaptação.

    Embora todas as novas construções sejam obrigadas a cumprir a lei.
    Fique bem

    ResponderEliminar
  7. Boas.
    Concordo na totalidade com a reinvindicação de melhores acessos. Só quero aqui referir que duas das agências referidas e fotografadas TÊM acessos de rampa!
    São a do Millenium, na PR. Barão da Batalha... e a da CGD de Abrantes!
    São assim bons exemplos de acessibilidade.

    ResponderEliminar
  8. Sobre a agência Millennium BCP da Praça Barão da Batalha, contactei-a telefonicamente e foi-me confirmado que tinha um degrau com mais de 10 cm à entrada. Antes de publicar a matéria, fi-lo com todas.
    A CGD no Largo Avelar Machado, realmente é um bom exemplo de acessibilidade. Vou fazer essa referência. Foi lapso meu te-la incluido nos maus exemplos. Minhas desculpas e obrigado pela ratificação.
    Fique bem

    ResponderEliminar
  9. Olá Caro Amigo Eduardo


    Será que não devia o país ter em todo lado as acessibilidades a começar por exemplo por Tramagal?

    Cumprimentos

    ResponderEliminar
  10. Deveria sim. Afinal existimos. Mas continuam a não nos enxergarem...
    Fica bem e continua a luta. O edifício foi feito após 1997?

    ResponderEliminar
  11. Afinal de contas, Abrantes está mais acessível do que pensava, parabéns Eduardo pela publicação destas imagens, fez-me recuar no tempo e com saudades.

    Um abraço amigo.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário