Deficientes das Forças Armadas ouvem garantia do Governo

O presidente da ADFA, José Arruda explicou, à saída da reunião com o chefe de gabinete do secretário de Estado da Defesa, Costa Neves, que este "reiterou que as questões relativas às pensões [decreto 137] não têm o direito de existir".

A reivindicação da ADFA surgiu na sequência de uma carta enviada pela Caixa Geral de Aposentações aos deficientes militares para que escolhem entre receber a remuneração salarial ou a pensão, no âmbito do decreto-lei que aprovou medidas para reduzir as despesas como determinado pelo Programa de Estabilidade e Crescimento (PEC) até 2013, como o Diário de Notícias hoje noticiou.

O Ministério da Defesa Nacional (MDN) "reiterou a total razão dos deficientes das forças armadas", e que os militares da associação "não podem ser abrangidos por este decreto", adiantou José Arruda.

A reunião com o Ministério da Defesa Nacional decorreu ontem de manhã, em Lisboa, e visou pedir a suspensão da decisão que, segundo o presidente daquela associação é "abusiva e intimidatória".

O presidente da associação ressalvou, no entanto, que ainda falta "isso escrito no papel", e assinado pelos "secretários de Estado do Orçamento e dos Assuntos Fiscais" para poderem "acalmar os associados" e nas "próximas horas", acrescentou o antigo combatente.

Fonte: DN

Comentários