Alcoitão. Começar de novo


Enquanto mergulhava, passaram-se três segundos. Os suficientes para a manhã se tornar noite. De repente, a escuridão, o silêncio, um vazio inesquecível. “Nunca tinha vivido tamanha sensação de liberdade”, diz Pedro. Desde esse dia que está a aprender de novo a andar, depois de ter ficado paraplégico aos 24 anos. “A desgraça só acontece aos outros”, lembrou-se de ter pensado naquele dia. Na semana anterior, outro jovem tinha sofrido um acidente idêntico, na mesma praia. Com as mesmas consequências.

No Centro de Medicina de Reabilitação de Alcoitão, inaugurado em 1966, encontram-se pessoas de todas as idades, com lesões medulares graves, amputadas ou vítimas de AVC. Acidentes por vezes tão banais que expõem na perfeição a linha entre duas vidas: a normal e a outra. Sendo que aqui aprendem a ver a sua como a normal.

“É como nascer de novo”, refere Pedro, internado há três meses. Enquanto exercita na sala de fisioterapia os primeiros passos, sonha com o dia em que não precisará mais da cadeira de rodas. Outros tentam falar de novo, ou conseguir coisas tão banais como apertar um botão da camisa. Cada conquista é uma pequena vitória. Em Alcoitão é proibido perder a esperança. Aqui não existe lugar para sonhos desfeitos ou vidas perdidas. Há, sim, espaço para a mudança e para reaprender a viver. Com uma capacidade para 500 utentes, entre internamento e ambulatório, o centro é unanimemente reconhecido como uma das melhores instituições na área da medicina de reabilitação no mundo.

Em cada corredor, em cada sala de terapia, inúmeras histórias de vida, cada uma com a sua mensagem, que tocam e atropelam consciências. Mas depois de todos terem feito para si próprios a mesma pergunta – porquê eu? –, nenhum admite desistir. Com um sorriso estampado na cara, Pedro garante: “Tristeza vou ter quando sair daqui.”

Fonte: i

Comentários

  1. Amigos nestas situações a melhor pergunta não é concerteza "porquê eu?" mas sim
    "Porque não eu?" ou ainda "O que vou aprender com isto?"
    Sendo assim tudo passa a fazer mais sentido e a aceitação é melhor...depois com o tempo vamos endo outra capacidade de: ENTREGAR, ACEITAR, CONFIAR e até de AGRADECER...
    Eu tornei-me numa pessoa muito mais consciente e disponivel para o próximo...e tu?
    Bjs e fica bem
    Isa

    ResponderEliminar
  2. Entendo o que queres dizer e maioria é da tua opinião. Há até quem afirme que é muito mais feliz após a deficiência. Se assim o é...óptimo.
    Eu tornei-me mais sensivel para esta causa. Até porque por ignorância/desconhecimento achava que quem estivesse sentado numa cadeira de rodas, somente teria um dedito do pé partido, uma dor na perna...algo passageiro. Depois de entrar neste mundo vi a realidade. Nesse caso acordei. Mas quanto ao resto sempre fui sensivel/justo/solidário ou tentava se-lo.
    Fica bem e desculpa a ausência.

    ResponderEliminar
  3. Pedro, é verdade, qdo sair daii é q vais sentir tristeza! Enquantoo estamos em Alcoitão tudo é excelente! Fisioterapia quase nenhuma...mesmo, mas o convivio com os colegas q esao a passar o mesmo q nós, ameniza a dor durante esta epoca. È brincadeiras, é mesmo só vendo tv..mas ter alguem ao lado vendo conosco. È um q passa e se meete contigo. A nossa disposiçao temos sempre enfermeiros q deitam nos qdo nos apetece! Tbem nada ensinam aos cuidadores!! Sai de la sem saber realizar uma unica transferencia com 1 pessoa, tanto p cama, como para carro.
    Ca fora, a vida é outra! Vem a enorme solidaoooooo, dias inteiros sem ver ninguem, sem receber um telefonema, a depender dos horarios dos outros..da vida dos outros.
    Carol

    ResponderEliminar
  4. Cá fora tudo muda. Cada um por si e a tentar encontrar o seu caminho. Realmente acho muito chato abandonarem-nos. Nunca mais te contatam.
    Fica bem

    ResponderEliminar

Enviar um comentário