Desespero de uma mãe de um filho com deficiência


"Boa tarde, desde já peço imensa desculpa pelo incomodo desta mensagem... mas hoje sinto-me a mãe mais impotente deste país. Sou mãe de um menino com 12 anos que sofre de uma doença rara (Distrofia neuroaxonal) doença degenerativa, neste momento o meu menino está práticamente acamado, hoje pedi ajuda nos serviços sociais, pois estou no desemprego há um ano e 4 meses e em Agosto o meu subsídio acaba, emprego não consigo, pois com um filho acamado e com um horário de escola de 7 horas diárias e de 2ª a 6ª, é dificil conseguir um trabalho, vivo sozinha com o meu filho, não tenho mais ninguém para tomar conta dele nos restantes horários nem fins de semana nem feriados, e a srª assistente social diz-me q tenho de trabalhar, que não tenho direito a ajudas de subsidios para eu sobreviver, está inscrito numa instituição para ficar interno mas está lotada, e também não é o que quero, pois queria ser eu a tomar conta do meu menino, quero ser eu apanhar todos os seus sorrisos, quero ser eu a confortá-lo nas suas dores, quero ser eu a dar-lhe tudo, até que a doença me o leve, porquê que o tenho que o entregar a outras pessoas se eu sempre tomei conta dele, sempre lutei tanto para ele ter tudo... Agora estou no meu limite... perguntei á sr.ª assistente o porquê de ás instituições o serviço social pagar e a nós mães não termos o direito de ter nem q fosse o ordenado mínimo, nestas situações de limite,,, dei-lhe um exemplo:que no Reino Unido os pais tem opção de escolha e se escolherem ter os filhos em casa os serviços sociais pagam aos pais.. ela respondeu-me "pois"... Peço desculpa com o meu desabafo,sei que vocês lutam muito por direitos e expus a aqui a minha situação...

Com os melhores cumprimentos

Rita Faustino"

Mensagem recebida na nossa página que achamos que todos devem ter conhecimento.

Fonte: Movimento (d)Eficientes Indignados

Comentários