Falta de turismo acessível na Europa leva à perda de milhões de euros

O Dorotheum em Viena na Áustria, apesar de sua enorme escada para a entrada principal, possui um
acesso através de elevadores.

Uma nova pesquisa da Universidade de Surrey e encomendado pela Comissão Europeia, revelou que o setor do turismo europeu está perdendo 142 mil milhões de euros todos os anos devido à infraestrutura deficiente, serviços e atitudes em relação a viajantes com necessidades especiais de acesso.

Segundo a pesquisa, os viajantes na UE que necessitaram de acesso especial, seja por meio de deficiência ou idade, realizaram 783 milhões de viagens na região em 2012, contribuindo com 394 bilhões de euros e 8,7 milhões de postos de trabalho para a economia europeia. O Reino Unido foi um dos três maiores contribuintes, gerando mais de 86 milhões de euros e 1,7 milhões de postos de trabalho para o mercado - 20% do total da UE.

No entanto, os pesquisadores acreditam que, se os destinos europeus forem totalmente acessíveis, essa demanda pode aumentar até 44% ao ano, o que resultaria em um adicional de 142 bilhões de euros no PIB e 3,4 milhões de postos de trabalho para a economia europeia.

Após a investigação, a Comissão Europeia identificou sete principais recomendações para melhorar a acessibilidade no setor, incluindo:

1. Acessibilidade e Design para Todos devem ser uma característica integradora de planejamento a longo prazo de destinos e investimentos em modernização de infraestruturas
2 A indústria precisa melhorar seus esforços de coordenação, particularmente através de parcerias público-privadas e redes de relacionamentos profissionais em nos níveis regionais locais e europeus;
3. Todos os membros do pessoal de um prestador de serviços precisa adquirir uma sólida base de conhecimento sobre acessibilidade através de uma boa gestão do conhecimento e formação regular.

"Esta é uma oportunidade de ouro para o setor de viagens europeias.", Disse o professor Graham Miller, da Universidade de Surrey.

"A preocupação de muitas empresas de pequeno e médio porte tem sido recuperar o custo de adaptação para as necessidades especiais de acesso. Esta pesquisa mostra que esse custo não será apenas recuperado, mas irá resultar em crescimento do mercado. No longo prazo, o compromisso é exigido, tanto do setor público e privado. No entanto, mesmo pequenas mudanças, enquanto isso, irão colher recompensas enormes. "

"Não só essas recomendações fazem um caso de negócio válido, mas ter acesso completo às atividades turísticas, serviços e instalações são um direito consagrado no artigo 9 da Convenção da ONU sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência. É imperativo que todos os países europeus demonstrem compromisso com a promulgação de mudança. "

Antonella Correra, diretora de política da Comissão Europeia, Empresas e Indústria comentou: "Esta é a pesquisa mais abrangente sobre Turismo Acessível realizado até agora na Europa. A análise paralela da demografia, padrões comportamentais e da contribuição econômica demonstram muito claramente que a acessibilidade é a nova fronteira para o setor do turismo da UE. Longe de ser um setor de nicho, o turismo acessível é uma grande oportunidade de mercado. A pesquisa fornece evidências claras de que os serviços de turismo acessível também são ótimos serviços, que aumentam a visibilidade e a reputação dos destinos turísticos, e dão uma vantagem competitiva para os operadores. "

A pesquisa publicada dentro do relatório da Comissão Europeia Economic impact and travel patterns of Accessible Tourism in Europe (Impacto econômico e padrões de viagens do turismo acessível na Europa) é o primeiro de seu tipo a estudar o impacto econômico do turismo acessível na Europa.

O estudo avaliou as disposições especiais de acesso para turistas com deficiência, com idade entre 15 e 64 anos e idosos acima de 65 anos em 27 países europeus. Ele avaliou a qualidade dos serviços, infraestruturas e atitudes públicas e privadas.

Fonte: Turismo Adaptado

Comentários