Minha licenciatura. O sonho virou realidade.

Com a chegada da minha deficiência, houve sonhos que ficaram adiados, a continuação dos estudos foi um deles, mas felizmente não perdi a capacidade de continuar a achar que era possível, e a prova disso foi ter acabado de realizar a minha licenciatura em Ciências Sociais/Serviço Social. Só aguardava a saída da nota de estágio, o que aconteceu semana passada.

Sabia que só precisava de uma oportunidade, essa oportunidade surgiu em 2011 quando pude trabalhar e com isso ganhar dinheiro para fazer face ás despesas escolares. 3 anos depois o sonho tornou-se realidade. Infelizmente só foi possível alcançá-lo aos 52 anos, mas isso é só um pormenor. Após terminar o curso não lhe dei muita importância, a não ser um grande alívio e a sensação de dever cumprido, achei que não tinha realizado nada de especial, que era minha obrigação, mas ao pegar e ler o certificado de licenciatura, senti que é algo mais que isso, é o culminar de muito trabalho e um sonho realizado.


Terminei com a média final de 13 porque o valor das notas nunca foi a minha prioridade, minha preocupação maior foi conseguir ultrapassar os meus limites e dar sempre o máximo. Estudar, trabalhar de 2ª a sábado e ser tetraplégico dá mesmo muito trabalho. O mais difícil foi conseguir entregar os trabalhos a tempo (não falhei um), pois ficar a estudar até ás tantas da manhã para mim estava fora de questão, a cama limitava-me muito, só conseguia estudar em decúbito lateral esquerdo e só podia ficar nessa posição máximo de 4 horas. Época de exames também era muito complicado, tinha de aproveitar todos os minutos.


Lembro-me de alguns episódios demonstrativos das dificuldades que refiro. Não foram poucas as vezes que debilitado e só após tratamento médico consegui ir aos exames, profissional de saúde a sair de casa e taxi á minha espera para partir...o último episódio foi chegar à porta do edifício a faltarem 10 minutos para iniciar um exame e depois de sentado na cadeira de rodas verificamos que faltava o encosto, ali fico eu à chuva a aguardar que me trouxessem o encosto (20 km de casa). Resultado foi uma molha e impedido de entrar na sala de aulas, lá argumentei que problema foi da cadeira, professora deixou-me entrar mas com o aviso de que me descontaria os 25 minutos. Entrei, frio quase me paralisava, mas concentrei-me e o resultado do exame foi positivo.


Como estava sempre a acontecer-me problemas inerentes à minha tetraplegia, e nunca sabia quando surgiam e se esses problemas eram impeditivos de estudar, geralmente tentava ter tudo em dia, pois não eram poucas as vezes que algo me acontecia e ficava impedido de estudar na véspera ou dia dos exames e entrega dos trabalhos. Minha estratégia era nunca deixar nada para trás e tentar adiantar serviço. Folgas nem pensar.


Num outro dia de calor insuportável, num trajecto de uns 2 Kms já em Abrantes, que nalguns casos percorria sozinho, o calor era tanto que os sentidos começaram a faltar-me, a minha sorte foi conseguir pedir ajuda a tempo e uma garrafa de água gelada despejada no pescoço e cabeça fez milagres. A falta de material adaptado (e-books) também foi difícil de ultrapassar, mas com ou mais dificuldade tudo se foi ultrapassando.


Sem dúvida que o meu sucesso deveu-se em grande parte devido à ajuda de colegas maravilhosos como a Sandra Freitas, Michele Rodrigues Coelho, Sara Lopes, Sara Dias, Célia Silva, Ana Paula Cruz, Cláudia Figueiredo e tantos outros, assim como professores que jamais esquecerei como é o caso de Lúcio Sousa, Fátima Sousa, José Fontes, Rosana Albuquerque, Maria do Céu Brandão...


Inscrevi-me sempre em 5 cadeiras por semestre. Das 30 cadeiras só uma não consegui ultrapassar e tive de a deixar para o ano seguinte, foi Introdução ao Direito, maioria deixa-a para o último ano, mas á 2ª tentativa resolvi-a, alcancei um 10 que me soube a 20. Nota que voltei a repetir numa outra UC. A minha nota máxima foi alguns 17.
Há muitos colegas que já estão a realizar mestrados e pós-graduações, eu neste momento sinto-me incapaz de tal, foi muito desgastante, mas futuramente se houver dinheiro e sanidade mental...agora a prioridade é realizar o estágio profissional, o que está prestes a acontecer. Enquanto isso vou matando saudades de algumas coisas, como é caso de ver 'porcarias" na TV, até disso já tinha saudades e de um domingo sem fazer nada.


Valeu a pena tantos sacrifícios. Este curso abriu-me novos horizontes e vivi experiências maravilhosas, algo que não pude fazer na juventude. Serviço Social foi algo que sempre almejei, sinceramente já me sentia trabalhador social de coração, só precisava da teoria e isso aconteceu. Ou seja, mais um objetivo cumprido.

Comentários

  1. Respostas
    1. Obrigado amigo.
      Foi um prazer conhecer-te pessoalmente.
      Boas Festas

      Eliminar
  2. Parabéns amigo,
    Sabiamos que eras capaz, gostava ter essa força força interior que te leva a estes feitos.
    Ès um exemplo para muitos que se lamentam...
    Espero que a licenciatura te traga tudo que esperas.

    Grande abraço.

    Miguel Loureiro

    ResponderEliminar
  3. Muito obrigado.
    Grande parte do sucesso deveu-se à nossa Sandra Freitas.
    Foi minha orientadora inicial.
    Boas Festas

    ResponderEliminar
  4. O sucesso é daqueles que batalham, e tu Eduardo és um verdadeiro merecedor desta grande conquista. Desejo que a satisfação desta licenciatura fique para sempre contigo, que te acompanhe sempre e contagie aqueles, que espero sinceramente na tua nobre profissão e empenho venham a beneficiar!

    Parabéns e um grande abraço!
    Sandra Freitas

    ResponderEliminar
  5. Obrigado por tudo Sandra.
    Nunca esquecerei aquele inicio do curso, eu perdido e tu ali presente. Nem imaginas o quanto me ajudas-te.
    Temos de conversar para te contar as últimas peripécias do curso. lol
    Boas Festas

    ResponderEliminar

Enviar um comentário