Adultos com paralisia podem voltar a andar com exoesqueleto já em março

Quando um acidente de bicicleta quebrou as costas de Steve Sanchez uma década atrás, ele ficou paralisado instantaneamente. Ele anda de cadeira de rodas desde então. Mas agora ele tem mais mobilidade do que ele jamais esperava. Com um terno novo robótico, com potência para suportar seu corpo, ele pode dar passos lentos e controlados, ou seja, Sanchez pode andar novamente.

Sanchez é um dos primeiros testadores de Phoenix, um exoesqueleto super-leve, modular desenvolvido pela Robotics Laboratory da Universidade da Califórnia, em Berkeley, nos últimos cinco anos. A empresa chamado SuitX, criada pelo pesquisador Homayoon Kazerooni, planeja oferecer o produto para adultos nos Estados Unidos já em março. Ele também está desenvolvendo uma versão para crianças com doenças da coluna vertebral ou paralisia cerebral.

Os exoesqueletos tornaram-se uma área popular de inovação para roboticistas nos últimos anos. As equipes de investigação e as empresas estão trabalhando em todos os tipos de aplicações, que vão desde ajudar as pessoas com deficiência, até ajudar os trabalhadores a evitar lesões e soldados em campo.

“Nos esforçamos para imitar sistemas biológicos ao invés de copiar robôs industriais que têm atuadores e motores em cada junta”, diz o projeto.

O sistema também é modular, com um par de joelhos, tornozelos e uma peça da quadril que podem ser usadas separadamente, dependendo da necessidade.

Porém, por hora, o custo é alto, variando entre 10 mil dólares e 100 mil dólares. Ano passado, apenas 155 exoesqueletos foram vendidos ou alugados e ele ainda está passando por testes e melhorias.

Assista AQUI ao video. Sugerido por Rute Barros

Comentários