Tetraplégico pede alcatrão à porta de casa

Joaquim Gomes vive no Alto do Vale, Santarém. O mau estado do piso da rua onde mora é um obstáculo à circulação da sua carreira de rodas.


Em 2013 Joaquim Gomes, 50 anos, teve um grave acidente de mota em Vila Chã de Ourique, concelho do Cartaxo, que lhe deixou marcas para o resto da vida.

Natural do Vale de Santarém, concelho de Santarém, ficou tetraplégico e necessita de atenção e cuidados constantes, não conseguido comer ou deslocar-se sozinho. Há muito que pede melhorias na Rua do Sobreiro, no Alto do Vale, localidade da freguesia onde reside, pois o mau estado do pavimento afecta a circulação da sua cadeira de rodas nos passeios diários para apanhar ar e sol pelas redondezas.

Até ao trágico acidente Joaquim Gomes trabalhava no serviço de pós-venda da General Motors em Oeiras. Casado e com dois filhos foi atirado para uma cama num quarto onde passa grande parte do dia a ver televisão.

Reserva sempre uma hora do seu dia, normalmente antes do almoço, para passear pela zona com a mãe e com uma auxiliar que o ajuda diariamente.

Um carro pode não sentir as dificuldades em passar pela rua mas o seu visível mau estado, com buracos, alcatrão gasto e várias pedras soltas fazem toda a diferença para Joaquim.

O caminho tem uma extensão de cerca de 100 metros que o morador tem de percorrer obrigatoriamente pelo alcatrão uma vez que os passeios são estreitos para a sua cadeira de rodas. "A estrada é horrível. Ao passar pelos buracos tenho muitas dores e dificulta-me a respiração, é muito incomodativo", explica.

Fonte: O Mirante

Comentários