Mais sobre veículos adaptados e empresas de adaptações em Portugal

Após tornar públicas AQUI as minhas dificuldades em conseguir informação por parte das empresas de adaptação veículos, recebi inúmeras sugestões e queixas, que muito agradeço e aproveito para partilhar convosco mais abaixo.

Foi surpreendente a quantidade de pessoas com deficiência descontes e a passar, ou que já passaram pela mesma situação. Dá que pensar este tipo de procedimento por parte destas empresas para connosco.

No meu caso, após experimentar a Renault Trafic, verifiquei que a sua altura era insuficiente, optei pela Renault Trafic H2L2 e estou a ser apoiado pela empresa de adaptações Transvetra e comercialização do veículo Roques.
1 - Em relação ao nosso caso, como já te tinha dito optamos pelo http://www.ford.pt/tourneo-connect e este modelo só poderá levar uma cadeira eléctrica e 5 passageiros. O veículo já está encomendado e em princípio vamos optar pela VTE para fazer as adaptações;

2 - Já vou em 5 adaptações e foi sempre na Rutilar - Campolide Lisboa - Sr. Carlos 939 916 619. Bons, baratos e podem sugerir a melhor opção;

3 - Tenho as melhores referências e toda a confiança na VTE e no Sr Vitor Lopes. Alias quando comecei a ler o seu email foi nele que pensei até que cheguei á parte em que li que estava insatisfeito. Tente de novo ele é um excelente profissional;

4 - Quanto a adaptações, recomendo-te o Sr. Carlos Jerónimo da Electro Rutilar. Pequena oficina de adaptações na zona das Amoreiras em Lisboa. Quando comprei o carro e o adaptei em 2009, fí-lo numa empresa grande de adaptações de Santarém, entretanto falida. Aquela, ElectroRutilar, é coisa bem mais pequena e tem-se mantido ao longo do tempo;

5 - O Dacia Lodgy é um veículo construido com base na Renault com algum material mais pobre - mas esta viatura é mais barata e quem não se importar muito com a estética creio que ficará bem servido. O motor a gasolina é de pouca cilindrada devido aos impostos, mas como o meu amigo não os pagará sugiro o conhecido diesel 1,5 da Renault que equipa os Dacia. Os motores diesel de 90 cavalos ou o de 110 cavalos são mais do que suficientes. E são económicos.
O novo Citroen C4 Picasso é uma excelente opção. O meu amigo está muito satisfeito com o modelo anterior. Descubra o excelente Seat Alhambra que, para mim, é a melhor opção preço/qualidade quando comparado com o Ford Galaxy ou o Volkswagen Sharan (este é primo do Alhambra).
Mas estas viaturas são mais caras do que a Dacia mas também são mais robustas e têm uma melhor cotação em caso de venda posterior. No entanto, analisando a altura de acesso aos carros, creio ser o Dacia Lodgy o que permite o acesso mais perto do solo;

6 - Se tens dinheiro na Mobilitec (Maia) tens a PARAVAN (Alemanha) e a REHATRANS (Espanha). A PARAVAN faz o que tu quiseres, mas, THE POWER OF MONEY, POIS É CARO
TENS O PROJETO kiwi NA iTALIA, NÃO É MAU, USAM UM kIA soul, penso que a VTE é o representante;

7 –A Fiat também faz adaptações. Mas a adaptação feita na fábrica de origem da marca, quando possível, é a melhor. E têm de lhe dar o preço final do veículo com a devida adaptação, após as especificações e desenho da adaptação seguirem para à fábrica, que para si é faturado sem IVA e sem ISV;

8 - EU TENHO A CADDY DAWW. DÁ PARA UMA CADEIRA ELECTRICA E 3 PASSAGEIROS (INCLUINDO O CONDUTOR). VEIO DIRECTAMENTE ADAPTADA DA ALEMANHA.;

 9 – Dos modelos que falaste, e das necessidades que precisas, os modelos mais pequenos não servem. Quanto à Traffic, sendo de tracção dianteira, acaba por ter uma suspensão mais rija na traseira e assim dar mais saltos e ficar desconfortável (tenho uma Mastes que é idêntica).
Pela mesma gama, aconselhava algo de tracção traseira, como a Mercedes Sprinter (modelo mais curto) ou a Volkswagen Transporter, que são muito mais confortáveis em viagem. Esta é a experiencia que tenho em andar em varias viaturas deste género. Há mais de 10 anos que ando em veículos do género e tenho o conhecimento prático de andar em cadeira neles;

10 - A Renault Trafic é talvez um pouco volumosa mas é uma boa carrinha. O preço é muito mais alto do que o do Dacia Lodgy e o material e o fabricante é o mesmo - grupo Renault. Mas tem de experimentar ambas no terreno.
O acesso é mais elevado uma vez que a Trafic é uma carrinha de transporte de mercadorias adaptada a transporte de passageiros. Não é um monovuleme de nascença.
Esta carrinha é mais baixa e também está muito bonita - se calhar é pequena para o que pretende: Ford Courier. E tem também a Fiat Talento, a Ford Transit Connect. Creio que a Fiat Ducato é parecida em tamanho à Renault Trafic. Ainda tem a carrinha Citroen SpaceTourer.
No segmento dos grandes monovolumes, um pouco mais caro, ainda encontra o Peugeot 5008. Mas o preço qualidade mais barato que encontra é realmente a Dacia Lodgy.
Contate os concessionários das várias marcas da sua zona e marque com um vendedor uma hora para o receber na presença dos vários modelos. Tenha em atenção as alterações de caraterísticas necessárias à sua mobilidade e família e ao preço que pode despender.
Terá de ficar com o carro durante 5 anos, pelo menos. E se não viajar na viatura o condutor autorizado a fazê-lo por si só o pode fazer sem si num raio de 60 kms da sua residência que constar no Documento Único. Consigo presente pode dar a volta ao mundo;

11 - Optei pelo http://www.ford.pt/tourneo-connect e este modelo só poderá levar uma cadeira eléctrica e 5 passageiros;

12 – Também passei pelos mesmos problemas, quando estava quase a desistir apareceu a Auto Ribeiro que me salvou. Comprei  um kangoo;

13 - Tens a Mercedes Sprinter, a VW Caravelle/Transporter e a VW Crafter que penso adequarem-se. Acerca das empresas de adaptações de veículos já adaptei duas na TotalMobility lda e, até agora tudo correu bem;

14 - No meu caso, preocupei me há 11-anos com o consumo, capacidade para 2 cadeiras de rodas, segurança e resistência para aguentar diariamente o peso de pelo menos de uma cadeira a ser "transferida"do exterior para o interior, face a estes pressupostos escolhi carrinha Mercedes Viano que retirei os bancos de trás e responde as necessidades, pontos fracos o sistema eléctrico frágil devido ao esforço do elevador. Atualmente se tivesse todos os mesmo requisitos escolhia a mesma. Pela segurança. Neste momento estou a procura de carrinha híbrida e mais pequena comprei o elevador na H2visual com montagem e coloquei adaptação no volante numa oficina em Campolide;

15 – Tenho uma Volksvagen transporter tem mais 2 assentos em estilo fila indiana atrás do condutor, e a cadeira de rodas fica atrás do assento do pendura. É mais prático e fico perto do condutor. E entro pela porta traseira por uma plataforma dobrável e elétrica, que tem nome de fiorella e os cintos são colocados no chão.
Mas a carrinha tem mais 2 assentos extra que colocamos  quando queremos fazer um passeio maior e levar mais pessoas. Mas quando é esse caso eu tenho que entrar pela porta lateral e manualmente, mas isso só acontece de longe em longe, quando queremos passear com mais pessoas...E sim, tenho uma visibilidade excelente porque a cadeira fica mais ou menos centrada entre os 2 bancos da frente e tenho as janelas laterais que dá para ver com perfeição para o exterior;

16 – Tempos atrás andei com meus pais a procurar as empresas que adaptam mas eles desistiram. Ninguém nos respondeu;

17 - Pois informo-te que existe uma empresa que faz grandes adaptações, e que tem varias soluções, é a IRBUS situada em Pinhal Novo - Palmela. O responsável é o Sr André Ferreira, contacto: 219 817 320;

18 - Perante as finanças estas carrinhas são consideradas comerciais, mesmo adaptadas logo não estão isentas de selo para deficientes alertei o deputado Jorge Falcato que respondeu:
Se tiverem emissões abaixo dos 180gr CO2 mantêm-se a isenção até 250 euros. Veículos ligeiros de passageiros até 9 lugares;

19 – Aconselho a fiat DUCATO, quanto a conseguires adapta-la esquece, tens muito que pedalar, as empresas não querem saber de nós;

20 - Relativamente à dificuldade na transformação tivemos exactamente com o mesmo problema. Temos de ser nós a correr atrás das empresas para que elas nos façam orçamentos e a adaptação, algo difícil de compreender.
Sobre os veículos é difícil emitir uma opinião pois depende muito das suas necessidades. A Trafic é um modelo acabado de sair, com muitos argumentos. Veja também a nova ford transit custom, que é parecida. Outro exemplo, já que falou em VW Caddy, experimente ver a VW Caddy Maxi. Neste caso irá ganhar em consumos e é classe 1 em portagem;

21 – Gostei do FORD TOURNEO, mas fui ver melhor e é muito baixinho. Acho que deve-se  denunciar as empresas de adaptação. Também passei por isso. São arrogantes e não colaboram. Ainda estou para entender porque fazem isso. Deve ser porque acham que não pagamos;

 22 - Concordando com a sua opinião sobre o modelo Renault Trafic, em que aconselhamos a versão L2H2, indicamos também a Opel Vívaro L2H2, a Fiat Talento L2H2 e também a Ford Transit Custom L2H2.
Poderemos posteriormente apresentar-lhe uma proposta para a transformação, mas aconselhamos uma primeira abordagem a concessionários das marcas indicadas, até sobre o enquadramento fiscal, nomeadamente quanto ao ISV.
Por último, aconselhamos que solicite preço para viaturas já vidradas e com 2 lugares apenas na cabine, de origem, e a restante transformação será feita pelo transformador.
Para qualquer esclarecimento, não hesite em contactar.
Miguel Carvalho
Departamento Comercial
 Tel.: 91 3964600
E-mail: miguelcarvalho@autoribeiro.com;

23 - Eu também ando nessa cruzada de querer mandar adaptar uma carrinha Kia Ceed que tenho à 6 anos, para eu poder conduzir, pois eu tinha um Vexel Quovis que eu conduzia na minha cadeira de rodas, mas com o tempo e como os materiais não eram os mais fiáveis e acabei por ter que mandá-lo para a sucata.
Agora e como eu tenho carta de condução queria mandar adaptar a minha carrinha Kia Ceed, mas queria orçamentos para ver o que me compensava mais: se mandar adaptar esta carrinha ou comprar carro novo já adaptado. Desde Novembro do ano passado que entrei em contacto com vários concessionários e tal como tu continuo aguardando respostas, as pessoas parece que nem dinheiro querem ganhar, não há qualquer interesse em resolver as situações;

24 - Vejo que já fizeste um importante trabalho de recolha de informações sobre as soluções hipoteticamente disponíveis.
Também constatei que já sentiste o desânimo que é contactar os estroinas que era suposto quererem vender, fazer negócio, e nem se dignam responder a simples questões. Também passei por isso e, embora tenha encontrado o veículo que considerei mais apropriado para as minhas necessidades;

26 - Vi a tua publicação sobre a escolha da carrinha e adaptação automóvel e gostaria de trocar umas opiniões contigo. Estou a passar pelo mesmo processo;

27 - Lamento que tenha formado tal opinião a nosso respeito e que tenha demonstrado a sua incompatibilidade com a nossa empresa, a todos os seus contatos. Pelo que refere, pelo menos nós respondemos. Não teremos respondido em prazo, mas nunca deixámos de responder.
 Não me recordo de me ter dado conhecimento dos seus requisitos atuais (2 passageiros em cadeira de rodas elétrica). Admito que seja lapso meu. Mesmo desconsiderando-nos, como fez no seu email, atrevo-me a fazer alguns comentários sobre a escolha da viatura ideal para si.
 A Renault Trafic não será a ideal pois, é uma viatura de classe 2 em auto estrada. Parece-me demasiado grande. A Ford Tourneo Custom poderá ser uma alternativa mas, é necessário ter presente qual a estatura dos passageiros em cadeira de rodas e qual a sua linha de visão.
 Contrariando a sua opinião, e validando previamente os aspetos da estatura, o Kia Soul Emotion será o veículo ideal para si, pois tratando-se do veículo mais compacto do mercado (apenas 4 metros), permite ainda assim transportar 2 passageiros em cadeira de rodas, podendo até permitir que um deles conduza e transportar mais 1 ou 2 em cadeira de rodas. Tem 7 anos de garantia Kia e 2 anos na transformação, será também um dos mais económicos do mercado, quer em investimento quer em custos de manutenção.
É verdade que tem um máximo de 4 lugares apenas mas, tirando esse aspeto, cumpre com todos os outros. Admitindo que um dos ocupantes em cadeira de rodas pretenda conduzir, também poderá proporcionar essa mais valia. Ainda assim, haverão outros veículos a recomendar mas, só depois de uma avaliação mais detalhada.
 Assim, deixo aqui o meu modesto contributo e faço votos para que encontre o fornecedor que corresponda às suas expetativas, lamentando que já tenha descartado a nossa empresa. Respeito a sua posição e não voltarei a este assunto novamente pois não quero nem sinto que me estou a redimir de algum comportamento comercial menos correto.
 Cumprimentos
Vitor Lopes
VTE; e por último

28 - Como sabes tenho um Kia Soul Emotion, e já transportei 3 cadeiras nele, a minha, uma a meu lado e uma atrás. Sempre trabalhei com a VTE e nunca tive problemas.

29 - Na esperança do n/ contributo ir ainda a tempo temos a referir que a nossa experiência em viaturas adaptadas é com a Renault Master, a Citroën Jumper e a Toyota Optimo. Somente os dois primeiros modelos são de 9 lugares. Da n/ experiência, a Renault oferece outras (e melhores) garantias a nível de qualidade.

Acerca dos transformadores e apesar do “negócio” ter sido feito com representantes das marcas automóvel, sabemos que veem equipadas com adaptações da Roques, da Emergência 2000, da Futurvida e da Autoribeiro. A da Futurvida foi a mais morosa na colocação (houve um engano e outros pormenores a nível de prazos), mas taçvez seja o sistema mais facilitador /eficiente.

APROVEITO TAMBÉM PARA DEIXAR OS BENEFÍCIOS NA AQUISIÇÃO DE VEÍCULOS ADAPTADOS E CONDIÇÕES DE ATRIBUIÇÃO:

CISV – Código do Imposto Sobre Veículos
 1 – Artigo nº 54: Estão isentos do imposto os veículos destinados ao uso próprio de pessoas com deficiência motora, maiores de 18 anos, bem como ao uso de pessoas com multideficiência profunda, de pessoas com deficiência que se movam exclusivamente apoiadas em cadeiras de rodas e de pessoas com deficiência visual, qualquer que seja a respectiva idade, e as pessoas com deficiência, das Forças Armadas,

2 - A isenção é válida apenas para os veículos novos que possuam nível de emissão de CO2 até 160 g/km, não podendo a isenção ultrapassar o montante de (euro) 7800;

3 - Quando o sujeito passivo com deficiência reúna todas as condições para beneficiar da isenção, com excepção da carta de condução, sendo tal falta devida exclusivamente à circunstância de inexistir veículo adaptado ao tipo de deficiência em que possa efectuar a aprendizagem e exame de condução, a isenção do imposto pode ser concedida para o veículo a adquirir, na condição de que seja prestada garantia do imposto sobre veículos e do imposto sobre o valor acrescentado, devendo o interessado, no prazo de um ano, provar a obtenção da mesma, sob pena de ser accionada a garantia;

4 - O limite relativo ao nível de emissão de CO (índice 2) estabelecido no n.º 2 não é aplicável aos veículos especialmente adaptados ao transporte de pessoas com deficiência que se movam apoiadas em cadeira de rodas, tal como estas são definidas pelo artigo seguinte, sendo as emissões de CO (índice 2) aumentadas para 180 g/km, quando, por imposição da declaração de incapacidade, o veículo a adquirir deva possuir mudanças automáticas.
O cidadão deficiente apenas pode usufruir de isenção do ISV até aos 7800,00 euros. Se o imposto devido for superior, terá de pagar a diferença.

IVA – Imposto Sobre o Valor Acrescentado
A isenção do IVA na compra de veículos é um dos benefícios fiscais para cidadãos com deficiência.  
Nos termos do n.º 8 do art. 15.º do Código do IVA (CIVA), a aquisição de triciclos, cadeiras de rodas, com ou sem motor, automóveis ligeiros de passageiros ou mistos para uso próprio de pessoas com deficiência, de acordo com os condicionalismos previstos no Código do Imposto sobre Veículos (CISV), estão isentas de IVA.

O reconhecimento da isenção depende de pedido dirigido à AT, anterior ou concomitantemente à apresentação do pedido de introdução no consumo, acompanhado da habilitação legal para a condução, quando a mesma não é dispensada, bem como de declaração de incapacidade permanente, das quais constem os seguintes elementos:

-A natureza da deficiência (pessoa com deficiência motora de grau igual ou superior a 60%, pessoa com multideficiência profunda de que resulte um grau de incapacidade igual ou superior a 90%, pessoa com deficiência que se mova apoiada em cadeira de rodas, com grau de incapacidade igual ou superior a 60%, pessoa com deficiência visual que tenha uma alteração permanente no domínio da visão de 95% e pessoa com deficiência, das Forças Armadas, com grau de incapacidade igual ou superior a 60%);
-O grau de incapacidade atribuído;
-A comprovação da elevada dificuldade de locomoção na via pública ou no acesso ou utilização dos transportes coletivos convencionais; e,
A- inaptidão para a condução, caso exista.

Se os proprietários dos veículos adquiridos com isenção pretenderem proceder à sua alienação antes de decorridos 5 anos sobre a data de aquisição ou importação, devem pagar, junto das entidades competentes para a cobrança do imposto sobre veículos, o IVA correspondente ao preço de venda, que não pode ser inferior ao que resulta da aplicação ao preço do veículo novo à data da venda, com exclusão do IVA, das percentagens referidas no n.º 2 do art.º 3.º-A do Dec.-Lei n.º 143/86, de 16 de junho.

IUC - Imposto Único de Circulação 
Quais são as viaturas isentas?
Tal como acontece com a isenção de ISV para deficientes, também no IUC é limitado o leque de viaturas que concedem ao portador de deficiência a isenção de pagamento desse imposto anual.
Saiba que só fica isento se for proprietário de um veículo automóvel das categorias A, B e E (motociclos, automóveis ligeiros de passageiros e reboques).

Só tem direito a isenção para uma viatura por ano e até 250€. Se o IUC a pagar for de 260€, por exemplo, será necessário pagar 10€ de IUC. Na prática, é preciso pagar às Finanças o valor total do IUC, mas a diferença é devolvida posteriormente através de cheque. Para estar isento, o veículo tem de apresentar um nível de emissão de CO2 igual ou inferior a 180g/km, de acordo com o Decreto-Lei n.º 41/2016.

Quando é concedida a isenção?
Já lá vai o tempo em que todos os anos os cidadãos com deficiência tinham de solicitar a isenção do imposto anualmente. Desde 2004 que só têm de o fazer no primeiro ano em que o imposto seria devido. Não havendo mudança de viatura, o benefício mantém-se de forma automática.
Como pedir?
Cerca de um mês antes de completar um ano de matrícula, deve dirigir-se a uma repartição de finanças com os seguintes documentos:
Atestado Médico de Incapacidade Multiusos comprovativo da incapacidade igual ou superior a 60%;
Título de propriedade da viatura.

Caso a situação de incapacidade já faça parte do seu cadastro tributário, poderá solicitar a isenção do IUC através do Portal das Finanças > Entregar > IUC > Declaração > Escolher a Viatura e pedir a Isenção. A partir daí, poderá imprimir o comprovativo do pagamento sem ter que se deslocar às finanças.

Mais informações: Autoridade Tributária um e dois, INR e economias

Comentários

  1. Venho por este meio aqui deixar o meu testemunho quanto a VTE e ao senhor vítor lopes.
    Sou deficiente tetraplégico encomendei e paguei um carro kia no mês de junho 2016 ao senhor vítor lopes, hoje dia 9 de maio 2017 ainda não tenho o carro legalizado.Por isso não vejo nenhum profissionalismo neste senhor passo a explicar desde o dia que o cheque foi entregue ao senhor vítor lopes, este senhor nunca mais me atendeu o telemóvel, percebam bem nunca mais me atendeu o telemóvel, unicamente manda-me a emails enganadores tal como, o senhor não se importa com o seu carro seja cinzento para ser mais rápido, a entrega seria em outubro 2016, em outubro recebo outro e-mail me dizendo se eu não me importava se o carro fosse preto que este estaria pronto mais rápido do que o cinzento. O Que se passou com o carro cinzento? Por fim o carro chegou em dezembro de cor preto hoje faz 6 meses e o carro ainda não está legalizado não tem matrículas e continuo sem poder falar com este senhor vitor lopes.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário