Padrão Respiratório X Tetraplegia


O ato respiratório pode ser dividido em 2 fases: inspiração e expiração.

Na inspiração participam os músculos diafragma, intercostais externos, escalenos e esternocleidomastóideo. Já na expiração, atuam os músculos abdominais e intercostais internos.

Porém, durante a inspiração, o tônus da musculatura abdominal é importante para frenar a descida do diafragma e regular o fluxo inspiratório, fortalecer o diafragma, através de constante atividade excêntrica e com isso potencializam sua ação.Logo, musculatura abdominal torna-se importante para todo o ciclo respiratório.

Freqüentemente, indivíduos com tetraplegia apresentam fraqueza ou paralisia da musculatura abdominal, o que ocasiona diminuição da capacidade respiratória, maior incidência de atelectasias e pneumonias. A ausência da ação voluntária da musculatura intercostal e abdominal também contribui para diminuição da capacidade vital, além da dificuldade em expirar.

Quanto mais alto o nível de lesão, mais intensas são essas complicações.
Tendo em vista tais complicações, estudos buscam técnicas ou métodos para melhorar a capacidade respiratória destes pacientes. Dentre eles, a estimulação elétrica nos músculos abdominais tem sido uma técnica utilizada com bons resultados.

A estimulação elétrica é um procedimento terapêutico não invasivo, que consiste na aplicação de corrente elétrica com o intuito de produzir contração muscular. Mecanismo que simula a passagem do impulso nervoso, levando o músculo a contrair sem a necessidade de um impulso originado pelo sistema nervoso.

CASO CLÍNICO
Paciente: D.F – Lesão Medular C4 – C7 (tetraplegia incompleta)
Queixa: dificuldade de engolir e refluxo gastroesofágico
Exame: diminuição da expansibilidade torácica, tosse ineficaz, redução da força muscular respiratória e acessória e murmúrio vesicular diminuído globalmente, PI max: – 60 cmh2o e PE max: + 40 cmh2o

Realizado o uso da eletroestimulação nos músculos abdominais com os seguintes parâmetros: Freqüência: 20 hz, Largura de pulso: 0,15 ms , Ton: 5 seg e Toff: 3 seg .

Após 3 terapias foi introduzido o uso do Threshold.

Inicio de 19 cmH2O, com aumento gradativo, atingindo o valor máximo ao final do treinamento, realizando 3 séries de 10 repetições com 2 minutos de repouso.

Após dois meses de terapias observamos um aumento de 30 cmh2o, tanto na Pi max que de – 60 cmh2o que aumentou para – 90 cmh2o , quanto para a PE max, que passou de + 40 cmh2o para +70 cmh2o.

Acreditamos que o uso da estimulação elétrica na musculatura parece potencializar os resultados do treino respiratório, porém existe pouca literatura disponível sobre este método. Mais estudos seriam necessários para confirmar sua eficácia.

Por: Ft. Paula P. Ferrari paula.pferrari@yahoo.com.br

Fonte: Deficiente Fórum

Comentários

  1. Olá.. Me interesso por essa área, por que a colocação dessa disposição de eletrodos?
    Não seria mais interessante coloca-los no M. Reto abdominal?

    email: alf.meireles@yahoo.com.br

    Obrigado

    André Meireles

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. André, pode discutir pontos de vista com a autora do estudo através do e-mail: paula.pferrari@yahoo.com.br
      Boa sorte

      Eliminar

Enviar um comentário