segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

Feliz 2013

“O objetivo não deveria ser termos um ano novo, mas sim uma alma nova e lembre-se que nunca é tarde demais para começar tudo outra vez. Um 2013 com paz, saúde, trabalho e muito amor."


Imagem: Movimento (d)Eficientes Indignados

Atribuição de Produtos de Apoio pelo IEFP. Uma vergonha!

Fizemos uma vigília para acabar com isto. Pelos vistos ainda não conseguimos, mas não vamos ficar parados.

O IEFP tem no orçamento 762.000€ mas até ao fim de Novembro gastou 17.256,04 €

Há que perceber porquê.

Nos orçamentos regionais talvez tenhamos uma resposta. A Região Norte tem 33.062€, a Região Centro tem 52.580€, a de Lisboa e Vale do Tejo 137.500€, o Alentejo tem 12.000€ e o Algarve tem 0 (zero) de orçamento. É natural que todas estas regiões não estejam “disponíveis” para atribuir Ajudas Técnicas nem divulgar que têm essa responsabilidade.

Por isso o Norte atribuiu 1 Ajuda Técnica, o Centro nenhuma, Lisboa e Vale do tejo 4, o Alentejo 2 e o Algarve, como não podia deixar de ser, para quem nem tem orçamento, atribuiu 0.

Onde anda o resto do orçamento?

Está nos Serviços Centrais e Centros de Gestão Participada, que não atribuíram qualquer Ajuda Técnica. São 526.858€ que pelos vistos estão guardados para a poupança ou para agradar à Troika e reduzir o défice.

E se fossem poupar nos carrinhos topo de gama?

Podem consultar o relatório do IEFP e descobrir muito mais programas que têm execuções próximas dos 0%, está aqui.

Banco de Produtos de Apoio em Vila Real

O Centro de Engenharia de Reabilitação da Universidade de Vila Real recebeu 13 toneladas de material para pessoas com deficiência e idosos doados pela Fundação sueca AGAPE, destinados à criação de um banco para empréstimo à comunidade.

Francisco Godinho, responsável pelo Centro de Engenharia de Reabilitação e Acessibilidade (CERTIC) da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), disse à agência Lusa que são 360 produtos de apoio e 230 acessórios ou peças de equipamentos.

A maior parte do material destina-se à mobilidade pessoal, como cadeiras de rodas, acessórios para cadeiras de rodas, elevadores de transferência elétricos, andarilhos, equipamentos para treino de marcha, canadianas, e ainda para a higiene pessoal, desde cadeiras sanitárias, assentos elevados de sanita.

Foi também doado mobiliário adaptado para a habitação, nomeadamente camas articuladas e colchões anti-escara. O material foi recolhido pela AGAPE em centros de tecnologias de apoio da costa oeste da Suécia, onde se encontra sediada a fundação.

Francisco Godinho disse que os produtos ajudarão à criação de um serviço de empréstimo de produtos de apoio à comunidade do distrito de Vila Real, o Banco Local de Produtos de Apoio.

«É uma ideia que nós já tínhamos há muito tempo para situações temporárias. Muitas vezes o tempo que uma pessoa precisa para pedir um financiamento desses por parte do Estado é demasiado longo porque a necessidade é imediata», salientou.

O banco deverá estar disponível a partir de março e vai ainda incluir outros produtos existentes no CERTIC nas áreas das Tecnologias de Informação e Comunicação (interfaces de acesso ao computador, computadores, sistemas alternativos de comunicação) e da recreação e lazer (brinquedos, equipamentos de lazer e jogos adaptados).

Muitos destes produtos de apoio do CERTIC foram concebidos e adaptados pelos alunos da UTAD.

Entretanto será criado um portal na Internet com a informação sobre os produtos disponíveis e condições de acesso.

Fonte: TVI24 e mais informação sobre a AGAPE

Lista de Produtos de Apoio para 2013

Informa-se que já foi publicada a lista dos produtos de apoio onde constam todos os produtos que, em 2013, poderão ser prescritos ao abrigo do regime provisório do Sistema de Atribuição dos Produtos de Apoio (SAPA).


Fonte: INR

Livro: Ser deficiente é ser capaz

Rita Saraiva, nasceu em 1972 em Lisboa. Pintora e poetisa licenciou-se pela UTL na Faculdade de Arquitetura em Design de Produto (2000).

Edita agora o seu primeiro livro de autoajuda baseado na sua vivência e percurso quer de estudante quer de pessoa com incapacidade motora de 80%.

Um testemunho em primeira mão, escrito como diário íntimo e pessoal, muito pessoal.

Enviado por Rita Saraiva - Fonte: Wook

sábado, 29 de dezembro de 2012

terça-feira, 25 de dezembro de 2012

1º Sistema de Comunicação Aumentativo e Alternativo Multiplataforma

A Câmara Municipal de Castro Daire criou o 1º Sistema de Comunicação Aumentativo e Alternativo Multiplataforma (Windows, Mac, Linux, Android, iPad, iPhone) desenvolvido em Portugal, com funcionalidades únicas no mundo e totalmente gratuito. O sistema foi batizado de “BIA”..

Este projeto surgiu com o objetivo de melhorar a vida da Beatriz, uma criança do Concelho de Castro Daire com paralisia cerebral (tetraplegia espástica com componentes atetósicos e disartria) que não consegue comunicar de forma verbal, o que constantemente se revela uma enorme limitação, pois torna-se difícil satisfazer as suas necessidades mais básicas.

Este sistema tem como base o caderno de comunicação físico(papel) da Beatriz, criado pela Terapeuta da Fala da APCV, Drª.Vanessa Malaquias, transformado em suporte digital. A aplicação é composta por símbolos pictográficos de comunicação coloridos, devidamente separados por categoria, que após a sua seleção, reproduz sonoramente a palavra associada ao símbolo.

Fonte e toda a informação: CM de Castro Daire

CogWeb: Ferramenta para o treino e estimulação de pessoas com dificuldades cognitivas



Mais sobre este assunto.

Programa Salvador entrevista Mónica Silva e Hugo Alexandre

Salvador visita o Centro de Medicina de Reabilitação de Alcoitão, onde conhece Mónica Silva e Hugo Alexandre. 

Veja aqui o programa.

Nesta emissão especial, Salvador desafia os seus convidados a viver um Natal inesquecível. Desde o encontro surpreendente de Mónica com o seu grande ídolo dos relvados, à experiência única de Hugo de pura adrenalina e velocidade, os dois jovens tetraplégicos vão subir às nuvens ao realizar um dos seus maiores sonhos.


Exposição A Cor do Natal

De 5 de dezembro de 2012 a 4 de janeiro de 2013, a Biblioteca Municipal António Botto, em Abrantes, recebe duas exposições alusivas à temática do Natal.

«Exposição de Presépios», provenientes da coleção particular de José Barata.

Exposição «A Cor do Natal», composta por 60 desenhos e pinturas da autoria de pessoas com deficiência de todas as idades, realizadas no âmbito das sete edições do Concurso Nacional de Postais de Natal promovido pela ANACED (Associação Nacional de Arte e Criatividade de e para Pessoas com Deficiência) entre 2003 e 2009.

As exposições podem ser visitadas de 2ª a 6ª feira, das 9h00 às 19h30.

A entrada é livre.

Tel.: 241 379 990 / E-mail: biblioteca.animacao@cm-abrantes.pt

Sai de casa uma vez por ano

Desde 1997 que José sai da sua casa na aldeia uma vez por ano, apenas para ir ao hospital. Tem 43 anos, é deficiente e a sua vida foi quase sempre assim. Esta é a história do homem que se divide entre duas janelas: a do quarto e a da Internet.

Da janela do quarto vê-se parte da aldeia de Ligares, município de Freixo de Espada à Cinta, a sua terra natal. Foi ali que José Araújo nasceu há 43 anos. Não foi um parto fácil e veio ao mundo com deficiências que nunca lhe permitiram o andar e o forçam a tomar medicamentos para poder viver. As pernas são tortas, a traqueia demasiado apertada, os movimentos são complicados, o coração está ao meio do peito. José não anda e nos últimos quinze anos só saiu de casa para se deslocar às consultas no hospital de Bragança. Nos últimos quinze anos não saiu mais do que 15 vezes de casa.

Nem sempre foi assim. Com o esforço da mãe, que o transportava às costas todos os dias em direção à escola, José aprendia. Na escola nunca teve dificuldades. Tinha amigos, como toda a gente e nunca se sentiu posto de lado. Com a quarta classe concluída, decidiu não prosseguir os estudos. As ruas de terra e de lama, as subidas e descidas da aldeia, a distância que separava a casa da escola, fizeram-no querer poupar a mãe, a quem agradece para a vida. "Se não fosse ela nunca teria aprendido a ler. E isso sim, seria uma enorme deficiência".

Tudo mudou quando os amigos se começaram a ir embora. Uns, seguindo o destino fatalista das aldeias do interior, partiram para as grandes cidades. Os outros casaram e acabaram, também eles, por partir. José ficou com os pais e os quatro irmãos. Entretanto o pai morreu e três irmãos saíram de casa para começar vida própria. José ficou com a mãe e o único irmão solteiro. A mãe, que toda a vida foi doméstica, recebe uma pequena reforma. José Araújo ganha uma pensão de cerca de 300 euros por mês.
O amante de cinema que nunca entrou numa sala

Com a impossibilidade de sair - uma cadeira de rodas simples nunca pode ser uma solução viável, dada a grande inclinação da aldeia - José começou a ler tudo o que podia, principalmente, graças às bibliotecas itinerantes da Fundação Gulbenkian. Para além da leitura, gosta de fotografia e de cinema, principalmente o neorealista italiano. "Mas nunca entrei numa sala", confessa.

"Nasci numa família pobre mas com a sua riqueza", explica. "Somos todos muito unidos". O que falta em dinheiro, sobra em amor. A casa, embora esteja mais vazia que na sua infância, enche-se com as visitas da família que acabou por aumentar com o nascimento dos sobrinhos cujas fotografias pontuam as estantes, mesas e paredes.

Uma casa obstáculo

A casa é modesta e a disposição não ajuda à mobilidade de um deficiente. José não pede ajuda para continuar a ser o mais auto-suficiente possível. Para ir à casa de banho tem de se arrastar pelos muitos degraus que descem ao primeiro andar e voltar a arrastar-se depois para o quarto.

O bloguer que colocou a aldeia no globo

José Pereira, primo e presidente da Junta, diz que a situação está sinalizada. Afirma que a Junta já fez um projeto para mudar a casa de banho para o primeiro andar mas que a Câmara Municipal de Freixo de Espada às Cinta nunca libertou as verbas necessárias. "O que ele tem feito por Ligares é muito importante. Se não fosse o José havia muita memória que se iria perder para sempre", diz. Refere-se ao blogue sobre a terra que José Araújo fundou. Já lá vamos.

Há 21 anos à espera de resposta do Centro de Emprego

A sua vida mudou quando o irmão ganhou um computador Spectrum. Enquanto este jogava, José aprendia a programar. Quando lhe ofereceram a possibilidade de trabalhar numa fábrica de sapatos - tinha 22 anos - José declinou o convite. O seu sonho era trabalhar com computadores. O Centro de Emprego ficou de lhe tentar conseguir um curso na área. 21 anos depois, ainda não recebeu resposta. A falta de aptidões profissionais, conta, não o deixam trabalhar com informática profissionalmente. Mas ali há montes, vales, vinhas. Cursos, não. E os que estão online são caros demais para um bolso desde sempre apertado.

Há alguns anos quiseram-lhe pagar para que construísse um site. Não aceitou porque tinha um computador fraco. "Mas hoje penso que mesmo que tivesse melhor equipamento não podia aceitar. A responsabilidade passava a ser outra e eu não tenho curso, uma garantia que possa dar para além daquilo que sou capaz e que fui aprendendo sozinho!", explica.

Mesmo assim, depois de aprender inglês sozinho, vou desvendando os mistérios dos computadores com facilidade. "Sou curioso e gosto de aprender. Nunca olhei para as estrelas sem perguntar o que estava lá", refere.

Oito a dez horas por dia na Net

Foi aí, no ecrã, que foi construindo a janela que o deixa ver o mundo no lugar que quiser. "A Internet, para além do exercício da mente, permite-me comunicar. E tem o poder de colocar as pessoas todas ao mesmo nível", explica. Navegando, mesmo sem sair do quarto, passa oito a dez horas por dia na Internet à velocidade de 1 Mb/s, num momento em que se anunciam velocidades de 400 Mb/s. Por ela, "um luxo caro", paga cerca de 40 euros mensais. Já reclamou à ANACON pela discriminação negativa mas a resposta que teve é que "não podiam mexer nos tarifários das operadoras". "Dos 40, quinze euros são de taxa, o que é uma discriminação para as aldeias do interior. Anda lá alguém a dar à manivela para a internet chegar aqui?", pergunta. O Expresso constatou que é mais fácil apanhar rede espanhola do que portuguesa e que o 3G raramente se encontra.

No twitter escreve sobre política, mas há mais...

Com mais ou menos velocidade, tem dois blogues e um twitter. Um deles sobre a sua terra, Ligares. Junta memórias, fotografias, histórias e gentes da aldeia. Pede fotografias aos habitantes e outras, atuais, ao irmão. Investiga, escreve os textos e publica. "Já me escreveu uma pessoa a dizer que a única fotografia que tinha visto da mãe foi no blogue, que se não tivesse sido eu que nunca teria visto imagens da própria mãe. Isto paga tudo: o trabalho, o esforço, as horas passadas ao computador", conta. No twitter escreve sobre política. E depois há o "5N", o seu blogue pessoal e criativo. Reflete sobre o amor, a religião - mesmo não sendo crente, a sua vida. "Escrevo textos curtos como são curtos os acontecimentos da minha vida. É um outro mundo".

Há uns anos uma prima levou José a ver o mar. Foram a Matosinhos e depois a um centro comercial. "Senti-me muito bem. Estava tudo cheio de gente. Provavelmente, demasiado preocupados com as suas próprias vidas para olharem para mim. Foi bom sentir-me apenas mais um", recorda. "Muitas pessoas - por bondade, julgo eu - têm pena de mim. Dizem que há sempre quem esteja pior. Mas em que é que isso me alegra? Saber que há quem esteja pior que eu? Quem me dera que não houvesse. Tomara eu que fosse o único, era sinal que as pessoas estavam bem. Há coisas que nunca vou ter e gostava, como a saúde, o poder dar uma vida melhor à minha mãe. Materialmente, gostava de ter um computador melhor, um telemóvel melhor. Mas não vou andar triste por causa disso. Se não posso, paciência. Nunca pedi nada para mim", garante.

"O céu é aqui"

De uma coisa tem a certeza: não trocava o poder andar pela inteligência. "Não quero dizer que sou mais inteligente do que os outros, apenas que tenho a minha própria inteligência, que tenho consciência das coisas à minha volta. Vejo certas pessoas que andam e eu não gostava de ser assim. Dizem-me que quando for para o céu que vou andar. Talvez até venha a ser um Figo ou um Ronaldo. Mas eu acho que o céu é aqui e que é aqui que temos de aproveitar. Tudo o resto é uma enorme incerteza".

Siga o grupo aberto por José Araújo no Facebook

No texto de apresentação do grupo no Facebook, José Araújo escreve: "É difícil partilhar a minha vida convosco, porque nem comigo a consigo partilhar. Sinto que muitas vezes passa por mim sem me falar, não é por não a querer viver! Quero e muito! A minha vida é que tem um feitio muito difícil, tenho de me chatear com ela, mesmo que não queira. Eu quero sempre mais e ela quer me dar apenas o que há... tem dias que não a suporto! Apesar disso, amo-a muito, somos inseparáveis! Sorrimos quando pudemos, choramos quando dói e ficamos sós, quando assim tem de ser... amo-a e como-a com toda a minha alma! Sem ela não vivo e isso diz tudo... às vezes parece-me encontrar vidas mais belas, fico triste com a minha! Porém, as outras vidas, por mais belas que sejam, não me amam como a minha. É a minha vida e só posso pedir que me aceitem assim, que o amor que tenho pela vossa vida seja o mesmo que sintam pela minha."

Clique para aceder ao grupo de José Araújo no Facebook

Fonte e video: Expresso

Através da mente tetraplégica conseguiu controlar uma mão e um braço-robô

Parece até uma cena de filme de ficção científica, mas não é. Usando apenas o pensamento, uma mulher tetraplégica conseguiu controlar uma mão e um braço-robôs. A americana Jan Scheuermann, 52 anos, que está paralisada do pescoço para baixo há 13 anos devido a uma doença degenerativa no cérebro, recebeu a prótese e já consegue pegar objetos e movê-los de lugar como se fosse com uma mão biológica.

Segundo os pesquisadores da Universidade de Pittsburgh, nos Estados Unidos, a prótese permite um “grau de controle e liberdade de movimentos” que nunca havia sido atingido com esse tipo de dispositivo. De acordo com eles, o aparelho tem amplitude e variedade de movimentos similares aos de uma mão natural.

Para obterem tal resultado, implantes cerebrais foram usados na paciente diagnosticada com degeneração espinocerebelar e que foi aos poucos perdendo o controle de seu corpo, até não conseguir mais mover seus braços e pernas.

Dois implantes cerebrais

Com os implantes — dois sensores cada um, de 4mm x 4 mm no córtex do cérebro —, Jan conseguiu controlar o braço robótico e o resultado foi avaliado pelos especialistas como “uma conquista extraordinária”.

Depois de duas semanas, eles começaram uma espécie de fase de treinamento de estimulação para que ela pudesse operar a prótese e conseguisse um bom domínio da sua mão biônica. Logo no segundo dia de treinamento, Jan foi capaz de controlar o braço e ao longo de 14 semanas foi aperfeiçoando essa habilidade. O tratamento ainda está em fase experimental, mas os cientistas já pensam em uma próxima etapa: querem que a prótese tenha alguma resposta sensorial, como ao calor ou ao frio.



Enviado por José Guerreiro  -  Fonte: O Dia

Deficiência: Actividades Artísticas e Culturais

Dezembro é o mês em que se comemora o Dia Internacional das Pessoas com Deficiência, o Natal e a Solidariedade.

Com as sugestões apresentadas no Programa de Difusão Artística, Cultural e de Formação n.º 7, a ANACED quer, sobretudo, relembrar o direito que todas as pessoas com deficiência têm a participar, em condições de igualdade com as demais, na vida cultural do seu País (Artigo 30.º da Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência).

Por isso, propomos-lhe que visite as Exposições “A Cor do Natal”, em Abrantes, “Os Animais Fantásticos”, em Aveiro, “Polaris” e “Três Estrelas e um Menino – Presépios de Delfim Manuel”, em Lisboa e “Lugares Comuns”, na Amadora.

Sugerimos-lhe ainda que reflicta sobre a importância da felicidade no desenvolvimento do Ser Humano no 7º Congresso Internacional Espaço t e a leitura do Livro “DILEMAS DA DIVERSIDADE: Interrogar a Deficiência, o Género e o Papel das Políticas Públicas em Portugal” da autoria de Paula Campos Pinto.

Se quiser ocupar os seus tempos livres ou o tempo de férias dos seus filhos, espreite as sugestões do Museu Nacional de Machado de Castroem Coimbra e do Museu da Cidade em Lisboa.

ANACED
Associação Nacional de Arte e Criatividade de e para Pessoas com Deficiência
Rua do Sítio ao Casalinho da Ajuda
1349 -011 Lisboa
Tels. 21 363 68 36 – 21 361 69 10
Fax 21 364 86 39

Enviado por email

Formação Financiada para Técnicos e Outros Profissionais de Reabilitação Profissiona

Exmo/a Sr./Sra.

Venho, por este meio, disponibilizar informação sobre o Programa: Qualidade nos Serviços e Organizações - Formação e Sensibilização de Técnicos e Outros Profissionais de Reabilitação Profissional(totalmente financiado).

O projeto consiste em acções de sensibilização e de formação profissional dirigidas a técnicos e outros profissionais de reabilitação profissional, não implicando qualquer investimento por parte da entidade e tendo como objetivo principal a aquisição ou actualização de conhecimentos para um bom desempenho profissional e a aquisição ou aprofundamento de competências profissionais e relacionais necessárias para o início do exercício da atividade profissional, para uma melhor adaptação às mutações tecnológicas e organizacionais e/ou reforço da sua empregabilidade.

Para as acções de sensibilização a duração pré-estabelecida é de uma carga horária entre 6 a 12 horas de formação.

As acções de Formação profissional, por sua vez, deverão ter uma duração mínima de 25 horas e máxima de 250 horas e têm como requisitos:

- a integração na modalidade de formação contínua de aquisição, atualização, aperfeiçoamento, especialização ou reconversão profissional;

- a estrutura em unidades de formação/módulos de 25 ou 50 horas, em número adequado e carga horária formativa total, congruente com as modalidades de atualização, aperfeiçoamento, requalificação ou especialização, bem como as características do público-alvo a que se destinam;

- a garantia de uma resposta adequada às reais necessidades de formação dos técnicos e da entidade, bem como ter em conta o contexto regional em que se inscreve a sua intervenção.

Técnicos abrangidos por este programa:

a) Quadros dirigentes e de chefia: Diretores, Coordenadores da formação e outros;
b) Formadores e Auxiliares de formação;
c) Técnicos de Apoio à Inserção Profissional e/ou Técnicos de Acompanhamento à Formação e Emprego;
d) Psicólogos, Assistentes Sociais, Fisioterapeutas, Terapeutas e outros profissionais de reabilitação físico-funcional;
e) Docentes especializados nas áreas de comunicação e linguagem;
f) Docentes especializados em problemas graves da cognição e outros;
g) Intérpretes e Formadores de Língua Gestual Portuguesa;
h) Técnicos de Braille e Técnicos de Mobilidade;
i) Técnicos de Formação de Centros de Formação;
j) Técnicos afetos à reabilitação dos serviços públicos de formação e emprego e outros organismos mediadores do processo de integração socioprofissional destes públicos.

l). Os Profissionais que desempenhem funções ao nível do atendimento, caracterização e encaminhamento de pessoas com deficiências e incapacidades, nomeadamente em entidades/organismos, públicos ou privados, centros de reabilitação, de recursos especializados, de formação, e de reconhecimento e validação de competências e, necessitem de adquirir e/ou atualizar conhecimentos e competências transversais ao processo de integração socioprofissional destes públicos, visando o desenvolvimento de uma cultura de parceria entre os técnicos dos diversos organismos públicos ou privados que intervêm na área das políticas integradas de habilitação e reabilitação profissional.

Os formandos destas acções têm direito a subsidio de refeição no valor de 4,27 Euros/dia.
Esta formação responde à obrigatoriedade de formação ministrada aos trabalhadores 35 h/ano.
Para a integração no projeto necessitamos da seguinte informação:

Conteúdos programáticos consoante as necessidades e habilitações dos colaboradores (ex.: trabalho social/orientação, artes criativas, música);
Caraterização da Entidade;
Nº de colaboradores;
Habilitações dos colaboradores;
Atividades desenvolvidas;
Parcerias Locais;
Outros Projetos;
Horário de formação pretendido (laboral/pós-laboral).

Para dar início ao programa gostaríamos de ter a vossa confirmação de participação e o envio da informação, acima requerida, o mais brevemente possível.

Agradeço a atenção.
Qualquer dúvida, disponha!
Com os melhores cumprimentos,

Ana Domingos
Av. General Humberto Delgado, Lote 1 3º Dto.
2955-115 Pinhal Novo
Telefone: 212 384 609 Fax: 212 384 611

Enviado por email

domingo, 16 de dezembro de 2012

Estudo: Deficiência e Emancipação Social: para uma Crise da Normalidade

Um pequeno video com excertos das entrevistas dos participantes no estudo:
“Deficiência e Emancipação Social: para uma Crise da Normalidade”, levado a cabo pelo CES-Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra e onde também tive a honra de participar. Posteriormente irá ser lançado um livro e video com os respetivos resultados.


Obs: faço referência à petição da autoria do IPCVI. "O que queremos é viver".

Wcs e estacionamentos acessiveis

Aqui está uma boa ideia. Um site e aplicações para smartphones onde pode encontrar o WC ou o lugar de estacionamento que precisa.
É feito numa base colaborativa sendo os próprios utilizadores que vão acrescentando informação. Em Portugal só está assinalada um WC acessível. Apelamos a que assinalem todos WCs e estacionamentos que conhecem.

É escusado dizer que será muito útil para muita gente, não é? http://www.wheelmate.com/en/


Ceye + C12/C15: Sistema portátil que permite o controlo do computador pelo olhar

O CEye + C12/C15 é um sistema portátil de acesso pelo olhar. O C12 é de 12 polegadas e o C15 de 15 polegadas.

Esta tecnologia permite detectar com rigor para onde o utilizador está a olhar seguindo o movimento dos seus olhos. Permite o controlo do computador, possibilitando a pessoas com movimentos muito limitados conseguir, por exemplo, comunicar de uma maneira independente utilizando software de comunicação existente no mercado (GRID2 ou SPEAKING DINAMICALLY).

Contém:
Sistema integrado de controlo de ambiente IV
Software para controlo do Windows
Ligação Bluetooth, Câmara, Microfone, Altifalantes
Entrada para manípulos
2 Baterias com autonomia até 6 horas

NOTA: Este equipamento tem opção de compra ou de aluguer. Consulte-nos ( info@anditec.pt) para saber as condições de aluguer!

Fonte e informação completa: Anditec

Regras que regulam a acumulação da pensão de invalidez com rendimentos de trabalho

As regras que regulam a acumulação da pensão de invalidez com rendimentos de trabalho encontram-se previstas na Seção II do Decreto-Lei nº 187/2007, de 10 de maio, com as sucessivas alterações, nos art.s 58.º e seguintes.

De acordo com o nº 1 do art. 61.º, a pensão de invalidez absoluta não é cumulável com rendimentos de trabalho. No entanto, ao abrigo do art. 59.º, a pensão de invalidez relativa pode ser acumulada com rendimentos de trabalho nos seguintes casos:

- Se os rendimentos resultarem da mesma profissão que tinha antes de começar a receber a pensão por invalidez, o valor acumulado pode ir até 100% da remuneração de referência que serviu de base ao cálculo da pensão;

- Se resultarem de uma profissão diferente, o limite do valor acumulado é uma percentagem da remuneração de referência tomada em consideração no cálculo da pensão, que varia de acordo com anos de acumulação, nos termos do Anexo III da referida Portaria.

Deste modo, se forem ultrapassados os limites estabelecidos, pode não haver lugar a acumulação entre a pensão e os rendimentos de trabalho.

No que diz respeito ao subsídio de doença, a alínea c) do art. 6.º do Decreto-Lei nº 28/2004, de 4 de Fevereiro (diploma que define o regime jurídico de proteção social na eventualidade de doença no âmbito do subsistema providencial da segurança social), com as sucessivas alterações, refere que não há lugar à atribuição de subsídio de doença aos beneficiários que se encontrem”a receber pensões de invalidez e velhice de quaisquer regimes de proteção social, salvo o disposto no nº 2 do art. 27.º.”

Fonte: INR

Vamos apoiar a Helena na aquisição de uma cadeira de rodas!

 Preencha esta vida com apoio da Associação Salvador.


Neste momento estamos a angariar fundos, através do sitePreencha Esta Vida, para que a Helena tenha uma nova cadeira de rodas. Desde setembro, mais de 500 pessoas já contribuíram com donativos que ultrapassam os 25 mil euros. Já foi possível apoiar o José Carlos, a Antonieta e o Márcio com cadeiras de rodas, o Fernando com uma bagageira de tejadilho e a Mariana com sistema de comunicação. Mas há mais vidas para preencher! Ajude, a partir de 1 euro, até 31 de Dezembro.

"Sou a mãe da Helena, a Helena tem crescido bastante e os equipamentos que tenho estão a ficar pequenos. São equipamentos muito caros, daí solicitar a ajuda de todos para a atribuição de uma cadeira de rodas de posicionamento."

A Helena, 14 anos, tem paralisia cerebral sofrendo de um atraso no desenvolvimento psico-motor. Não fala, mas consegue exprimir-se por gestos. Vive com os pais e com um irmão e frequenta a escola das Alagoas de Peso da Régua. Precisa de uma cadeira de rodas de posicionamento pois a atual tem 6 anos e como ela cresceu está desadequada causando-lhe desconforto e dores.

Fonte: Associação Salvador


Berlim: Cidade Acessível 2013

A vice-presidente da Comissão Europeia  Viviane Reding, entregou o Prémio Cidade Acessível 2013 à cidade de Berlim. O prémio foi atribuído a esta cidade pela sua abordagem global e estratégica na criação de uma cidade acessível a todos. Organizado pela Comissão e pelo Fórum Europeu da Deficiência, o prémio foi apresentado na conferência do Dia Europeu das Pessoas com Deficiência, realizada em Bruxelas. O prémio visa encorajar as cidades a partilharem a sua experiência e melhorar a acessibilidade para todos.

As pessoas com deficiência ainda enfrentam demasiados obstáculos no seu dia-a-dia, mas cidades como Berlim estão a liderar este processo de tornar a vida mais acessível para todos, afirmou a vice-presidente Viviane Reding, comissária europeia para a Justiça. A acessibilidade oferece novas oportunidades comerciais e pode ser um verdadeiro estímulo para a inovação e o crescimento económico. É por isso que a acessibilidade está no âmago da estratégia europeia para a deficiência e que estamos a elaborar as nossas propostas para uma lei europeia da acessibilidade, que pretendo apresentar para o ano.

O júri selecionou Berlim devido à sua política estratégica e inclusiva relativamente à deficiência, que incluiu grandes investimentos na transformação de uma cidade antes dividida num ambiente acessível e sem barreiras. O júri realçou o sistema de transportes de Berlim e o investimento feito na acessibilidade para as pessoas com deficiência em projetos de reconstrução. A abordagem global de Berlim para a deficiência está plenamente integrada nas políticas da cidade e é amplamente apoiada pelos responsáveis políticos.

Os restantes finalistas são:

Nantes (França): reconhecida pela sua abordagem holística na conceção de uma cidade acessível a todos e pela variedade de ações de sensibilização para a acessibilidade na vida quotidiana. Nantes tem investido na formação de desenhadores e arquitetos e mantém um diálogo com os cidadãos visando oferecer às pessoas com deficiência um ponto de encontro e a possibilidade de definirem projetos conjuntos.

Estocolmo (Suécia): escolhida pela sua abordagem inclusiva de longo prazo, que segue uma estratégia de desenho universal. A Visão para Estocolmo em 2030 tem como objetivo transformar a cidade, em que 30 % da zona central é constituída por água, numa cidade de reconhecimento mundial, acessível a todos. Bons exemplos incluem cruzamentos acessíveis a pedestres, casas de banho públicas e parques infantis assegurando a sua acessibilidade para crianças e pais portadores de deficiência.

Os europeus estão profundamente convencidos de que as pessoas com deficiência devem participar plenamente na sociedade, de acordo com um novo inquérito promovido pela Comissão Européia divulgado antes de 3 de dezembro, Dia Europeu das Pessoas com Deficiência (ver IP/12/1296).

Contexto

Por acessibilidade entende-se o acesso das pessoas com deficiência, em condições idênticas aos demais cidadãos, ao meio físico, aos transportes, aos sistemas e tecnologias da informação e de comunicação e a outras instalações e serviços.

Esta é a terceira edição anual do prémio Cidade acessível. A cidade espanhola de Ávila (IP/10/1641) foi a primeira galardoada e a segunda Salsburgo, na Áustria (IP/11/1492). Além do vencedor e três finalistas, este ano o júri também conferiu menções especiais a:
Pamplona (Espanha), pelo seu ambiente urbano acessível e pelas suas políticas ambientais sustentáveis. Esta cidade desenvolveu um plano de quatro anos para renovar a infraestrutura local, incluindo o centro histórico: o nível dos pavimentos foi reduzido, foram instalados parques infantis e zonas de exercício físico acessíveis a pessoas idosas ou com deficiência, e rampas, elevadores e passadiços representam soluções que tornam acessíveis as zonas irregulares da cidade.
Gdynia (Polónia), graças aos seus esforços contínuos no sentido de tornar os transportes públicos acessíveis: 97 % dos autocarros e 58 % de troleicarros estão hoje acessíveis a pessoas com deficiência. A cidade introduziu também um sistema de informação com descrições e sinalética em braile, bem como postes e painéis de informação acessíveis a pessoas em cadeiras de rodas.
Bilbau (Espanha), pela utilização das TIC (tecnologias da informação e da comunicação), em benefício das pessoas com deficiência, incluindo um serviço telefónico de informações para pessoas com dificuldades de audição ou de fala, gabinetes de tradução simultânea em serviços públicos e lacetes indutivos para eliminação de ruído sonoro e melhoria dos serviços prestados a pessoas com aparelhos auditivos.
Tallaght (Irlanda), pelo leque de serviços inovadores que melhoram a qualidade de vida dos seus cidadãos com deficiência e pessoas idosas. Os exemplos incluem um serviço de reparação de ruas e pavimentos em 48 horas, serviços de informação, passadeiras pedestres, zonas de reciclagem e livrarias acessíveis e disponibilização de livros em diferentes formatos para deficientes visuais.

Mais informações: Prémio Cidade Acessível – www.accesscityaward.eu

Fonte: Deficiente Ciente

Vox4All: Sistema de comunicação aumentativa e alternativa

O Vox4all é um sistema de comunicação aumentativa e alternativa para smartphone e tablet.Pretende dar voz a quem não tem e colmatar dificuldades de comunicação. Este sistema de comunicação mobile é totalmente configurável e adaptável, para ajudar a ultrapassar as barreiras da comunicação e criar um ambiente adaptado.

Para o profissional constitui uma poderosa ferramenta de trabalho, facilitando a comunicação. A customização permite criar grelhas (pranchas) individualizadas, para que a terapêutica seja a mais eficiente possível. Nas situações de tratamento, o utilizador (usuário) pode tirar partido da versatilidade para escolher as palavras, símbolos e imagens mais enquadrados com o contexto e comunicar com eficácia.

Fonte e informação completa: Imagina

Como chamar as pessoas que têm deficiência?

Em todas as épocas e localidades, a pergunta que não quer se calar tem sido esta, com alguma variação: “Qual é o termo correto - portador de deficiência, pessoa portadora de deficiência ou portador de necessidades especiais?” Responder esta pergunta tão simples é simplesmente trabalhoso, por incrível que possa parecer.


Vi este tema no Deficiente Ciente e achei interessante partilha-lo convosco. O debate está lançado...

domingo, 9 de dezembro de 2012

Quebrar Barreiras

Quebrar barreiras no Programa Sociedade Civil com a participação do nosso amigo arquiteto Jorge Falcato Simões.

Assista ao programa aqui.


Convite aniversário do livro Unidos no Amor Contra a Indiferença

Puxa como tempo passa…e depois da tempestade vem a bonansa!

Passaram 3 anos desde que o “nosso” filho nasceu e já fez história

Nasceu orfão de Pai, mas acreditem que em nenhum momento o Manuel me deixou sózinha. Ficam desde já convidados a participarem na “festinha” que estou a organizar para agradecer e juntar TODOS os Amigos e Amigas que me têm ajudado a superar esta nova fase da minha Vida…

Para além, da aprendizagem que tenho feito ao longo destes 10 anos. O trabalho interior que não é remunerado, mas que me dá “força e coragem” para não desistir e que contribui para o meu bem-estar físico e psicológico.

História do livro

CONVITE para estarem conosco no DIA 15 das 15h às 18h

Participe no estudo sobre a intimidade de mulheres com deficiência em Portugal

Este estudo incide sobre a intimidade de mulheres com deficiência em Portugal. O nosso objetivo principal é contribuir para um melhor conhecimento sobre a vida íntima das mulheres com deficiência, ajudando assim a desconstruir preconceitos. Queremos ainda formular sugestões de intervenção que permitam ao Estado e às associações um envolvimento mais adequado em função das oportunidades, obstáculos e expectativas das pessoas participantes neste estudo.

Queremos entrevistar mulheres com deficiência entre os 30 e os 44 anos, residentes em Portugal.

Se considera corresponder a este critério, por favor entre em contacto connosco.

Queremos entrevistar mulheres deficientes com experiências diversas, incluindo mulheres lésbicas e pertencentes a diferentes minorias étnicas.

Para mais informações, pf consulte a Folha Informativa ou a Informação de Leitura Fácil

Fonte e mais informação: CES

Estudo de avaliação do impacto dos custos financeiros e sociais da deficiência

Disponibilizamos hoje um estudo que, ao que parece, os governos não gostam. Encomendado e finalizado durante o governo de José Sócrates, dizem-nos que nunca foi aprovado politicamente nem por esse governo nem pelo actual, não tendo por isso sido publicado oficialmente.

Chegaram-nos agora informações de que vai ser encomendado novo estudo sobre o mesmo assunto. Esperemos que não seja um “estudo” com resultados estabelecidos à partida.

Aqui ficam alguns extractos do estudo realizado pelo Centro de Estudos Sociais – Faculdade de Economia de Coimbra. Pode descarregar o texto integral no link que se encontra mais abaixo.

“As diferentes fontes permitiram quantificar as várias dimensões do quadro estrutural de desigualdade enfrentado pelas pessoas com deficiência na nossa sociedade: menores níveis de educação, menor taxa de empregabilidade, menores rendimentos do trabalho, maiores despesas com a saúde. Verifica­se, ainda, que as transferências sociais não suprem as condições de especial vulnerabilidade das pessoas com deficiência, pelo que, mesmo quando o peso compensatório destas é ponderado, se mantém um quadro de menor rendimento global das pessoas com deficiência e ou incapacidade e dos agregados familiares a que estas pertencem.”

“Os resultados obtidos oferecem um diagnóstico quantitativo e qualitativo das condições de desigualdade a que estão sujeitas as pessoas com deficiência e/ou incapacidades, constituindo uma base importante para (re)definição das políticas públicas.”


Pode descarregar aqui: http://www.mediafire.com/view/?ajnrpli6xluvxvf

domingo, 2 de dezembro de 2012

“Unidos no Amor contra a Indiferença” no Montijo

EU: Adoraria estar presente. São sempre marcantes e diferentes estes encontros. Ainda por cima, desta vez com a presença da Dra Ana Garrett, autora de um excelente estudo sobre nós
Boa sorte Isa Barata!

Eduardo Jorge

O auditório da Biblioteca Municipal Manuel Giraldes da Silva recebe a apresentação do livro “Unidos no Amor contra a Indiferença”, de Isabel Barata e Manuel Matos, no dia 5 dezembro, a partir das 16h00.

Para além da autora, o evento contará com a presença de Ana Garrett, psicóloga, doutorada em psicologia clínica e investigadora do Centro de Investigação e Intervenção Social (CIS-IUL) do ISCTE que fará a apresentação da obra.

Na semana em que se comemora o Dia Internacional da Pessoa com Deficiência e o Dia Mundial do Voluntariado, a obra de Isabel Barata e Manuel Matos é um grito de dignidade: uma obra subversiva na nossa sociedade acomodada e formatada, onde a diferença é tolerada desde que se comporte dentro de certos padrões e não pretenda, como é apontado constantemente a um dos autores do livro “agarrar a Lua”.
“Unidos no Amor contra a Indiferença” é uma história de dois concidadãos nossos que se recusaram a ser emocionalmente “deficientes” e a aceitar a recusa que lhes foi imposta de construírem um futuro a dois
O futuro comum já não existe, pois Manuel Matos faleceu durante o processo de produção do livro. Contudo, através desta obra chega ao leitor a mensagem de ambos os autores, a mensagem da sua luta por direitos fundamentais e pela visibilidade enquanto elementos válidos, produtivos e necessários ao funcionamento da sociedade.
 
Isabel Barata tem 42 anos. É licenciada em economia. Encontra-se em situação de aposentação por invalidez devido ao agravamento de uma osteogénese imperfeita. Desde 2002, que se tem empenhado ativamente na área do voluntariado e do desenvolvimento pessoal.

Manuel Matos, licenciado em Germânicas, foi professor do ensino secundário durante 28 anos. Reformou-se devido ao agravamento de uma doença neuromuscular severa e congénita. Foi escritor, tradutor e cofundador da Associação Portuguesa de Doentes Neuromusculares.

A apresentação de “Unidos no Amor contra a Indiferença” insere-se na iniciativa “À conversa com escritores” que a Câmara Municipal do Montijo está a promover para dar a conhecer, ao público em geral, o trabalho e o talento de diversos escritores locais e nacionais.

Relatório dos Produtos de Apoio atribuidos pelo IEFP - Uma vergonha!

Com uma dotação de 762.000€ no ano de 2012 para atribuir ajudas técnicas, o IEFP consegue chegar ao fim de Outubro com uma despesa de 10.077€.


Centro Ortopédico Phoenix

EU: Gosto muito da maneira familiar como esta loja sempre me tratou. Pessoal fantástico! Pena situarem-se num lugar muito complicado a nível de acessibilidades. 

Eduardo Jorge

Sedeada na Rua Arco da Graça Nº: 51 em Lisboa (à entrada do Hospital S. José) ,sendo uma das empresas pioneiras no ramo de artigos ortopédicos e liderada pelo sócio gerente LINO MENDES DE SOUSA reconhecido nacionalmente como um dos pioneiros e mestres na arte ortopédica, desenvolvendo e aperfeiçoando várias técnicas levando os produtos a alta qualidade. Sendo os produtos de destaque, Próteses, ortóteses e coletes.

(Comercializa toda a gama de produtos nacionais e estrangeiros ligados a ortopedia)

Centra a sua actividade na comercialização de material ortopédico. Dispõe de um panóplia de artigos como punho, cotoveleira e pé elástico. Comercializa talas imobilizadoras de pulso, estabilizador da tíbio-társica e apoios de braço.

No que se refere aos membros inferiores disponibiliza protectores de joanete, palmilhas, calcanheiras, calçado pós-operatório e para diabéticos.

Na sua gama de produtos contempla cadeiras de rodas, cadeirões geriátricos, camas hospitalares, colchões anti-escaras, andarilhos, canadianas e muletas. Encontrará ainda uma vasta gama de cintas, meias e collans de descanso.

Opte pela qualidade no que se refere à saúde. Ligue grátis!

Informação completa: Centro Ortopédico Phoenix Lda

I Jornadas do CASCI - Habilitar para Incluir

O Centro de Acção Social do Concelho de Ílhavo (CASCI) organiza as “I Jornadas do CASCI – Habilitar para Incluir” no auditório do Museu Marítimo de Ílhavo, no dia 19 de Janeiro de 2013. Esta iniciativa visa a troca de experiências e saberes acerca da deficiência e a disseminação de boas práticas para a inclusão escolar, profissional e social.

Especialistas, investigadores, docentes e terapeutas irão apresentar comunicações que visam habilitar a Comunidade e os demais profissionais para uma intervenção mais ajustada às necessidades da pessoa em situação de desvantagem, munindo-os e dotando os cuidadores/educadores com ferramentas teóricas e práticas para resultados mais profícuos e efetivos.

Convidamos Vossas Excelências a participar no referido evento e solicitamos a divulgação do mesmo pelos vossos colaboradores e contactos.

Agradecendo desde já a atenção que certamente irá dispensar.
Cordiais cumprimentos,

A comissão organizadora

Contactos para inscrição:

http://jornadascasci2013.blogspot.pt/

Enviado por email

As acessibilidades em Tomar : Ó da Guarda. Aqui,d’el Rei. Acudam, que os da Câmara dão cabo de mim

EU: Afinal já é costume este procedimento por parte da Câmara Municipal de Tomar contra as pessoas com deficiência.


Eduardo Jorge

(como se os políticos tivessem preocupações!.. Tenho que travar as minhas tendências para a generosidade).

Vem esta reza, outra vez, a propósito da desenvoltura com que a Câmara de Tomar troca a saúde e a capacidade produtiva dos deficientes motores por meia dúzia de tostões.

Assim: defronte da frente norte do Palácio da Justiça (hei-de interrogar-me um dia sobre a razão de ser da designação Palácio dada aos Tribunais. Palácio > Paço > Paço Real – lugar onde Sua Majestade Real concedia a benesse da justiça ao povo. Arbitrariamente. Fica para outra vez)… Começara a dizer que defronte da frente norte do Palácio da Justiça de Tomar existe um lugar para estacionamento de deficientes motores e muito visível e bem assinalado. Só que, quando vem uma Feira, a Câmara troca esse lugar para deficientes pelos euros que lhe paga quem lá instala uma barraca e mesas e cadeiras para servir vinho e petiscos aos feirantes e passantes. A Câmara de Abrantes fazia o mesmo quando realizava umas festas-feiras e uma feira defronte do Palácio da Justiça (noutro dia também me interrogarei sobre a razão de ser das decisões municipais de meterem os Tribunais dentro das feiras…).

E andei uns dias com canadianas (muletas; se fosse com canadianas do Canadá vá que não vá…), e andei uns dias de canadianas, porque na semana passada, a Câmara de Tomar fez-me andar, debaixo de chuva, mais de quinhentos metros para chegar ao Tribunal e outros tantos depois para chegar ao carro, porque só consegui estacionar para lá da estação dos comboios. E essas penosíssimas marchas agravaram as maleitas da esquerda (refiro-me à minha perna esquerda), de que só recuperei uma semana depois, e depois de muitas dores e duas bisnagas de voltaren.

E foi por isso, por causa do que gastei no voltaren, que me ocorreu fazer aos da Câmara a seguinte proposta: Já que os vossos cofres não podem prescindir dos cobres que nas feiras vos rendem aqueles 15 ou 20 m2 do estacionamento para deficientes, comprometo-me a cobrir a proposta do feirante de copos e petiscos – para se manter desocupado e livre de mesas e cadeiras o lugar destinado ao estacionamento de veículos de deficientes. Será bom negócio para a Câmara. E para mim também, porque presumo que o que me fazem gastar em remédios quando lá põem os petiscos chegará e sobrará para vos pagar.

P.S. – Não estranhem o tom risonho deste escrito, apesar do que sofri. Que nos salve o riso, porque, neste país, de quem levar a sério os políticos e as suas decisões o menos que se pode dizer é que ou é doido ou burro de todo.

Por Eurico Heitor Consciência

RTP - O dia-a-dia de uma pessoa com deficiência

Como se consegue um deficiente motor viver o dia a dia depois de sair da proteção do hospital?

A jornalista Rosário Salgueiro viveu para contar a força que é preciso ter para ultrapassar barreiras que a lei impede...

Veja aqui a reportagem em video.

Todas as semanas Rosário Salgueiro vai ao encontro da vida de portugueses.

Realidades que nem sempre conhecemos mas que muitas vezes estão mesmo ao nosso lado.

Atleta fica tetraplégico em luta e volta a andar

Jonathan perdeu movimentos das pernas e dos braços após sofrer golpe, conseguiu recuperá-los e, ainda em tratamento, tem planos de voltar a luta.

Quando pisaram no tatame, Jonathan Souza e Isaque Bahiense não sabiam que, o que estava por vir, seria lembrado para sempre. E não pelo resultado da luta na Copa Cyclone de Jiu-Jítsu, disputada no Leblon, no Rio de Janeiro. Durante o duelo, Jonathan sofreu um golpe duro (assista ao vídeo), teve a conexão entre a quarta e quinta vértebras da coluna cervical interrompida, devido a uma luxação, e chegou ao hospital tetraplégico. Após dois procedimentos técnicos, o jovem de 21 anos passou por uma cirurgia e voltou a andar, no início de outubro. Semanas depois, ele teve um reencontro emocionante com o adversário.

Foram seis horas de cirurgia para recolocar a coluna no lugar. Naquele momento, ainda não era possível saber se Jonathan recuperaria os movimentos.

- A cirurgia não visa uma recuperação imediata. O que ela visa é reconstituir a anatomia da coluna, descomprimir a medula para dar chance de recuperação. Então, na verdade, a gente só vai saber se o paciente vai recuperar ou não no pós-operatório - explicou o neurocirurgião Rui Monteiro.

Convite SGPA - Impacto do uso dos Produtos de Apoio no Bem-Estar da Pessoa Idosa



21 de Dezembro 2012

SGPA – Rua Garrett nº 10, Lisboa

1º Tema:

«O IMPACTO DO USO DOS PRODUTOS DE APOIO NO BEM-ESTAR DA PESSOA IDOSA - ESTRATÉGIAS NA ABORDAGEM COM A PESSOA COM DEMÊNCIA».

- 9:00 - 9:45 - Oradora: Terapeuta Ocupacional Joana Santiago e

- 9:45 - 10:00 - Inauguração da área de Ortoteses no SGPA pela convidada, Professora Fernanda Pinto Basto (responsável pela formação de muitas terapeutas ocupacionais na ESSA e formadora do Curso de Ortoteses organizado pelo SGPA (Junho 2012).

ALV - Aprendizagem ao Longo da Vida
Será servido um pequeno almoço aos presentes
Será entregue um Certificado de Participação

Inscrição obrigatória para email de carina.santo@scml.pt

Enviado por e-mail.

MIND7 - Software Terapia da Fala

A Anditec desenvolveu um novo software: Mind7! Este software foi desenvolvido por uma equipa de terapeutas da fala com objectivo de se tornar uma ferramenta terapêutica!

Baseado na metodologia "Computer Assisted Treatment" e concebido a pensar num público-alvo muito específico, Mind7 é um excelente auxiliar no processo de reabilitação de pacientes com alterações de linguagem pós lesão cerebral.

Os nossos objetivos:

- Intervenção direta: fornecer uma ferramenta de trabalho em contexto terapêutico
- Intervenção indireta: fomentar a continuidade da intervenção em casa
- Promover a autonomia e motivação do paciente no processo de reabilitação

Fonte e informação completa: Anditec