sexta-feira, 1 de julho de 2022

Abertas candidaturas programa acessibilidades em habitações

Vamos aproveitar? Inclui também rampas, elevadores, adaptação WC...1.000 habitações é muito pouco, mas há que tentar.

Depois da apresentação do Programa Acessibilidades 360º - Intervenção nas Vias Públicas, no âmbito do Programa de Recuperação e Resiliência (PRR), que visa a promoção da acessibilidade para pessoas com mobilidade condicionada no acesso e utilização do espaço público, mediante aplicação, designadamente, das Normas Técnicas de Acessibilidade previstas no anexo do Decreto-Lei n.º 163/2006, de 8 de agosto, com o objetivo de garantir intervenções na melhoria das acessibilidades nos espaços públicos de circulação e mobilidade numa área mínima total de 200.000 m2, e Programa de Intervenção nos Edifícios Públicos, promoção da acessibilidade para pessoas com mobilidade condicionada no acesso aos serviços públicos, e com o objetivo de apoiar a intervenção em, pelo menos, 1.500 edifícios públicos da Administração Central e Serviços Públicos das Autarquias, surge a vez das adaptações nas habitações de cidadãos com deficiência.

Estão a decorrer as candidaturas ao Programa de Intervenções em Habitações até 31 de julho do corrente ano. Este programa visa melhorar as acessibilidades para pessoas com deficiência, em habitações, em todo o território de Portugal continental, e com o objetivo de apoiar intervenções, em, pelo menos, 1.000 habitações. O apoio financeiro por tipo de intervenção e por valor unitário (valores sem IVA incluído), até ao limite máximo de 10.000,00 € (dez mil euros) por habitação a intervencionar. O montante financeiro disponível no presente Aviso N.º 3/C03-i02/2022 é de 10.000.000,00 € (dez milhões de euros), sendo que a respetiva implementação decorre entre 2022 e 2025, salvo esgotamento da dotação em período anterior.

Os interessados em concorrer devem garantir que se encontram registados no balcão2020, requisito obrigatório para permitir a formalização da candidatura a efetuar através da submissão de formulário eletrónico no portal para submissão de candidaturas (“PRR - SIGA”), até ao dia 31 de julho de 2022. A receção das candidaturas pode ser prolongada ou cancelada, em função da dotação disponível. Este investimento está em plena conformidade com a Estratégia Europeia sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência 2021-2030.

Por habitação consideram-se todas as frações autónomas, apartamentos, moradias, desde que registadas separadamente, devendo ter saída própria para uma parte comum do edifício ou via pública. São consideradas partes comuns passíveis de serem servidas por percursos acessíveis, átrios, caixas de escadas, elevadores, lugares de estacionamento ou boxes dedicados, garagens, incluindo área adjacente ao edifício necessária para tornar a sua cota de soleira acessível. 

São Beneficiários Finais as Câmaras Municipais/Municípios (executores física e financeiramente da intervenção), para atuação junto dos destinatários finais, no caso pessoas com deficiência com um grau de incapacidade igual ou superior a 60% devidamente atestado e que reúnam as condições necessárias, enquanto: Proprietários das habitações alvo da intervenção, ou membros do seu agregado familiar e que com ele coabitem; Arrendatários das habitações alvo da intervenção, ou membros do seu agregado familiar e que com ele coabitem. 

Caso esteja interessado consulte a sua Câmara Municipal e obtenha mais informações em Instituto Nacional para a Reabilitação: https://www.inr.pt/programa-acessibilidades-360-intervencoes-em-habitacoes e https://recuperarportugal.gov.pt/wp-content/uploads/2022/04/Aviso_PIH_-alterado28_04_2022-2.pdf e através do endereço eletrónico: inr-piep.prr@inr.mtsss.pt

Minha crónica no jornal Abarca

sábado, 4 de junho de 2022

Webinar SAÚDE EFICIENTE

Webinar SAÚDE EFICIENTE


A Sociedade Portuguesa de Literacia em Saúde (SPLS) promove uma conversa aberta acerca do acesso à saúde das pessoas com deficiência.

9 junho 2022
21h às 22horas
Via zoom

Aguardamos com expetativa a sua presença.

Junte-se a nós, SPLS!

Turismo Inclusivo nos Açores

Foi num encontro sobre turismo inclusivo promovido pela Associação Salvador, que conheci a CRESAÇOR – Cooperativa Regional de Economia Solidária, CRL fundada em 2000, com sede na Ilha de São Miguel, nos Açores, mas as suas áreas de intervenção abrangem todo o território da Região Açores. Nasceu no âmbito do Projeto de Luta Contra a Pobreza e pela criação de um programa para o desenvolvimento das empresas de inserção sócio-profissional dos Açores.

Em 2014 a CRESAÇOR, cria Azores for All uma agência de turismo inclusivo, como referem no seu site em: https://azoresforall.com/pt/ porque estamos convencidos de que uma viagem inesquecível começa bem antes da partida, no momento da escolha do destino, através de informações acessíveis e completas, onde os pormenores fazem toda a diferença. A equipa Azores for All reúne profissionais apaixonados pelo turismo acessível, totalmente disponíveis para ouvir as necessidades dos seus clientes e propor, em vários idiomas, as melhores soluções para umas férias inesquecíveis nos Açores.

Oferecemos informações, serviços e atividades adaptadas aos residentes e turistas que com, ou sem deficiência visitam os Açores. Trabalhamos com grupos particulares, agências de viagem e operadores turísticos. Somos uma empresa de animação turística e operador marítimo-turístico pioneira na implementação e promoção do turismo social e inclusivo nos Açores.

A ilha de São Miguel, onde atuamos, é a maior ilha do arquipélago, com 62,1 quilómetros de comprimento e 15,8 quilómetros de largura máxima. A mais populosa e desenvolvida das 9 ilhas do arquipélago, dispõe das melhores infraestruturas turísticas e serviços em geral, nomeadamente, no que às acessibilidades diz respeito. Azores for All oferece assistência em todas as fases da viagem, providencia transfers a partir do aeroporto em carrinha adaptada, aconselha alojamento em hotéis que correspondem às necessidades pessoais dos clientes, organiza atividades e passeios adaptados, incluindo percursos pedestres, com joelette. Uma cadeira de todo-o-terreno mono-roda, que permite a prática do pedestrianismo e o acesso a áreas montanhosas ou pisos irregulares, a todas as pessoas com mobilidade reduzida. Os nossos passeios de joelette normalmente são realizados nas Sete Cidades, na zona da baía do silêncio, garantindo uma viagem memorável e sem limitações.

A Azores For All - Sete Cidades é um espaço dedicado ao desenvolvimento local, à promoção do Ecoturismo das Sete Cidades e à comercialização dos produtos de Economia Solidária com o selo de garantia CORES. Também oferece passeios de canoa e de bicicleta, passeios pedestres e de jipe, jogos tradicionais portugueses, tours adaptados e diversas informações de interesse local, e para além da joelette também disponibiliza para aluguer cadeira de rodas anfíbia e rampa telescópia. Mais informação através do email: turismoinclusivo@cresacor.pt

O ano passado desloquei-me à Ilha da Madeira, só o fiz, porque tive o apoio da Madeira Acessivel By Wheelchair, além de prepararem a viagem ao pormenor, visitando os espaços, etc, também me disponibilizaram veículo adaptado, cadeira de rodas sanitária, cadeira de rodas elétrica todo o terreno…Sem a certeza que tudo estaria preparado para me receber não arriscaria. As agências de viagens e os hotéis ainda confundem tudo e têm um grande caminho a percorrer. Não entendem que não basta disporem de barras laterais nos WCs e sanitas alteadas, e garantirem com toda a certeza que o quarto é adaptado. Para alguns será o suficiente, para mim e muitos outros nas mesmas circunstâncias, não reúne as mínimas condições. Não é a primeira vez que respondem com certeza absoluta que o quarto é adaptado, e ao chegar deparo-me com uma banheira e um banco rotativo. A deceção é total. Impossível tomar banho sem cadeira de rodas sanitária, a cama articulada também faz toda a diferença e poucos hotéis a têm. Neste caso fico muito contente por poder contar com a Azores for All. Assim, arrisco.

Minha crónica no jornal Abarca

domingo, 15 de maio de 2022

Hot Wheels lança cadeira de rodas telecomandada de brincar inspirada em Aaron "Wheelz" Fotheringham

A Hot Wheels lançou um brinquedo novo que promete inspirar os mais jovens com deficiências motoras: uma cadeira de rodas telecomandada, que incluiu um boneco sentado na mesma e ainda uma rampa para realizar truques.


O brinquedo foi feito em parceria com Aaron “Wheelz” Fotheringham, cinco vezes campeão do mundo de motocross em cadeira de rodas e atleta paralímpico. Nascido com espinha bífida, o atleta utiliza uma cadeira de rodas a tempo inteiro desde os oito anos. Tanto a cadeira de rodas do brinquedo como o próprio boneco foram feitos à imagem de Aaron Fotheringham.

Ao crescer, eu não tinha um brinquedo destes“, afirmou à CNN Aaron Fotheringham, “O brinquedo dá mesmo aquela sensação de liberdade.” Durante a apresentação, o atleta confessa ter visto várias crianças de cadeiras de rodas “a divertirem-se”.

O campeão mundial espera que o novo brinquedo da Hot Wheels mude a perceção pública em relação às cadeiras de rodas, ao mostrar que um aparelho médico posso ser utilizado de um modo aventureiro e divertido.

Estamos entusiasmados pelo nossa recente colaboração com Aaron ‘Wheelz’ Fotheringham e a nossa primeira cadeira de rodas telecomandada, reforçando o objetivo de inspirar as crianças a quebrarem limites e perseguirem os seus sonhos independentemente dos desafios pessoais que enfrentem”, disse o diretor de design da Hot Wheels, Gerry Cody.

À venda por 50 dólares — cerca de 48 euros — o brinquedo é capaz de atingir os 10 quilómetros por hora. Além disso, é capaz de um mortal com recurso à rampa que acompanha o novo kit da Hot Wheels, conta a CNET.

Veja o video AQUI

Fonte: Observador.pt


“Quebra Degraus”: Associação Salvador quer acabar com a exclusão de pessoas com deficiências motoras

A Associação Salvador tem uma nova campanha, intitulada “Quebra Degraus”, que pretende abrir caminho para uma mudança efectiva, que acabe com a exclusão social e o isolamento de milhares de pessoas com deficiência motora em todo o País.


Assinada pela Partners e com produção da 78, a acção publicitária alerta para a necessidade urgente de uma mudança na área das acessibilidades, protagonizado pela bailarina e coreógrafa com deficiência motora Diana Niepce.

«Estamos em pleno século XXI, todos os dias surgem invenções, novas tecnologias e quebram-se mais barreiras. Mas e os milhares de pessoas que continuam isoladas entre quatro paredes? Durante o confinamento, o mundo inteiro teve oportunidade de sentir na pele aquilo pelo qual as pessoas com deficiência motora passam diariamente, durante uma vida inteira. Agora que retomámos a vida normal, vão voltar a deixar-nos para trás?», diz, em comunicado, Salvador Mendes de Almeida, presidente e fundador da Associação Salvador.

Maioritariamente digital, a campanha terá também uma forte presença televisiva, com spots nos principais canais generalistas e por cabo, no ano em que, pela primeira vez, se assinala de forma oficial o Dia Nacional das Acessibilidades, a 20 de Outubro.

Veja o video AQUI

Fonte: sapo.pt

quinta-feira, 5 de maio de 2022

Marcha Pela Vida Independente 2022

No dia 5 de maio, celebra-se o Dia Europeu da Vida Independente, que recorda a importância da luta para garantir que esta seja uma realidade para todas as pessoas com deficiência. Hoje lançamos o cartaz com os vários locais onde estaremos nas ruas no sábado seguinte, dia 7 de maio!



Numa iniciativa nacional, coletiva, que envolve várias instituições, federações e associações, estaremos presentes, a partir das 15h, em:

- Lisboa (Avenida da Liberdade, em frente ao Tivoli)
- Porto (Avenida dos Aliados, em frente à Câmara Municipal), apenas em forma de concentração
- Vila Real (Avenida 5 de outubro, junto à estação)

Vamos marchar, lado a lado, pelo direito à Vida Independente!
Pela dignidade humana!
Pelo reconhecimento do nosso empoderamento!
Pelo respeito das nossas decisões!
E, principalmente, pela nossa Liberdade!

Mais informações aqui

Marcelo pede "completa implementação" de Convenção sobre Pessoas com Deficiência

O Presidente da República alertou esta quinta-feira no Observador para o que ainda falta fazer para uma “completa implementação” da Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência das Nações Unidas, sem deixar de salientar os progressos nesta matéria.


Numa mensagem publicada esta quinta-feira no sítio oficial da Presidência da República na internet, Marcelo Rebelo de Sousa pede “mais e melhores oportunidades de emprego, acessibilidades, físicas ou tecnológicas, e o apoio à vida independente enquanto condição para o pleno exercício da cidadania e da participação política dos cidadãos com deficiência”, considerando que estes “são ainda desafios que exigem o empenho de todos os portugueses”.

O chefe de Estado divulgou esta mensagem para assinalar o Dia Europeu da Vida Independente, data em que se celebra “a inclusão e os direitos humanos” e “a igualdade de oportunidades para todos os europeus, para todos os portugueses, sem constrangimentos de qualquer espécie”, escreve.


É por isso importante sublinhar o muito que já foi feito em Portugal pela defesa dos direitos dos cidadãos com deficiência, lembrando igualmente o que há ainda por fazer pela completa implementação da Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência”, acrescenta.

Portugal ratificou em 2009 a Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência das Nações Unidas, segundo a qual “os Estados Partes se comprometem a assegurar e promover o pleno exercício de todos os direitos humanos e liberdades fundamentais por todas as pessoas com deficiência, sem qualquer tipo de discriminação por causa de sua deficiência”, através de “medidas legislativas, administrativas e de qualquer outra natureza”.

Este convenção tem como propósito “promover, proteger e assegurar o exercício pleno e equitativo de todos os direitos humanos e liberdades fundamentais por todas as pessoas com deficiência e promover o respeito pela sua dignidade inerente” e estabelece como princípios gerais, entre outros, “o respeito pela dignidade inerente, a autonomia individual, inclusive a liberdade de fazer as próprias escolhas, e a independência das pessoas” e “a plena e efetiva participação e inclusão na sociedade”.

Fonte: observador