Queria matar o filho com deficiência profunda...


O ucraniano de 43 anos e a mulher portuguesa de 39, residente em Alvalade Sado, Santiago do Cacém, ambos suspeitos da autoria material e moral do homicídio que vitimou um bruxo brasileiro, ficam a aguardar julgamento em prisão preventiva. O primeiro interrogatório decorreu ontem no Tribunal de Santiago.

O cidadão de leste, que vivia numa propriedade da arguida em Fornalhas Velhas, Odemira – local onde depositou o corpo do brasileiro numa fossa séptica e acabou por ser detido pela PJ –, vai aguardar o desenrolar do processo na cadeia de Pinheiro da Cruz (Grândola), enquanto a mulher recolheu ao Estabelecimento Prisional Feminino de Odemira.
Tal como o CM ontem noticiou, ambos terão preparado uma cilada que acabou por ser fatal ao pai-de-santo, por este não ter conseguido concretizar o pedido de matar o filho da mulher agora detida, que sofre de deficiência profunda. O crime foi também a maneira encontrada pela mulher para se vingar de não ter recuperado os 20 mil euros que pagou pelo bruxedo ao homem com quem também namorava. O ucraniano terá recebido seis mil euros pelo serviço.

PRIMEIRO INTERROGATÓRIO DUROU OITO HORAS

O primeiro interrogatório aos dois suspeitos demorou cerca de oito horas. Presentes ao Tribunal de Turno da comarca do Alentejo Litoral, que ontem funcionou em Santiago do Cacém, os arguidos chegaram ao local às 09h00 e só abandonaram as instalações perto das 17h00. Um dos motivos para a demora neste passo processual prendeu-se com a necessidade de existir uma tradução, visto estar a ser interrogado um cidadão estrangeiro. Os suspeitos entraram e saíram conduzidos pelos inspectores da PJ de Setúbal que estão a investigar o caso de homicídio.

Informação: CM e aqui

Comentários

  1. De facto a vergonha neste país não existe!

    ResponderEliminar
  2. É o ser humano Vitor. Ser humano é que é perverso.
    Imagina o que aquela criança sofreu nas mãos daquela gente.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário