Centro de Medicina de Reabilitação de Alcoitão inaugurou a nova ala destinada à reabilitação de sequelas provocadas por AVC

No próximo dia 7 de Julho, às 11:30 o Provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, Pedro
Santana Lopes, inaugurou a nova ala do Centro de Medicina de Reabilitação de Alcoitão (CMRA), destinada à reabilitação de sequelas provocadas por AVC, patologia que tem levado cada vez mais utentes a procurarem este Centro, nos últimos cinco anos.

Segundo dados divulgados pela Sociedade Portuguesa de Neurologia, uma em cada seis pessoas irá sofrer um AVC ao longo da vida, sendo que esta é a maior causa de incapacidade a longo prazo, uma vez que cerca de 50 por cento das pessoas que sobrevivem a um AVC ficam com limitações importantes que comprometem a sua qualidade de vida.

De acordo com um estudo de benchmarking clínico recentemente efectuado pelo CMRA, os acidentes vasculares cerebrais são a principal causa de internamento neste Centro, com indicadores a aumentar exponencialmente nos últimos cinco anos. Conclui-se também que os doentes chegam ao CMRA com um nível de Independência Funcional Motora na Admissão cada vez mais baixo, apresentando na alta um nível de Independência cada vez mais elevado.

Uma realidade que leva a actual Administração da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, no âmbito da sua intervenção crescente na área da Saúde, a investir no alargamento da resposta terapêutica a este problema, já tratado no CMRA com tão bons resultados, contribuindo assim para um reforço da resposta às necessidades crescentes da população.

Sobre o CMRA

O Centro de Medicina de Reabilitação de Alcoitão, inaugurado pela Santa Casa da Misericórdia de Lisboa em 1966, foi o primeiro criado em Portugal para a reabilitação de pessoas com incapacidade motora e cognitiva, apostando desde logo na formação de pessoal especializado. Nas últimas três décadas, a Santa Casa tem mantido a aposta na diferenciação técnica e científica dos seus profissionais, na modernização das instalações e equipamentos de diagnóstico e terapêutica e no desenvolvimento de abordagens inovadoras.

Fonte: SCML

Comentários