Petição Transposrtes Públicos ADAPTADOS SEMPRE!!!

A Carris disponibiliza transporte para pessoas com mobilidade condicionada.

As marcações devem ser realizadas até à antevéspera do serviço pretendido. A confirmação do serviço deverá ser efectuada pelo Cliente na véspera da sua realização.

Quer isto dizer que sempre que se necessita de um transporte, tem de se saber que se precisa dele na ANTEVESPERA e na VESPERA ainda se tem de confirmar o serviço, ou seja, temos de andar a ligar a toda a hora e instante para a carris e não nos é permitido que nos surja algum imprevisto com carácter de urgência para fazer.

Sublinho ainda que estes transportes têm horário fixo e não nos vão buscar à hora que pretendemos, mas sim quando lhes é possível, tendo, por vezes, de sairmos 2 ou 3 horas antes e só regressar quando lhes é possível, uma vez que existem poucas viaturas, e provavelmente motoristas, para fazerem este tipo de serviço.

SE ISTO NÃO É DISCRIMINAÇÃO, ENTÃO DIGAM-ME O QUE É?

Isto só demonstra que as pessoas de mobilidade reduzida não são livres para fazerem a sua vida normalmente como qualquer pessoa e que têm de estar sujeitas à “logística” da carris, segundo palavras proferidas pelo Sr. Vereador da mesma, em resposta a um email enviado para a empresa.

O objectivo desta minha petição é: Assegurar que as pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade condicionada, possam usufruir de qualquer uma das carreiras da carris independentemente do percurso horário ou dia da semana, já que neste momento, nem todas as carreiras estão adaptadas, dificultando a deslocação de quem delas necessita, e as que estão adaptadas, algumas só funcionam durante o dia, não sendo, por isso, possível deslocar-se à noite e aos fins-de-semana, ou seja, funcionam em horários e dias restritos.

Assine aqui esta petição.

Quero fazer uma chamada de atenção também para os eléctricos que não são adaptados, nomeadamente o eléctrico 15, e cujas plataformas não estão à devida altura do mesmo, dificultando as entradas e saídas de pessoas com mobilidade reduzida.

Comentários