Morreu tetraplégica francesa raptada num resort no Quénia


Morreu uma mulher francesa tetraplégica com cancro que foi raptada num resort de uma ilha do Quénia e levada para a Somália no início do mês, avançam as autoridades francesas.
Fontes não reveladas contactaram as autoridades francesas para anunciar que Marie Dedieu, de 66 anos, morreu, não adiantando porém quais as circunstancias que levaram à sua morte, afirmou o Ministro dos Negócios Estrangeiros francês num comunicado.

Os raptores «muito provavelmente recusaram-se a dar-lhe a medicação que enviámos», disse o ministro. O Governo queniano culpou o grupo somali al-Shabab pelo ataque.

«A senhora Dedieu era uma senhora de 66 anos, gravemente doente, que sofria de cancro e era tetraplégica», pode ler-se no comunicado. «Raptar uma mulher neste estado é um acto bárbaro e de inenarrável e absoluta violência».

As autoridades francesas exigiram que os restos mortais da mulher fossem devolvidos ao seu país.

AP/SOL

Comentários