Artista tetraplégica muda e surda apresenta tese e passa com distinção e louvor

Ana Amália Tavares Barbosa, de 46 anos, defendeu recentemente sua tese de doutorado na Universidade de São Paulo (USP). Com paralisia em quase todo o corpo, em razão de um Acidente Vascular Cerebral (AVC) ocorrido no dia em que deveria ter apresentado sua tese de mestrado há dez anos. Amália desenvolveu todo seu doutorado…

Ana Amália Tavares Barbosa, de 46 anos, defendeu sua tese de doutorado na Universidade de São Paulo (USP). Com paralisia em quase todo o corpo, em razão de um Acidente Vascular Cerebral (AVC) ocorrido no dia em que deveria ter apresentado sua tese de mestrado há dez anos. Amália desenvolveu todo seu doutorado apenas com os poucos movimentos motores que lhe sobraram: o piscar dos olhos e o abrir e fechar da boca.

Assista aqui a reportagem em video

Durante a defesa de sua tese, feita no Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo, no parque Ibirapuera, Amália respondia aos questionamentos da banca avaliadora com movimentos da boca. Um telão mostrava um alfabeto completo, que tinha suas letras destacadas a cada segundo por um programa de computador. Para formar palavras, Amália tinha de abrir a boca quando a letra que ela queria selecionar aparecia destacada.

Veja também este video. Lá como cá...









Comentários