Livro: O Segundo Suspiro

Recentemente estreou o filme Os Intocáveis, comédia romântica francesa que em seu país de origem surpreendeu ao se tornar o filme mais assistido da história da cinematografia local. A produção foi inspirada em um livro de grande sucesso, O Segundo Suspiro.

Quando a versão dos cinemas chamou a atenção para a história, Fréderic Boyer, renomado diretor editorial, concebeu a ideia de uma nova edição da obra, o que lhe rendeu uma sequência intitulada O Diabo Guardião. Enquanto o primeiro volume, O Segundo Suspiro, cobre os acontecimentos desenrolados até 1998, o segundo estende a trama até 2004, abrangendo justamente o período enfocado no filme. Aqui ambos foram publicados em um único livro, o qual traz o título O Segundo Suspiro, porém as duas épocas estão bem delineadas na tradução brasileira.

O enredo retrata um evento real, contado na primeira pessoa pelo protagonista, Philippe Pozzo di Borgo, um empresário muito bem-sucedido, descendente de duas conhecidas linhagens familiares na França. Em 1993, porém, sua vida ganha contornos trágicos; ele se torna vítima de um incidente de parapente. Como conseqüência fica tetraplégico.

Ao mesmo tempo sua esposa, Béatrice, passa pelos últimos momentos de vida por conta de uma enfermidade incurável. Pozzo mergulha no sofrimento profundo e vive dias de penosa aflição, imerso em saudades sem cura. Recluso em sua mansão parisiense, ele tem como companheiro apenas o argelino Abdel, contratado para cuidar de suas necessidades, uma vez que só pode mover a cabeça.

Somente nas lembranças dos bons momentos ao lado da ex-esposa o protagonista encontra algum conforto e forças para enfrentar o que lhe resta da existência. Não lhe resta nem mesmo a terrível possibilidade de se matar, pois não tem condições físicas para cometer tal gesto.

Por outro lado, Abdel parece ser o oposto, um homem descontraído, especialmente com o sexo feminino, facilmente irritável. No fundo, porém, também é um solitário e se sente incompatível com o meio em que vive. Conhecido como o ‘diabo guardião’, o acompanhante injeta na rotina de Pozzo o inesperado e acontecimentos não previsíveis.

Entre ambos surge uma amizade e um companheirismo imprevistos, sentimentos que modificam radicalmente suas existências. O protagonista aprende que até diante das mais terríveis provações pode-se nutrir uma ardente paixão pela vida, bem como se apaixonar novamente e ser correspondido.

Philippe Pozzo di Borgo reside hoje entre o Marrocos e a França ao lado de sua nova mulher Khadija, a quem se uniu em 2004, e dos dois filhos de criação.

Comentários