sábado, 25 de Outubro de 2014

3ª e última parte: 180 km em cadeira de rodas pelo direito a uma Vida Inddependente

Após o relato do que se passou no primeiro e segundo dia da viagem, hoje deixo-vos um resumo do acontecido no dia 25, último dia.

Na chegada á Praça de São Pedro em Alverca, tinha à minha espera o pessoal da Mithós que me seguia desde Vila Franca de Xira, alguns amigos, e também o Srº presidente da União das Freguesias, Afonso Costa e secretária Manuela Santos com o convite para pernoitar no Centro Social São Pedro. Ficamos na confraternização enquanto a Manuela Santos e a responsável pelo Centro preparavam a nossa estadia. Rapidamente a noite, o forte vento de Alverca e o meu cansaço nos obrigou a recolher. Já na cama recebi a visita de muitos amigos. A Anabela Fernandes e família trouxeram um magnífico bolo de chocolate e deliciosa ginjinha caseira, a Cristina Miguel uns deliciosos pastelinhos de bacalhau…juntamente com a sopa de legumes trazida pela Fátima H. Figueiredo e marido, jantar ficou resolvido.

Todos colaboraram. Fui muito mimado em Alverca. Inclusive ganhei mais um cuidador. O José Dias juntou-se à minha cuidadora Cristina Fernandes, e ficou connosco durante a noite para a ajudar. Foi muito importante a sua ajuda. As forças da Cristina e as minhas estavam a esgotar-se. Era muita coisa junta.

 Noite correu bem. Logo cedo recebi a visita da Maria Letra e Sara Dias prontas para nos oferecerem o pequeno-almoço. Pelas 9h da manhã seguimos em direção a Lisboa. Sentia-me confiante e melhor fiquei quando surge o Zé Cunha, ciclista amador que já tinha percorrido 83 km, desde a Azinhaga, terra do nosso eterno José Saramago, para me acompanhar no último trajeto da viagem. Grande ser humano. Já fez o favor de me vir visitar a minha casa. Graças aos excelentes agentes da polícia que nos apoiavam o problema trânsito com mais ou menos dificuldade ficou resolvido e até Lisboa tudo correu dentro do previsto.

Na Praça de Alvalade tinha um grupo de amigos, e alguma imprensa a aguardar-me, e juntos seguimos até ao Ministério da Solidariedade e Segurança Social, onde juntamente com o Jorge Falcato do Movimento (d)Eficientes Indignados, entreguei uma carta aberta destinada ao Srº Secretário de  Estado Agostinho Branquinho, carta essa, que contém um prazo para cumprimento do que prometeu na primeira reunião tida na Assembleia da República em Outubro de 2013. Vou aguardar serenamente. Sabia que esta viagem de protesto não iria resolver a questão Vida Independente, mas siim para mostrar que não me esqueço do que foi prometido e que estou preparado para continuar a luta.




Esta viagem nunca poderia ter acontecido sem o grande apoio da Cristina Fernandes, Manuel Feijão, motorista João e todos os que de uma maneira ou de outra também colaboraram. A todos vocês o meu obrigado do fundo do coração.

Eduardo Jorge

Análise dos parâmetros eletrofisiológicos descritivos dos reflexos interlimb contralateral em pacientes tetraplégicos

Sou Tiago Araújo, Engenheiro Biomédico, docente convidado da cadeira electrónica aplicada na FCT-UNL e neste momento estou a terminar doutoramento na área da electrofisiologia humana. Estou a escrever-vos como um entusiasta pela causa dos pacientes lesionados e para divulgar uma publicação recente no âmbito dos meus trabalhos de doutoramento que poderão ter interesse em conhecer.

O trabalho recentemente publicado, vem no seguimento de uma estadia científica na UNICAMP - Brasil, no final de 2013. Nesta estadia de 3 meses estive integrado na unidade de reabilitação de lesionados medulares do Hospital de Clinicas em Campinas. Tive a oportunidade de aplicar as metodologias que desenvolvi nos 3 primeiros anos do PhD em pacientes tetra e paraplégicos, numa das melhores alas de reabilitação do mundo com o professor Alberto Cliquet, detentor de um cv vastíssimo na área da reabilitação de pacientes com lesão da espinal medula. 

Tive a excelente oportunidade de testar um protocolo de electroestimulação desenvolvido por mim, em pacientes com lesão na espinhal medula, e os resultados foram surpreendentes.

http://www.nature.com/sc/journal/vaop/ncurrent/full/sc2014169a.html

Espero que esta contribuição seja base para muitos avanços na qualidade de vida dos pacientes lesionados 
Grande abraço e qualquer ajuda na disseminação será bem vinda.

Cumprimentos
Tiago Araújo

Adaptable.pt

O projecto ADAPTABLE tem como objectivo o desenvolvimento de vestuário inclusivo, através da adaptação de peças de vestuário disponíveis no mercado às necessidades específicas de pessoas com necessidades especiais (deficiência, incapacidade ou outras, temporárias ou permanentes), englobando também uma vertente de formação na área do tailoring, orientada para pessoas com deficiência ou incapacidades, de forma a potenciar a sua integração no mercado de trabalho.


Informação completa: Adatable.pt

PCeye Go: Sistema de Acesso e Controlo pelo Olhar

A Fundação PT tem-se afirmado como motor de uma nova lógica social que assenta na inclusão digital das populações com necessidades especiais. Desta forma, decidiu apostar no sistema PCeye Go como uma das suas soluções de apoio a pessoas com necessidades especiais.

O PCeye Go está disponível nas lojas da Fundação pelo preço de 699 euros mediante a apresentação da Certidão de Incapacidade Multiuso (Igual ou superior a 60%).

O Pceye Go é um Sistema de Acesso e Controlo pelo Olhar que funciona em computadores portáteis, de secretária ou tablets Windows 8, permitindo ao utilizador trabalhar com qualquer aplicação que também possa ser controlada com o rato.

É compatível com softwares de comunicação como o GRID 2 ou Boardmaker com Speaking Dynamically.

Quem pode beneficiar deste sistema?
- Esclerose Lateral Amiotrófica
- Paralisia Cerebral
- Lesões Vertebro Medulares
- Doenças Degenerativas
- Síndrome de Rett

Avaliações
A ANDITEC efectua avaliações com o sistema PCeye para determinar se o sistema é o adequado.
Para pedidos de avaliação, por favor, envie-nos um email para info@anditec.pt com o seu nome, descrição do caso e contacto telefónico.
Preço
ALUGUER (30 dias) - Pode experimentar o sistema PCeye durante o periodo de 30 dias em sua casa, trabalho ou escola. Mais informações contactar: info@anditec.pt
COMPRA
Fundação PT (Lojas Meo) - 699 Euros PVP (Saiba mais informações sobre as condições especiais)

ANDITEC - 1.990 Euros PVP

Informação completa: Anditec

quarta-feira, 22 de Outubro de 2014

Homem paralisado voltou a andar após transplante usando células do seu nariz

A técnica, descrita como sendo um avanço pioneiro num estudo do jornal científico "Cell Transplantation", envolveu transplantar células olfativas para a espinal medula e construir uma "ponte" de nervos, para ligar as duas pontas danificadas da coluna.

Darek Fidyka é a primeira pessoa com uma lesão no nervo da coluna vertebral desta gravidade a conseguir recuperar desta forma.

"Acreditamos que a intervenção é o avanço que, à medida que for mais desenvolvida, resultará numa mudança histórica nas perspectivas para os que sofreram lesões na coluna", diz Geoffrey Raisman, professor no instituto de neurologia da University College London's (UCL), que liderou a investigação.

O professor disse à BBC que o que os investigadores conseguiram é "mais notável do que o homem ter caminhado na Lua". Darek Fidyka, 38 anos, ficou paralisado em 2010, depois de sofrer múltiplos ferimentos provocados por facadas. Segundo a Reuters, depois de 19 meses de tratamento, recuperou algum movimento voluntário e alguma sensação nas suas pernas.

Fidyka consegue agora conduzir e viver de forma mais independente. Em declarações à BBC, diz que voltar a andar, ainda que com a ajuda de um suporte, é "uma sensação incrível", acrescentando que "quando não se consegue sentir metade do corpo, sentimo-nos impotentes, mas quando a sensação começa a voltar, é como nascer de novo".

O tratamento revolucionário usou dois tipos de células olfativas que possibilitam que as fibras nervosas do sistema olfativo se regenerem de forma contínua. Estas células contribuem para a reparação de nervos danificados, abrindo novos condutores de ligação aos bolbos olfativos do cérebro. Raisman acrescentou ainda que fazer uma ponte na espinha com enxertos de células do doente já era usada em animais há anos, mas nunca tinham sido usadas aquele tipo de células. O tratamento é inovador, tanto que "o mecanismo da interação entre as células não é ainda claro", admitiu o investigador.

Especialistas não envolvidos na investigação reconhecem que estes resultados dão nova esperança, mas alertam que é preciso mais trabalho para perceber o que é que levou a este sucesso, antes de se saber exatamente qual é o real potencial deste tratamento. O plano dos investigadores é repetir o tratamento em novos pacientes nos próximos anos, para que se possa "optimizar os procedimentos", disse Raisman à Reuters.


Fontes: JN e RTP

Pais com filhos com deficiência juntos em apelo à inclusão

Enviado por Cristina Fernandes

sábado, 18 de Outubro de 2014

Ai a bexiga...suprabúbica ou uretrotomia?

Dias atrás queixei-me da minha bexiga. Como sabem o sistema urinário de um tetraplégico por lesão medular, a partir do momento da lesão deixa de funcionar normalmente, e há que encontrar uma solução/alternativa para esvaziar a bexiga. Ou seja, espera-nos muitos problemas. No meu caso particular, a minha bexiga foi "reeducada" para ser esvaziada através de manobras (era o nome atribuído e método utilizado em 1991, altura do meu acidente) e nos primeiros 17 anos da lesão foi isso que aconteceu. Consistia em estimula-la através de alguns batimentos na região da bexiga, e a urina drenava através de um dispositivo introduzido no pénis em direção a um saco coletor de urina, ou urinol.

Foi uma época de poucas infeções urinárias, mas não deixava de ser complicado porque dispositivo descolava-se com frequência, e o resultado era a roupa toda molhada com urina. Mas menos mal. Em 2009 começaram os grandes problemas. Procuro especialistas e optamos pelo internamento no CMR Alcoitão para melhor estudar o problema. Estive internado durante 3 meses. Depois de vários exames, foi-me aconselhado o esvaziamento intermitente da bexiga através de um cateter, obviamente que não me foi possível. Eu não consigo realizar esse procedimento, que consiste em introduzir uma sonda várias vezes ao dia, através do pénis até á bexiga e esvazia-la, e também não tinha quem o fizesse por mim.

Conclusão, optou-se pela drenagem contínua da urina com todas as consequências que esse facto acarreta...ou seja, deterioração cada vez maior do sistema urinário. Ultimamente nem a sonda entra. Após a realização de uma uretrocistografia verificou-se que existe uma estenose (estreitamento) da uretra, e fui aconselhado a realizar uma suprabúbica (incisão através do abdómen direto á bexiga) e depois de uma consulta ao Dr Rogério Gouveia, que foi para esquecer, ainda bem que resolvi ouvir mais uma opinião de um especialista em bexiga neurogénica, fui a uma consulta com o Dr Paulo Vale, que me sugeriu uma uretrotomia interna. Aceitei. Estou a realizar exames/análises e serei internado no dia 6 de novembro na CUF Descobertas.

Eu no programa "Agora Nós" da RTP


Ainda a minha viagem de protesto 180 km em cadeira de rodas.

Minha participação no programa "Agora Nós" da RTP, a partir do minuto 22.

http://www.rtp.pt/play/p1629/e168324/agora-nos/385609

Encontro sobre deficiência, igualdade e diferença em Abrantes

Serão abordadas as temáticas: respostas sociais, educação, integração, sexualidade e reabilitação. Haverá, também, a partilha de testemunhos de vida e a apresentação do livro "Unidos no Amor contra a Indiferença" de Isabel Barata.


Em breve programa completo

Porto, uma cidade inclusiva

A minha visão sobre as acessibilidades no Porto foi modificando de acordo com três fases distintas de mobilidade e autonomia na minha vida, que irei nomear e descrever em seguida:
1) Quando era totalmente autónomo na locomoção. 
2) Quando me deslocava com a ajuda de uma canadiana.
3) Quando senti a necessidade de me deslocar definitivamente numa cadeira de rodas eléctrica. 
1) Primeira Fase
Nesta fase a minha mobilidade e autonomia eram totais. Assim, vi e senti verdadeiramente o encanto e a mística do Porto nas diferentes actividades a que me fui dedicando, como a ida às compras com a minha mãe na Rua de Santa Catarina, ou,mais tarde, quando saia à noite e frequentava os bares da Ribeira com os meus amigos, ou participava nos jantares, serenatas da minha tuna e nas suas actuações no Coliseu do Porto; ou quando ia aos jogos do FCP ou passeava na Foz e no centro da cidade; e também quando tinha de tratar dos meus assuntos pessoais. 

Universia e Fundação Universia favorecem a inclusão de pessoas com deficiências nas universidades ibero-americanas

Fundação Universia lança a Plataforma ‘Universidade e Incapacidade na Ibero-américa’, um portal que tem como objetivo sensibilizar e favorecer o acesso de pessoas com deficiências ao ensino superior. Este portal, que recolhe exemplos reais de boas práticas, oferece um diretório de livre acesso, único até ao momento, onde se podem consultar os serviços especiais para pessoas com deficiências, de todas as universidades dos países ibero-americanos.

A Fundação Universia, juntamente com a colaboração do Universia, acaba de lançar este portal que tem por objetivo ser o ponto de referência para a difusão das boas práticas já existentes, e de consulta das unidades ou serviços responsáveis pelas questões relacionadas com estas matérias, de todas as universidades ibero-americanas.

De caráter permanente, a plataforma ‘Universidade e Deficiência na ibero-américa’, que conta com a colaboração da Fundação ONCE e da Fundação de PwC, tem um duplo objetivo: sensibilizar e favorecer o acesso de pessoas com deficiência ao ensino superior e incrementar o desenvolvimento de uma universidade inclusiva. Para conseguir este objetivo, o site conta com duas secções, cuja missão é divulgar a informação sobre as universidades participantes.

A secção de “Boas Práticas” que visa desenvolver e divulgar um catálogo de ações inclusivas que podem ser partilhadas e replicadas noutras universidades, serve também como repositório de experiências positivas. Entre as distintas categorias, encontram-se propostas sobre o acesso ao emprego de universitários com deficiências, novas tecnologias da comunicação, procedimentos de recolha e orientação de bolsas, ajudas e prémios a estudantes com deficiência, entre outras áreas temáticas.

Relativamente à secção "Espaço Universidades ibero-americanas", pretende-se contar com um diretório de áreas/serviços especiais para os estudantes ibero-americanos com deficiência, único até ao momento, e aberto para consulta a qualquer pessoa interessada. Com este objetivo, toda a comunidade universitária que desenvolve trabalho no âmbito da igualdade de oportunidades está convidada a participar, partilhando as suas experiências positivas e os seus programas.

III Encontro de Reitores

O lançamento desta plataforma enquadra-se no III Encontro Internacional de Reitores Universia. Fruto de um acordou assinado entre a Fundação ONCE, a Fundação de PwC e a Fundação Universia para fomentar a formação superior de pessoas com deficiência, contou com a colaboração do Ministério dos Assuntos Exteriores. O acordo foi celebrado no âmbito de um painel em que foram analisadas as questões relacionadas com a inclusão das pessoas com deficiência no âmbito universitário.

Participaram neste encontro Marcelo Fernandes de Aquino, reitor de UNISINOS (Brasil), Ignacio Sánchez Díaz, reitor da Pontifícia Universidade Católica (Chile), Jose Eduardo Hernández Nava, reitor da Universidade de Colima (México), José Eduardo Hernández Nava, reitor da Corporação Interuniversitária Ibero-americana (Colômbia), Rafael Stand Niño, presidente do Centro Internacional de Responsabilidade Social & Sustentabilidade (Colômbia) e Manuel López Pérez, reitor da Universidade de Zaragoza (Espanha) e presidente da Conferência de Reitores de Universidades Espanholas (CRUE).

Para além disso, fruto do III Encontro de Reitores, foi assinada a Carta do Rio, uma espécie de roteiro para as Universidades Ibero-americanas. Neste documento, especialmente no ponto 2, será abordada a questão social: http://issuu.com/universiario2014/docs/carta_rio_final_pt_d87a0851130b82?e=0/8837835http://estudos.universia.net/portugal/curso/tipos-de-curso/licenciatura

Fonte: Rostos

Posição da ACAPO sobre o modelo de promoção da vida independente, anunciado recentemente pelo Governo

ACAPO marca posição sobre modelo de promoção da vida independente, anunciado recentemente pelo Governo.

Integrando, ao lado da Humanitas e Associação Portuguesa de Deficientes, a Comissão para a Deficiência, constituída no seio da Secretaria de Estado da Solidariedade e Segurança Social, a ACAPO teve oportunidade de conhecer as propostas do Governo quanto ao modelo de promoção da vida independente, o qual consiste na realização de formação de assistentes para pessoas com deficiência, para apoio em atividades da vida diária. Este programa de formação, que já se encontrava aprovado no passado mês de janeiro e que foi recentemente anunciado pelo Governo, será realizado em parceria com a União das Misericórdias Portuguesas. 

Quando recebeu o esboço do programa de formação proposto, a ACAPO teve a oportunidade de propor alterações ao mesmo, tendo em vista a inclusão, como matérias do curso, noções básicas de orientação e mobilidade, AVD’s e Braille. Quanto à realização e conteúdos da presente formação, a posição da ACAPO foi de não a obstaculizar, tendo em atenção que a mesma já havia obtido financiamento para avançar e, não sendo a solução adequada para fazer frente a este problema, seria um primeiro passo no sentido da formação de possíveis futuros assistentes pessoais. 

Contudo, deixou claro perante as instâncias governamentais que, tanto os conteúdos formativos, como o perfil dos candidatos a assistentes pessoais, não eram os mais indicados, devendo a solução experimental passar pela seleção de pessoas com maior proximidade aos destinatários destes serviços, bem como por um modelo de formação mais prático e direto entre prestador e destinatário. Por outro lado, entende igualmente, contrariamente ao defendido pelo Governo, que no âmbito do conceito de vida independente devia ser reconhecida à pessoa com deficiência, autonomia para decidir sobre a sua própria vida, devendo esta poder escolher o seu assistente pessoal, treiná-lo e avaliando o seu desempenho, poder até dispensá-lo. 

O comunicado do Governo sobre este assunto poderá ser lido através do site www.portugal.gov.pt na área do Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social.

Fonte: ACAPO

domingo, 12 de Outubro de 2014

2ª parte: 180 km em cadeira de rodas pelo direito a uma Vida Independente

Dias atrás contei-vos como foi o primeiro dia da minha viagem, desta vez irei fazer-vos um resumo do que aconteceu no segundo dia, no trajeto entre Almeirim e Alverca do Ribatejo.
A noite passada no átrio do edifício da CM em Almeirim, não deu para descansar o suficiente. Após uma higiene “à gato”, seguimos na companhia da Gracinda e Cláudia Constantino durante uns quarteirões, e lá fomos diretos a Benfica do Ribatejo que praticamente não deu pela nossa passagem. Neste segundo dia também se juntou a nós (eu, Cristina e Sr João) o Manuel Feijão no quadriciclo Canta.
Após Almeirim saído do nada surge uma senhora a incentivar-me e a correr ao meu lado. Soube muito bem a sua companhia durante uns metros. As surpresas continuam. Mais á frente uma grande emoção, vejo à beira da estrada o João Ramalho, uma pessoa que admiro, marido de uma pessoa muito especial para mim, e a passar por momentos muito difíceis, e de quem tenho muitas saudades. Foi a segunda vez durante o inicio da viagem em Concavada que parei. Aquele abraço trocado foi muito reconfortante.
Até ali ouvia esporadicamente buzinas dos veículos que se cruzavam connosco a tocar e gritos de incentivo, mas de repente começo também a ouvir com frequência a frase. “Força Eduardo Jorge!”. Foi muito estranho e surpreendente. Pensava para comigo, mas como sabem o meu nome? Ainda estou para o saber, mas que soube muito bem, soube. A juntar ao apoio dos condutores que se iam cruzando connosco, existiam também algumas pessoas paradas junto aos seus veículos a baterem palmas e tirar fotografias, mas se mesmo assim surgisse a solidão lá vinha a incansável Cristina Fernandes começar a cantar ao megafone o “alecrim aos molhos” e por aí fora. Eu acompanhava-a com gestos da cabeça. Era uma animação. Quando já não aguentava mais, levantava o braço esquerdo, encostava a cadeira á berma da estrada e segundos depois lá estava literalmente em cima de mim a Cristina a abraçar-me, beijar-me e preocupadíssima a perguntar se estava bem, o que queria, se era uma barrita de chocolate, água, despejar-me a bexiga…etc. E Sr João, nosso motorista, menos interventivo, mas a cobrir-me com seu olhar meigo e ternurento.
Um desses momentos foi à entrada de Muge. O braço que comandava o joystick da cadeira de rodas mais uma vez estava esgotado, ouvidos doíam sem parar, bexiga idem…mas todo esse desgaste é amenizado porque do nada surge outro banho de amor e solidariedade. Aparece a Fátima Henriques Figueiredo e marido com uma bela sopa para o almoço, uma senhora que nos tinha visto no noticiário da SIC a disponibilizar-nos a sua casa em Benavente para descansarmos, mais alguns carros que pararam e pessoas fizeram questão de me cumprimentar, e também carro de reportagem do CM para me realizar uma entrevista em direto. Antes de voltarmos à estrada combinou-se que desta vez o piquenique/almoço seria em Porto Alto.

Em Benavente foi maravilhoso ver a Mónica Silva, uma amiga tetraplégica que não via há uns anos, como a troca de um abraço ou beijo entre tetras dá uma grande trabalheira, optei por cumprimenta-la através de uns carinhos na sua pernoca sem sensibilidade, mas aquele gesto, tenho a certeza que o sentiu. Em Marinhais/Salvaterra de Magos juntam-se a mim duas moças que faltaram ao trabalho para me acompanharem. Fizeram-no durante vários quilómetros. Iam-se revezando. E uma delas fez o favor de agravar a sua tendinite. Foram momentos muito especiais. Dois seres humanos movidos por causas. Quero muito voltar a vê-las.
Em Porto Alto paragem à beira da estrada para almoço/piquenique. Souberam muito bem as pizzas que sobraram do jantar em Almeirim, a sopa da Fátima e Davide reservou-se para o jantar. Já na saída surge uma amiga a correr ao meu lado com o carrinho da sua filha Carolina recém nascida, graças à paragem obrigatória junto aos agentes policiais que nos aguardavam para apoiar, foi possível conhecê-la. Desde a Chamusca que não tínhamos o apoio da polícia. Mas a sua simpatia e disponibilidade recompensou a ausência dos colegas. Até aquele momento praticamente não existiu interação entre mim e polícias de trânsito, eles limitavam-se a cumprir o seu serviço e eu o meu objetivo, mas com estes agentes tudo mudou. Foi como se mais alguém se juntasse à causa.
Na entrada para a reta do cabo junta-se a mim o Vitor Martins na sua cadeira de rodas. Penso para comigo, “estou em casa”. É muito bom sentir o apoio dos ditos normais, mas dos “coxos” como eu, ainda sabe melhor. Mas por mais que tentássemos ludibriar a Cristina, pondo-nos na cavaqueira, lá surgia ela com megafone em punho, “meninos é muito perigoso”, a pôr-nos literalmente em linha. Mal entro na reta, cadeira de rodas esgotou suas forças e foi complicado trocar de cadeira num lugar tão movimentado, mas o trânsito foi muito bem controlado pelo agentes e tudo correu bem. Lá seguimos, mas estava a ver que nunca mais chegava à ponte de Vila Franca de Xira. Que grande reta…é caso para dizer que valeu a pena esperar. As paisagens vislumbradas a partir da ponte são fantásticas.
Em Vila Franca de Xira, lá estava a Mithós em peso. Vi-os ao longe e comovi-me mais uma vez. Agradeço-lhes de coração aquela calorosa receção. Eram muitos e bons. Seguimos juntos até à porta da CM onde tínhamos a aguardar-nos o seu executivo. Tudo a correr tão bem, até que lá nos aparece uns bons metros daquele piso irregular que de tanta trepidação quase nos saltam as vísceras pela boca. Mas na companhia de tanta gente boa, até se fez bem. Gente boa que nos fez questão de acompanhar até Alverca, onde fomos recebidos maravilhosamente. Como tudo se passou contarei na última crónica sobre a viagem. Até lá.

Continua...
Eduardo Jorge


Manual de Intervenção e Apoio à Educação Especial

Foi publicado o Manual de Intervenção e Apoio à Educação Especial, um documento relevante para quem apoia crianças / alunos com necessidades educativas especiais no âmbito da educação especial ou está interessado nessa temática.

O autor é Francisco José Pires Alves, docente de educação especial e autor do blogue crianças e alunos com NEE.

A publicação do Manual de Intervenção e Apoio à Educação Especial pretende apresentar um plano estratégico de intervenção e apoio à educação especial nas escolas do ensino não superior. Nesse documento são também propostas respostas educativas e sociais para as crianças / alunos com necessidades educativas especiais.

O Manual de Intervenção e Apoio à Educação Especial está disponível na editora Bubok (livraria na internet) e nas seguintes livrarias convencionais: Fabula UrbisJade Livrarias (Lisboa); Lapis De Memoria (Coimbra); Livraria Minho e 100ª PÁGINA (Braga); Livraria Boa Leitura (Leiria) e Livraria Manuel Magallón Gracia (Madrid).

Saudações profissionais,
Francisco Alves

sábado, 11 de Outubro de 2014

"Empregabilidade no Bem-estar Subjetivo de Pessoas com Lesão Vértebro-Medular"

Boa tarde Eduardo,

O meu nome é Joana Correia e sou aluna do 4º ano de Terapia Oculacional na Escola Superior de Saúde de Beja.

No ambito do Projeto de Investigação, estou a realizar um estudo intitulado "Empregabilidade no Bem-Estar Subjetivo de Pessoas com Lesão Vértebro-Medular".

Para tal, venho solicitar o seu auxílio na participação e/ou divulgação da minha investigação, sendo que as informações são recolhidas através de um questionário anónimo. Poderão participar no estudo todos os indivíduos com idade igual ou superior a 18 anos e que tenham sofrido lesão vértebro-medular há seis ou mais meses.

Caso se encontre interessado para participar e/ou divulgar o meu estudo, os questionários encontram-se on-line no seguinte endereço e são bastante breves:
http://goo.gl/forms/tLreOOAAJZ

Grata pela atenção!
Cumprimentos,
Joana Correia

22º Encontro Nacional de Deficientes

A CNOD - Confederação Nacional dos Organismos de Deficientes tem o prazer de a convidar para o 22º Encontro Nacional de Deficientes, que terá lugar no dia 08 de Novembro, das 9.30h às 18h, no Fórum Luísa Todi, em Setúbal, sob o lema "Temos Direitos Pelos Quais Vale a Pena Lutar".

A inscrição é gratuita e obrigatória e deverá ser feita para o e-mail: cnod.sede@gmail.com.

Com os nossos melhores cumprimentos
A Direcção Executiva da CNOD

Av. João Paulo II, Lote 528 - 1º Piso A
1950-430 Lisboa
Telef: 214038180 / 218043259
cnod.sede@gmail.com
www.cnod.pt

Enviado por email

Formação profissional para pessoas com deficiência

Exmos(as). Senhores(as),

Para conhecimento e divulgação informamos que a Escola de Produção e Formação Profissional da Fundação LIGA se encontra em fase de seleção de candidatos para a abertura de 2 novas turmas de formação profissional inicial para pessoas com deficiência e incapacidades, financiada pelo FSE através do Instituto do Emprego e Formação Profissional e no âmbito do POPH - Medida 9.6.2. - Qualificação de Pessoas com Deficiências e Incapacidades:

· Empregado(a) de Mesa (3.600h) – 2 turmas

Mantém-se a possibilidade de os interessados se candidatarem a qualquer um dos outros cursos existentes*, podendo fazê-lo em qualquer altura do ano e sendo contactados por ordem de inscrição.

*Cursos existentes:
- Assistente Administrativo/a
- Carpinteiro/a de Limpos
- Costureiro/a Modista
- Cozinheiro/a
- Empregado/a de Andares
- Empregado/a de Mesa
- Operador/a Gráfico/a de Acabamentos
- Operador /a de Jardinagem
- Operador/a Agrícola
- Pasteleiro/a /Padeiro/a

Quem pode candidatar-se?
Pessoas com deficiências e incapacidade que preencham cumulativamente os seguintes critérios:

Que cumpram os requisitos da escolaridade obrigatória, nos termos consagrados na Lei n.º 85/2009, de 27 de agosto, designadamente:
a) Tenham obtido o diploma de curso conferente de nível secundário da educação
ou
b) Independentemente da obtenção do diploma de qualquer ciclo ou nível de ensino tenham completado os 18 anos.

Que cumpram os requisitos da escolaridade obrigatória ao abrigo das disposições transitórias da Lei n.º 85/2009, de 27 de agosto, ou seja, tenham no mínimo 15 anos de idade, desde que tenham estado matriculadas no ano letivo 2009/2010, no 8.º ano de escolaridade e seguintes.

A título excecional podem, ainda, ser abrangidos candidatos menores de 18 anos, desde que os estabelecimentos de ensino nos quais os mesmos se encontrem inscritos comprovem a incapacidade para a frequência do mesmo.

Com Autonomia nas atividades de vida diária
Com Autonomia nos transportes

Benefícios (Despacho Normativo 12/2012 de 21 de Maio)
a) Seguro de Acidentes Pessoais, contra acidentes sofridos durante e no âmbito das atividades de formação;
b) Subsídio de alimentação;
c) Subsídio de transporte;
d) Eventualmente, Bolsa de profissionalização.

Candidatura
Os interessados deverão preencher a ficha de candidatura em anexo, a qual poderá ser devolvida para o email epfpgeral@fundacaoliga.pt<mailto:epfp_geral@fundacaoliga.pt> ou entregue presencialmente de 2ªf a 6ªf das 8h às 19h,na receção da Fundação LIGA (Rua do Sítio ao Casalinho da Ajuda, 1349-011 Lisboa | Freguesia da Ajuda |.

Para mais esclarecimentos contactar:
Fundação LIGA
Escola de Produção e Formação Profissional
Morada: R. do Sítio ao Casalinho da Ajuda; 1349-011 Lisboa
Telefone: 213616910 | 213616916
Fax: 213648539
Website: www.fundacaoliga.pt http://www.fundacaoliga.pt

Enviado por Mithós

Centro de Saúde de Fazendas de Almeirim deixou doente em cadeira de rodas sem transporte para hospital

Um utente do Centro de Saúde de Fazendas de Almeirim, que se desloca em cadeira de rodas e recebe uma reforma por invalidez de 330 euros, ficou sem apoio ao transporte para tratamentos num hospital de Lisboa porque o médico não assinou a guia. João Manuel Marques só conseguiu ir à consulta no Hospital de Santana, onde foi operado a um pé, porque houve um benemérito que lhe arranjou transporte gratuito de ambulância. O doente tinha previsto para esta quinta-feira outra deslocação ao hospital mas, já depois de O MIRANTE ter contactado o Agrupamento de Centros de Saúde, João recebeu um telefonema a informá-lo que lhe tinha sido concedido transporte.

João Manuel Marques, 38 anos, que sofreu um Acidente Vascular Cerebral (AVC) há três anos, já tinha ficado da outra vez sem transporte para regressar a casa após uma cirurgia e foi um irmão que pagou cerca de 50 euros de transporte na ambulância da Junta de Freguesia de Fazendas de Almeirim. João desloca-se em cadeira de rodas porque devido ao AVC não consegue equilibrar-se em pé.

Trabalhava a assentar pedras em chão e fachadas e chegou a ganhar mais de 1500 euros quando trabalhou em Espanha. Agora vive com um irmão, que também está reformado por invalidez e faz hemodiálise três vezes por semana, numa casa do bairro Ancofa, em Fazendas de Almeirim, concelho de Almeirim. João, que frequenta o centro de dia de Fazendas, conta que o dinheiro que ganha é para os medicamentos, comprar alguma comida e ajudar nas despesas da casa. E por isso não compreende por que motivo o médico do centro de saúde lhe recusou o transporte por conta do Ministério da Saúde.

João sofreu o AVC quando se deslocava para casa e estava perto da habitação. Seguia de mota e despistou-se tendo embatido contra um poste de electricidade. A doença deixou-lhe sequelas no pé a que foi operado e agora aguarda que esta situação se resolva para poder iniciar tratamentos para recuperar das dificuldades de locomoção no Centro de Medicina de Reabilitação de Alcoitão.

Fonte: O Mirante

Filho de Christopher Reeve anuncia progresso no tratamento contra lesão medular

Dez anos após a morte do eterno Super Homem Christopher Reeve, seu filho mais velho Matthew anunciou nesta quinta-feira (9) grande novidade no tratamento contra lesão medular e desejou que seu pai estivesse vivo para ver.

À revista People ele comentou que é difícil não pensar no pai e como seria se ele estivesse lá. Também apresentou, pela primeira vez, o avanço no tratamento de dois homens por meio da terapia de "estimulação epidural". Até eles então acreditavam que jamais poderiam se movimentar da cintura e do pescoço para baixo, mas agora já podem movimentar a cintura, os dedos e as pernas.

Apesar da perda, Matthew comentou que as pesquisas não teriam avançado tanto, se não fosse por seu pai.

Segundo a revista, após ficar paralisado devido a uma queda de cavalo, Chistopher e sua mulher Dana Reeve – morta em 2006 por um câncer na garganta –, trabalharam para melhorar a vida de seis milhões de pessoas com paralisia através do Chistopher & Dana Reeve Foundation.

Matthew ainda contou sobre o envolvimento da família em dar continuidade aos projetos dos pais.

– É uma grande honra continuar o que eles começaram. Eu não chegarei perto de ser produtivo como ele foi, em termos de arrecadar dinheiro e reunir esforços, mas é uma causa que está próximo do meu coração.

Agora ele espera dar um passo ainda maior e arrecadar a quantia de US$ 15 milhões para levar o tratamento para mais 36 homens e mulheres para a próxima fase da pesquisa, que acontece na Universidade de Louisiana, no Kentuky.

Fonte: R7

Avarias crónicas dos sistemas de acesso aos transportes públicos

Quão frequentemente utilizamos a expressão “É só uma dorzinha nas costas” para definir a angustiosa e persistente dor que nos magoa e que tentamos ocultar como algo natural e trivial? É verdade que sentir dor é inevitável, mas ao contrário do que se deva pensar esta pode e deve ser tratada.

Podemos comparar a forma como são tratadas este tipo de dores, àquela que é utilizada para lidar com os diferentes tipos de avarias, demasiado persistentes, que grassam nas ajudas técnicas essenciais à deslocação autónoma e livre dos cidadãos com mobilidade reduzida em Lisboa (e provavelmente noutras localidades do país).

Designadamente, como podemos compreender que os elevadores, as plataformas elevatórias e as rampas de acesso a espaços, edifícios e transportes públicos estejam constante e invariavelmente avariados, por tempo indeterminado, muitas vezes sem qualquer explicação [capaz], transtornando e MUITO a vida das pessoas que mais deles precisam e deles dependem…?

De facto, quando estas avarias estão directamente relacionadas com mecanismos que afectam a vida diária das pessoas, nomeadamente daquelas cuja condição física as impede de aceder de outra forma alternativa e autónoma àquelas espaços e serviços sem o auxílio destas ajudas técnicas… enfrentamos um problema gravíssimo e inaceitável de funcionamento dos serviços públicos e de desrespeito pelos direitos humanos fundamentais…

Quantos são os relatos ouvidos em relação aos inúmeros incómodos e atrasos ocasionados pelas avarias repetidas das rampas automáticas dos autocarros da Carris…chegando a passar três autocarros com as rampas avariada e, quando chega o quarto, com a rampa a funcionar, o motorista proíbe que entrem duas pessoas em cadeira de rodas no autocarro porque a lei apenas permite que uma pessoa em cadeira circule em cada autocarro por questões de segurança…?

E as saídas tantas vezes frustradas como resultado de uma avaria nas plataformas elevatórios ou nos elevadores de alguns espaços de atendimento ao público ou em estabelecimentos comerciais…? … Para não falar das avarias constantes dos elevadores do metro (tendo em consideração que há ainda poucas estações que os têm!) que obrigam as pessoas com mobilidade reduzida a percorrer maiores distâncias para encontrar uma estação que tenha elevador, e, a funcionar…?

E as intermináveis desculpas de avarias nas casas de banho adaptadas…que na verdade se encontram encerradas “há anos” para arrumação de material ou afins…? …E… poderíamos acrescentar uma lista infindável de interrogações cuja resposta não nos satisfaz…porque não nos convencem, não resolvem o problema em questão, não dão alternativas a situações que se repetem continuamente, dificultando o quotidiano de quem já devido à sua condição física está habitualmente mais condicionado.

Na verdade, muitas são as desculpas… algumas as razões … mas nenhuma se faz razão … se não houver uma pronta e eficaz adopção de medidas sérias e eficazes de resolução destas avarias crónicas.

NOTA: De acordo com a legislação portuguesa os autocarros que NÃO têm as rampas automáticas a funcionar e que apresentam o símbolo de acessibilidade universal, NÃO podem circular e atender ao público. Na situação da proibição da circulação de duas pessoas em cadeiras de rodas num mesmo autocarro, o dever de cumprimento desta normativa é incompatível com o incumprimento da norma que proíbe a circulação de autocarros com rampas avariadas…

Fonte: Lisboa  (In)Acessivel

segunda-feira, 6 de Outubro de 2014

Baterias para cadeira de rodas €550, para o carro €90

Conjunto de baterias para uma cadeira de rodas elétrica €550 e com direito a 23% de IVA. As baterias do carro ficam por €90

Bolsa de emprego para pessoas com deficiência

A Bolsa de Emprego da Associação Salvador tem como objetivo estabelecer a ligação direta entre pessoas com deficiência motora que estão à procura de emprego e entidades empregadoras.

As pessoas inscritas nesta bolsa poderão receber por e-mail ofertas de emprego que eventualmente as entidades empregadoras partilhem com a Associação Salvador.

Uma vez que a nossa base de dados já se encontra um pouco desatualizada, solicitamos que preencha o questionário seguinte se pretender fazer parte da mesma:

Atenção: Todas as bases de dados anteriores ficam sem efeito pelo que se estiver interessado em receber as ofertas desta Bolsa deverá preencher o questionário.

Aceda ao questionário aqui!

Temos algumas parcerias desenvolvidas com empresas de recrutamento como a Randstad, Reditus entre outras. Para podermos passar os seus dados a estes parceiros e a outras empresas é muito importante que autorize a divulgação dos seus dados que se encontra no final do questionário.

Em seguimento ao questionário solicitamos que envie um e-mail com o sei CV dirigido ainfo@associacaosalvador.com colocando no assunto “CV- (Nome Completo)”

Propostas de Emprego Ativas:

Reditus
Call Center
Backoffice Administrativo

Cofidis
Conselheiro / Técnico de Crédito e Análise
Conselheiro / Técnico de Crédito de Clientes

BNP Paribas
Operacional (A inscrição deverá ser efetuada pelo site http://www.bnpparibas.pt/en/careers/join-us/ contudo pedimos que os candidatos coloquem Associação Salvador no campo “Se conhece alguém da empresa”.)

Parques de Sintra - Monte da Lua
Assistente administrativo

Para saber mais sobre estas ofertas de emprego, contacte-nos.
Com os melhores cumprimentos,
Renato Miguel Farinha

Erro médico deixa jovem tetraplégica

Segundo o CM, uma operação ao coração, que seria simples, deixou Maria do Céu, 17 anos, incapacitada. A jovem, de Valbom, Gondomar, respira agora através de um tubo colocado na traqueia e é alimentada por uma sonda.

A cirurgia, realizada no Hospital de S. João, no Porto, no passado dia 21 de fevereiro, destinava-se a fechar um pequeno buraco de dois centímetros que a jovem tinha no coração. Segundo contou o pai, Manuel Brito, o cirurgião deu "uma taxa de sucesso de 99,9%". Só que durante a cirurgia algo não correu bem e Maria do Céu terá ficado sem oxigénio no cérebro, acabando por sofrer um acidente vascular cerebral. Desde então, a jovem, ainda internada, não fala e só consegue respirar coma ajuda de um tubo colocado na traqueia, sendo alimentada por uma sonda. A família admite recorrer aos tribunais.

De um momento para o outro, a vida de Maria do Céu, aluna com excelentes notas que estaria agora no 12.o ano, e que ambicionava ser advogada, ficou interrompida e presa a uma cama de hospital.

Exoesqueleto Rex Bionics

1º exoesqueleto mãos livres Rex Bionics



Mais informação: Rex Bionics

Enviado por José Mariano

Concurso Arte e Criatividade para pessoas com deficiência

Entre os dias 15 e 17 de outubro são aceites as candidaturas para participar no Concurso Arte e Criatividade, promovido pela Câmara Municipal de Almada.

Este concurso está aberto a trabalhos individuais e coletivos de pintura, desenho, escultura, cerâmica, tapeçaria, barro, madeira, colagens, etc., de pessoas com necessidades especiais e/ou portadoras de deficiência, residentes ou não no Concelho de Almada.

Podem concorrer pessoas singulares com necessidades educativas especiais e /ou portadoras de deficiências, individualmente ou em grupo, ou pessoas coletivas cujo objeto social seja o apoio a cidadãos com necessidades educativas especiais e /ou portadoras de deficiências, com residência/sede, ou não, no Concelho de Almada.

Prémios:

Serão premiados os três melhores trabalhos individuais por cada grupo etário e os três melhores trabalhos coletivos, respetivamente, com:

200 euros para cada 1.º classificado
175 euros para cada 2.º classificado
150 euros para cada 3.º classificado

Para aceder ao Regulamento e à Ficha de Inscrição do Concurso, p.f. contacte: Divisão de Ação Sociocultural da Câmara Municipal de Almada

– DASC pelo telefone 212 738 107 ou pelo email acborges@cma.m-almada.pt

Fonte: Plural & Singular

sexta-feira, 3 de Outubro de 2014

A minha vida é a minha mensagem

Bento Amaral: "A minha vida é a minha mensagem"

Olhar de Norberto Sousa sobre as acessibilidades em Lisboa

Norberto Sousa aceitou o nosso desafio de responder de forma pertinente a questões relativas às condições de acessibilidade em Lisboa. Perfil de Norberto Sousa (NS) Norberto Sousa é licenciado em Línguas e Literaturas Modernas, inglês-alemão, formador e consultor de acessibilidade web e digital, a instituições como o Museu da Batalha e o Banco de Portugal. […]

A autodeterminação das pessoas com deficiência será mesmo um “remar contra a maré”?

Por mais que se proclame em relação às pessoas com deficiência o seu direito a uma vida
independente, tão inserida na comunidade e tão capaz de assumir decisões quanto possível, muitas das medidas que actualmente estão a ser propostas, entre nós, a nível oficial, nos sectores da educação, do apoio social ou da inserção profissional têm sido caracterizadas por uma orientação totalmente oposta. A notícia que no dia 24 de Setembro, foi publicada no jornal PÚBLICO sobre a criação de “assistentes pessoais para deficientes” é um exemplo claríssimo desta atitude que podemos considerar como limtadora da liberdade e dignidade desta população.

O movimento designado por auto-determinação (o self advocacy movementiniciado nos anos 60 nos E.U. em estreita ligação com a luta pela defesa dos direitos humanos) é hoje uma orientação difundida na generalidade dos países em que se valoriza a inclusão das pessoas com deficiência. O seu principal objectivo consiste em promover medidas que permitam que estas pessoas tenham o poder de falar por si próprias, de tomar decisões sobre a sua vida e de solicitar os serviços de apoio que considerem necessários para poder funcionar da forma mais realizada possível no âmbito familiar, social, profissional e cultural.

Ao longo dos anos em que estive diretamente envolvida na educação especial, acompanhei o rápido progresso verificado em inúmeros países (e também entre nós) na aplicação desta perspectiva nos programas educativos e naqueles que visavam, de forma particular, a inserção dos jovens na vida activa.

Ao discordar do projecto que agora foi apresentado e ao concordar com os argumentos que o contestam por parte do Movimento (d)Eficientes Indignados, não pretendo afimar que as pessoas com limitações graves de diversas ordem não precisem, em diferentes situações, da intervenção de pessoas que os ajudem o que, muitas vezes, implicará a disponibilidade de meios financeiros para o conseguir. E, nesse caso, algumas dessas pessoas (certamentre não todas) poderão, eventualmente, precisar de alguma preparação para tal. Mas, para a garantir haverá certamente muitas outras soluções, diferentes da que foi proposta, mais simples de organizar e, sobretudo, tal como acontece com a generalidade das situações em que não existem condições de deficiência, definidas caso a caso, e com a direta participação por parte de quem requere essa ajuda ou de suas famílias.

Criar uma nova profissão, definir a respectiva formação, carreira, vencimento e forma de avaliação e, com tudo isto, evitar que seja a pessoa que precisa de ajuda a ter meios financeiros para contratar quem a possa ajudar, parece ser um caminho totalmente contrário daquele que visa a autonomia e a autodeterminação que são pressupostos fundamentais da valorização e dignificação das pessoas em causa.

Professora aposentada, ligada à Rede Inclusão Ana Maria Bernard da Costa

Fonte: Público

O Universo de Stephen Hawking

Stephen William Hawking, CH, CBE, FRS, FRSA (Oxford, 8 de janeiro de 1942[1]) é um físico teórico e cosmólogo britânico e um dos mais consagrados cientistas da atualidade. Doutor em cosmologia, foi professor lucasiano de matemática na Universidade de Cambridge (posto que foi ocupado por Isaac Newton)[2]. Depois de atingir a idade limite para o cargo, tornou-se professor lucasiano emérito daquela universidade.[3]

Hawking tem uma distrofia neuromuscular, semelhante à esclerose amiotrófica lateral, cuja condição se agravou ao longo dos anos, e o deixou quase que completamente paralisado.

Acessibilidades: Viver em Lisboa é uma aventura!


Testemunho de vida Texto escrito por Carla Oliveira & Editado por Lisboa (In)Acessível O meu nome é Carla Oliveira e tenho 38 anos. Estou a terminar uma Licenciatura em Contabilidade e Administração e ao mesmo tempo estou a trabalhar num call center em part-time para conseguir suportar as despesas. Ando de cadeira de rodas eléctrica […]

Ler mais deste artigo

Livro: É Possível Acreditar

“É Possível”, um convite a acreditar

A doença que tem acompanhado o Rui Bernardino, a ataxia de Friedreich, limitou-lhe os movimentos e prendeu-o a uma cadeira de rodas, quando este tinha apenas vinte anos de idade. Porém, nunca conseguiu limitar-lhe a capacidade de sonhar. Hoje, com 36 anos de idade, o Rui continua a acreditar que “é possível”. O livro de que hoje se fala é a prova disso mesmo. Como revela a editora, "É possível" é um livro de 108 páginas, que relata episódios verídicos, mais ou menos caricatos, de um percurso de vida, desde o nascimento até aos dias de hoje. O livro partilha a alegria e a tristeza.

A personagem principal é Rui Bernardino. Dotado de uma personalidade fortíssima, embora por vezes ingénuo, Rui revela a forma muito própria como vem lidando com uma vida condicionada pela cadeira de rodas. O livro destaca os pilares principais deste percurso: o tio Tó, também portador de ataxia de Frierdeich e a principal referência do Rui, Miguel Abrantes, o melhor e fiel amigo até aos dias de hoje, e a esposa Michelly Abreu. "Como os últimos são os primeiros", ela é sem dúvida a sua maior força.

Este livro é inspirador. Ele mostra que ser feliz só depende da nossa atitude, além de motivar todos os leitores a encontrarem o que de melhor têm para dar aos outros.
Todo o caminho do Rui é cheio de "coisas" diferentes. Hoje com um grau de incapacidade de 95%, sente as suas forças renovadas pela filha e pelos "ares" da cidade. O melhor ainda está, certamente, por vir!”.

A sessão de lançamento do livro de Rui Bernardino e de Cláudia Cambraia será no dia 18 de Outubro, sábado, às 17h30, no ISCAC – Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra.

Contamos com a vossa presença.
CONTACTO
Rui Bernardino
Telefones: +351 966 449 878 / 239 095 214

E-mail: ruibernardino1@gmail.com

Enviado por email

Arte inclusiva: Actividades Artísticas, Culturais e de Formação

Para este mês de OUTUBRO propomos-lhe diversas sugestões artísticas, culturais e de formação, esperando contribuir para momentos de enriquecimento, partilha e lazer. Não deixe de ir a espectáculos, de visitar exposições, de participar, e sobretudo de conhecer o que lhe propomos

ESPECTÁCULOS

Cyrano de Bergerac de Edmond Rostand
Primeiros Sintomas

Rios do Sono
Circolando
Ciclo O Rivoli Já Dança

EXPOSIÇÕES

(IN)Diferenças
Cercioeiras

As Minhas Cores
Exposição Individual de Pintura de João Paulo Silva
Espaço t

Lind’ Mundo, Aka Om

Exposição Inclusiva "Liberdades"
Cercidiana

ACTIVIDADES CULTURAIS

VIII Festival de Expressões "Liberdades"
Cercidiana

Festival O Gesto Orelhudo
d’Orfeu Associação Cultural e Câmara Municipal de Águeda

FORMAÇÃO

Oficina de Formação Teatral
Da ideia ao objecto – A Identidade
ANACED

Workshop de Teatro Gestual
Background

Curso Comunicação Acessível
Acesso Cultura

Ateliês e Workshops de Artes Plásticas

CONCURSOS

Concurso Arte e Criatividade
Câmara Municipal de Almada

1º Concurso de Pintura ao Arte Livre
Pelouro da Cultura da Junta de Freguesia da Misericórdia

IX Concurso Mãos com Arte
Cercimarco

12ª edição do Concurso “Escola Alerta!”
Instituto Nacional para a Reabilitação, I.P.

LIVRO

O Sabor está na Diferença
Cercioeiras

ESTE MÊS NÃO DEIXE DE...requisitar uma das Exposições Itinerantes da ANACED

Para consultar o Programa, p.f. clique aqui:

http://anacedarte.wix.com/anaced#!programa-de-difuso/c1bxf

Os conteúdos e produto divulgado são da exclusiva responsabilidade da ANACED.

ANACED
Associação Nacional de Arte e Criatividade de e para Pessoas com Deficiência
Rua do Sítio ao Casalinho da Ajuda
1349 -011 Lisboa
Tels. 21 363 68 36 – 21 361 69 10
Fax 21 364 86 39
anaced@net.sapo.pt
Visite-nos em http://anacedarte.wix.com/anaced
Siga-nos também no Facebook em:
http://www.facebook.com/pages/ANACED-Arte-e-Criatividade-Pessoas-com-Defici%C3%AAncia/108277345933518