Emprego: Apoios para pessoas com deficiência

Conheça os serviços e medidas específicos de apoio à inserção socioprofissional no mercado normal de trabalho:

O Instituto de Emprego e Formação Profissional, IP pode proporcionar-lhe, em adição ao conjunto de apoios que atribui no âmbito dos programas e medidas activas de emprego de carácter geral (alguns dos quais apresentam majorações ou condições específicas para pessoas com deficiências e incapacidades), um conjunto de apoios específicos, de natureza técnica e financeira, previstos no Programa de Emprego e Apoio à Qualificação das Pessoas com Deficiências e Incapacidades (criado pelo Decreto-Lei n.º 290/2009, de 12 de Outubro), que passam por:

Emprego Apoiado em Entidades Empregadoras

Adaptações do local de trabalho

Emprego Protegido:

Considera-se Centro de Emprego Protegido a estrutura produtiva dos sectores primário, secundário ou terciário com personalidade jurídica própria ou a estrutura de pessoa colectiva de direito público ou privado, dotada de autonomia administrativa e financeira, que através de postos de trabalho em regime de emprego apoiado, visa proporcionar às pessoas com deficiências e incapacidades e com capacidade de trabalho reduzida o exercício de uma actividade profissional.

Existe mais de uma dezena de centros de emprego protegido no nosso país.

Centros Novas Oportunidades

Quotas de emprego

Existem também incentivos à criação do próprio emprego.

CENTROS DE REABILITAÇÃO PROFISSIONAL

1 - Centro de Reabilitação Profissional de Alcoitão e

2 - Centro de Reabilitação Profissional de Gaia

Fonte e informação completa: IEFP - Instituto de Emprego e Formação Profissional

Legislação. Decreto-Lei nº 290/2009

e Lei nº 24/2011 de 16 de Junho

Comentários

  1. Amigo, as leis existem e nisso sei que estamos mt à frente!! Mas na prática será que funcionam?
    Estamos em CRISE e onde fazem os 1ºs cortes?
    Ajudas Tecnicas, Emprego Protegido, Taxas moderadoras e bla bla bla...
    Sinceramente prefiro conhecer casos práticos, em vez de ter conhecimento de todos estes locais e leis a que TODOS deveríamos ter acesso, mas de que são muito "utópicos"
    Muita Luz
    Isa

    ResponderEliminar
  2. Casos práticos?
    Só comprando os produtos com próprio dinheiro. Não conheço outra alternativa.
    Fica bem

    ResponderEliminar
  3. Parabéns Eduardo! Considero fundamental lutar pelo integral cumprimento da legislação existente e para que o "legislador" - seja ele qual for (Governo e Assembleia da República - continue a não se esquecer de nós, criando normas legais exequíveis. Só assim conseguiremos evoluir....

    Bem Haja, Eduardo :)

    Alberto

    ResponderEliminar
  4. Também concordo.
    E conhecendo nossos direitos podemos ter argumentos para lutar com mais certezas.
    Abraço Alberto

    ResponderEliminar

Enviar um comentário