sábado, 20 de junho de 2009

1º TÁXI ADAPTADO PARA DEFICIENTES NA CIDADE DO PORTO


Florêncio Almeida presidente da A.N.T.R.A.L perante possibilidade de existência de táxis adaptados a pessoas com mobilidade reduzida no nosso país. Achou-se no direito de pensar por todos seus associados e por todos utilizadores táxis e dizer que não achava viável essa possibilidade por questões financeiras e ainda teve descaramento de acrescentar que pessoas ditas normais não se sentiriam confortáveis em viajaram num táxi adaptado.

Quanta insensibilidade, arrogância, falta de civismo e respeito pelos outros. Felizmente sua opinião não vingou porque depois de cidades como Braga, Lisboa e Vila Nova de Famalicão acaba de ser posto a circular esta segunda-feira, o primeiro táxi para transporte de pessoas com dificuldades motoras na Cidade do Porto. A Táxis Guimarães, Lda colocou assim em funcionamento um serviço com capacidade para transporte de oito pessoas, duas delas em cadeira de rodas.

Rui Rio, Presidente Câmara Municipal do Porto apadrinhou iniciativa e até incentivou outros empresários a seguir mesmo exemplo.

Em baixo deixo um texto soberbo da nossa Laurinda Alves. Aliás todos agradecimentos são poucos a esta magnifica cidadã. Sempre esteve patente seu civismo e luta pelas injustiças. Para quem não sabe acrescento que exerce voluntariado através Associação Salvador na ajuda pessoas diferentes.

INCLUIR? NÃO OBRIGADO!
 
Num país onde a esmagadora maioria de pessoas portadoras de deficiência são obrigadas a ficar em casa por não terem condições para vencer os obstáculos na rua, é perverso ouvir declarações públicas feitas por pessoas aparentemente responsáveis que se recusam a dar passos para incluir os mais frágeis.
 
Falo de Florêncio Almeida, presidente da Antral, que explica com toda a eloquência possível que “não há mercado” para este tipo de transporte e que “as pessoas sem deficiência não querem viajar em táxis próprios para deficientes”. Inspirado, Florêncio Almeida, vai mais longe e admite: “eu próprio não gosto de ser conotado com o que não sou”. Extraordinário raciocínio, este. Mas há mais e continuo a citar o que li no Público de dia 22 de Agosto: “o que eu quero é trabalhar e não fazer serviço social”. Bravo! Uma boutade pareceu-lhe pouca coisa, duas ou três de enfiada deram-lhe certamente outra assurance discursiva.
 
Pois bem caro Florêncio a serem verdade, estas suas afirmações falam por si e infelizmente dizem o pior. Mostram uma total insensibilidade e revelam uma ignorância chocante. Isto para não falar da falta de estratégia empresarial e da ausência de sentido do negócio. Mas vamos por partes.
 
Ao contrário de Florêncio Almeida, a maior parte das pessoas que não tem handicaps físicos sente-se muito mais confortável quando anda em transportes onde há lugares ou circunstâncias adaptadas aos deficientes do que quando percebe que estes foram completamente excluídos.
 
É completamente falso que os ditos normais se recusem a apanhar um táxi adaptado para pessoas com necessidades especiais. Aqui e em qualquer lugar todos ganhamos com a inclusão e por isso é bom que Florêncio Almeida fale por si, coisa que obviamente não pode fazer por ser presidente de uma Associação que representa uma classe com milhares de profissionais.
 
Uma coisa é as pessoas sem handicaps não se lembrarem que são precisas adaptações, outra radicalmente diferente é estas mesmas pessoas recusarem estas adaptações com argumentos patéticos. Nesta linha é bom que Florêncio Almeida separe as águas e não amplie uma voz distorcida.
 
Quanto a não gostar de ser conotado com o que não é, neste caso particular com pessoas com deficiência, cada um sabe de si. Eu lido perfeitamente com todos os tipos de deficiência e a única que verdadeiramente me incomoda é a deficiência moral. Essa sim, incomoda-me por revelar pobreza de espírito e indigência moral, passe a redundância.
 
Finalmente a questão do serviço social. Numa época em que todos temos consciência de que o empreendedorismo e a responsabilidade social das empresas são uma aposta ganha à partida, não fica bem a ninguém defender o indefensável. Se Florêncio Almeida não faz nem quer fazer que se chegue para o lado e deixe que outros façam o que tem que ser feito.
 
Uma cidade como Lisboa precisa urgentemente de táxis adaptados para deficientes, para velhinhos com bengalas, para pessoas frágeis ou doentes, para homens e mulheres que fizeram operações graves, para pais e mães que têm filhos pequenos ou bebés de colo e, quem sabe, até para um dia o próprio Florêncio Almeida poder transportar algum familiar ou amigo que tenha dificuldades de locomoção. Contra estes factos não há argumentos. Ou há, senhor Florêncio Almeida?

Sem comentários:

Publicar um comentário