Quatro em cada dez mulheres com mais de 60 anos são vítimas de abuso

Quatro em cada dez mulheres portuguesas com mais de 60 anos afirmam ter vivido algum tipo de abuso no último ano cometido por alguém próximo.

Um terço dos casos (32,9 por cento) relatados são abusos emocionais ou psicológicos, segundo os resultados de um estudo da Escola de Psicologia da Universidade do Minho.

Seguem-se os abusos financeiros (16,5 por cento), a violação de direitos pessoais (12,8), a negligência (9,9), o abuso sexual (3,6) e o abuso físico (2,8).

Ana João Santos, uma das autoras deste estudo, explicou que a «a maior parte deste tipo de abusos» é cometido pelo «marido ou companheiro, tirando a negligência e o abuso físico» que são mais levados a cabo pela «filha».

Segundo a autora do estudo, apenas um terço das mulheres relata o caso a alguém, na maior parte das vezes «à família ou a um amigo».

Pelo contrário, apenas 1,4 por cento das mulheres idosas alvo de abuso foram ter com a polícia. sendo ainda mais raras as que disseram que essa denúncia foi útil.

Os abusos são sofridos muitas vezes de forma continuada. «Uma em cada quatro das mulheres mal tratadas sofreram vários acções abusivas uma vez por semana ou uma vez por mês durante os últimos 12 meses», disse Ana João Santos.

Muitas mulheres abusadas têm sentimentos de impotência, depressão ou dificuldades em dormir e pesadelos.

Os investigadores da Universidade do Minho concluem que os maus-tratos a mulheres idosas continuam a ser um problema oculto. TSF

Comentários

  1. O idoso, infelizmente, perdeu o seu estatuto privilegiado na nossa sociedade, o respeito pela sua dignidade, valor cultural, pela sua experiência, deixaram de ter peso, passando então a vítimas privilegiadas de preconceitos, de actos de violência como os que constam nesse estudo. Não nos podemos esquecer também do isolamento que vivenciam e que propicia também este tipo de violências, bem como a herança cultural que carregam e que os vitimiza também quando escondem a sua realidade, sofrendo a grande maioria no silêncio, pela vergonha e porque "é o seu destino carregar aquela cruz"...
    Há que potenciar o capital humano incalculável que é o idoso e valorizá-lo em vez de o menosprezar...
    Abraço.
    Sininho

    ResponderEliminar
  2. Concordo Sininho. Sábias palavras as tuas.
    Tenho imenso carinho, respeito e admiração pelos mais velhos.
    Lido muito com eles e é triste verificar o quanto realmente estão desaproveitados.
    Os orientais têm um lugar especial na comunidade para eles,nós maltratamo-los...
    Fica bem

    ResponderEliminar
  3. do lado de cá do atlântico o idoso só não foi totalmente marginalizado por força de leis, mas às vezes falha a fiscalização para garantir que sejam cumpridas... quanto aos tipos de abusos, os que eu mais tenho visto são os abusos financeiros, há vários familiares que abandonam velhos em asilos insalubres para gastar dinheiro de pensões, de vez em quando a polícia fecha asilos clandestinos onde velhos são agredidos fisicamente...

    ResponderEliminar
  4. Aqui acontecem abusos idênticos. Inclusive ao ponto de os abandonarem nos hospitais sem documentos identificativos.
    É vergonhoso saber que há gente capaz de tais barbaridades.
    Fique bem

    ResponderEliminar

Enviar um comentário