Que dor é essa?


Quando nos deparamos com um lesado medular, principalmente os lesados por traumas, imaginamos que abaixo da lesão essa pessoa não sente mais nada, certo?

Eu também pensava dessa maneira, mas após o acidente descobri que não bem é assim. Logo começaram as tais dores neuropáticas, dores noturnas (já que geralmente pioram a noite) e que também são chamadas de dores fantasmas, esse nome não é só porque não tem causa definida e sim porque são dores que assustam e incomodam muito os pacientes.

Saiba mais sobre: Dra. Fabíola Peixoto Minson explica sobre a Dor do Membro Fantasma

A explicação científica para a dor neuropática é: ”Atribuída à hiperatividade neuronal segmentar à modificação do padrão de chegada de estímulos sensitivos ao tálamo“, segundo o Instituto Simbidor. Complexo, não é?

Simplificando, é uma alteração dos sinais nervosos (lesão medular) que são interpretados de maneira errada (como dor) pelo cérebro.

No lesado medular essa dor desenvolve-se em 60% a 70% dos indivíduos, sendo que em um terço ela é intensa. No nível da lesão ela que pode aparecer de forma mais precoce e abaixo do nível da lesão a dor inicia-se de forma mais tardia.

A maioria dos indivíduos descreve como algo penetrante e ardente, que provoca uma sensação de queimação, peso, agulhadas, ferroadas ou choques, podendo ou não ser acompanhada de "formigamento" ou "adormecimento" (sensações chamadas de "parestesias), com mais intensidade durante o primeiro ano após ter ocorrido a lesão e na maioria dos casos são nos membros inferiores.

A dor neuropática intriga e frustra, tanto para os pacientes como para os médicos, pois parece não apresentar uma causa definida, responde pouco aos tratamentos e pode durar indefinidamente. Sabe-se que um estímulo tátil discreto ou roçar em determina região do corpo pode desencadeá-la e fica mais intensa com as variações climáticas e estados emocionais.

O alto nível de sofrimento causado pelas dores intensas e duradouras pode chegar a desencadear o aparecimento de depressão, crises de pânico, ansiedade, dificuldade em dormir, entre outras.

Existem vários tratamentos com anti-depressivos, anticonvulsivantes e outros medicamentos, alguns tratamentos alternativos como acupuntura que também podem amenizar as dores. Evitar infecções urinárias e da bexiga e ter um bom funcionamento do intestino também ajuda.

Ainda não conheci um lesado medular que sofre ou já sofreu muito com essas dores, tem quem se trata com medicamentos e até que se acostume e conviva bem com elas, mas o mais importante é ter paciência e positividade sempre.

Por Leandro Portela em Vida Mais Livre

Comentários

  1. OLÁ, BOM DIA.
    EU ESTOU PARAPLÉGICA A DOIS ANOS E SEIS MESES.
    SOFRO INTENSAMENTE COM A DOR NEUROPATICA. MEDICAMENTOS, NUNCA SURTIRAM EFEITO EM MIM. e AGORA?
    LAURA_RRODRIGUES@HOTMAIL.COM

    ResponderEliminar
  2. Laura, está em Portugal ou Brasil?
    Realmente fácil não é.
    É seguida em algum centro de reabilitação?
    Existem consultas especificas da dor. Já foi encaminhada para alguma?
    A Gabapentina em mim funciona.
    Fique bem

    ResponderEliminar
  3. Boa tarde.
    Eu chego a ter dores horríveis que nem a roupa que tenho no corpo, suporto.
    Faço uma medicação à base de Pregabalina (Lyrica), Actiq e pensos Fentanil e Versatis. Resultados: Atenua, mas " desaparecer " nunca.

    ResponderEliminar
  4. Caparica, obrigado pela informação. Deveria ser seguido num serviço da dor. Existem alguns muito bons. Inclusive um, ai no Garcia da Horta.
    Fique bem e melhoras.

    ResponderEliminar
  5. Olá gente!!!meu pai ficou paraplégico a 6 anis. Desde então sente dores forticima queimação e choques no corpo.
    Ele só faz uso de dipirona para aliviar mas parece não ser o bastante.alguem pode me orientar sobre algum medicamento? Obrigado

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Veja as dicas acima.
      Lyrica e neurontin são os medicamentos que maioria toma.
      De qualquer modo não deixe de consultar o médico do seu pai.
      Boa sorte

      Eliminar
  6. Bom dia meu irmão teve um grave acidente há 15 dias e dizem k ele está tetraplégico do pescoço pra baixo, k nca mais vai se mexer e vai fazer traqueostomia. Perfurou os pulmões e fígado e esmagou e vértebras da cervical, tiveram k lhe operar para fixar o pescoço. Dizem k não há recuperação. Será k devo pedir outra avaliação dele a outro médico? O k lhe operou aconselhou a família a colocar meu irmão numa instituição pk vai precisar de cuidados e acompanhamento 24h por dia...falaram me no centro de alcoitao k ele lá poderia vir a recuperar algo mas o resto da família está resignada e nos Açores as únicas instituições k existem são as santas casas da misericordia...que a meu entender vão limitar se a deixa lo numa cama o resto da vida ���� eu estou em lisboa e sinto me impotente...kero tanto acreditar k ele pudesse recuperar alguma coisa e não o deixar assim...ajudem me pfv!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Maria João, antes lamento pelo seu irmão. Neste momento o mais importante é tentar manter a calma. A lesão é recente, e nada como um dia após o outro.

      Em relação ao o seu irmão ser consultado num Centro de Reabilitação, acho muito importante que isso aconteça. Peçam à unidade hospitalar que o acompanha para o encaminharem. Veja aqui os centros existentes: http://tetraplegicos.blogspot.pt/2010/04/centros-de-medicina-fisica-e.html

      Abraço solidário e estou ao dispor através do email: tetraplegicos@gmail.com

      Eliminar

Enviar um comentário