Federação Portuguesa de Desporto para Pessoas com Deficiência ameaça falhar competições internacionais

A Federação Portuguesa de Desporto para Pessoas com Deficiência (FPDD) vai cancelar as participações em todas as competições internacionais, caso não sejam saldadas até final do ano as verbas devidas ao abrigo do contrato-programa do Projeto Paralímpico.

Em declarações à agência Lusa, Leila Marques, presidente da FPDD afirmou que relativamente ao ano de 2009 "estão ainda em dívida 30 000 euros" e em relação a 2010 a dívida "ascende a 126 500 euros", de um orçamento anual de 416 000 euros.

A federação enviou hoje uma carta aberta ao Instituto do Desporto de Portugal (IDP), às secretarias de Estado do Desporto e da Reabilitação e ao Comité Paralímpico de Portugal (CPP), a expor a situação.

"Estamos numa grave situação financeira devido ao atraso no cumprimento do contrato-programa, não temos condições para sustentar as participações internacionais", disse Leila Marques, acrescentando: "Enquanto a divida não for saldada, não temos condições para avançar".

A presidente da federação, antiga nadadora paralímpica, acredita que a falta de dinheiro "se deve ao facto de na altura da assinatura do contrato-programa para Londres2012 não ter sido contemplado o número correto de atletas", que atualmente se cifra nos 32.

Leila Marques garante já ter exposto a situação ao CPP, entidade responsável pela gestão do projeto paralímpico Londres2012,

"Eles (CPP) já conheciam as nossas dificuldades financeiras, sabemos que tem estado a negociar junto do IDP uma solução para este problema, mas o que é certo é que a federação mão tem mais como protelar a tomada desta decisão", referiu.

Caso se confirme o cancelamento das atividades internacionais, estarão comprometidas as participações nos Jogos Mundiais da IBSA, Campeonato da Europa de Natação IPC, Taça do Mundo de Boccia, e dos cinco atletas da deficiência intelectual nos Global Games.

Além do cancelamento da participação em provas internacionais estarão também comprometidos os estágios internacionais. As competições nacionais não serão afetadas, porque são da responsabilidade dos clubes.

A FPDD, que tem a seu cargo as modalidades de boccia, atletismo e natação, deixou de gerir a preparação para os Jogos Paralímpicos em 2008, após a constituição do CPP.

O valor global da verba disponibilizada ronda 1,96 milhões de euros, a quatro anos, o que representa um aumento de 50 por cento em relação a Pequim2008. DN

Comentários