Minha participação no 10º Congresso Nacional de Deficientes

Este Sábado participei no 10º Congresso Nacional de Deficientes, realizado na INATEL da Costa da Caparica, organizado pela Confederação Nacional dos Organismos de Deficientes (CNOD). O tema principal era "LUTAR POR UM SÉCULO XXI INCLUSIVO/UNIR O MOVIMENTO ASSOCIATIVO".

Uma decepção. O mesmo de sempre: discursos politicamente correctos, feitos pelos mesmos de sempre, formalidades do costume, promessas...porque tem que se continuar a bater nas mesmas teclas, a fazer o mesmo de sempre? A mim tudo aquilo não me diz nada. Porque não nos juntarmos informalmente e debatermos nossos problemas, trocarmos ideias, dúvidas, unirmos esforços, no lugar daqueles enfadonhos e ultrapassados modelos?

Bem, couberam-me uns minutinhos para discursar e neles tentei apresentar factos. Sim, factos. Falar bonito não sei, falar só para agradar não condiz com minha personalidade. Deixo aqui aos meus leitores o que foquei: (cliquem por favor nas palavras sublinhadas, que terão enquadramento do que me refiro).

1 - O representante da INATEL social, presente no congresso, tentou vender e vangloriar-se do seu programa “Abrir Portas à Diferença”. Expliquei-lhe que não é como diz. Eu fui impedido de participar nesse programa, porque as suas unidades hoteleiras não têm casas de banho acessíveis para dependentes e que inclusive naquele momento nem o rosto podia lavar, porque a casa de banho do Hotel não permite que entre nela.

2 - Perguntei à mesa onde está a inclusão. Eles (organizadores do congresso) foram os primeiros a discriminar-nos. Somente disponibilizaram transportes a partir do Largo do Rato em Lisboa. Eu e outros que vivem fora de Lisboa somos diferentes, não temos direito a transporte.
Não há verbas para transportes? Recebam-nos através de videoconferência. Não custa nada. Aí se vê que é falta de vontade.

Sites da CNOD, APD e maioria é desnecessário procura-los. Sempre desactualizados e nada apelativos. Será que não sabem que nós dependentes temos como única ferramenta para chegar até eles a Internet? Hoje em dia qualquer leigo sabe e tem uma página na net, mais actualizada que as deles.

3 - Contei-lhes a humilhação que passei ao ser examinado no meio da via pública, no Serviço de Saúde Pública de Tomar, por uma junta médica, por o edifício não tem acessos a cadeira de rodas.

4 - Expliquei-lhes que o Centro de Medicina de Reabilitação de Alcoitão, não faculta transporte a dependentes após alta hospitalar. Que nos despeja e abandona na nossa cadeira de rodas, na estação de Santa Apolónia, Oriente ou outra.

5 - Que estamos impedidos de fazer formação e ou continuar estudos, porque não nos facultam transporte. Que Centro de Reabilitação Profissional de Alcoitão e ou Gaia, não nos aceitam, porque não têm dinheiro para contratar quem nos auxilie. Novas Oportunidades e afins que tanto se orgulham e publicitam é só para os outros.

6 - Que dia 09 de Novembro de 2009, relatei estas, e outras injustiças a toda a entidade possível, e inclusive a algumas daquelas Associações e nem uma resposta obtive. Somente Gabinete da Senhora Secretária de Estado, através do chefe de seu gabinete, Drº Rui Daniel e seu adjunto Drº Luis Vale se interessaram por mim e me receberam. Inclusive até hoje sempre que sou contactado através do TETRAPLÉGICOS, por alguém que sofre injustiças, Drº Luis Vale me auxilia. Tendo já desbloqueado imensas situações. Do associativismo nada.

O que não pude dizer, visto a mesa ter-me interpelado que meu tempo tinha esgotado:

a) Centro de Reabilitação de Alcoitão deixa muito a desejar.
b) Conseguir uma assinatura dos centros de saúde numa credencial, que autorize nossa ida a uma consulta com um especialista é maioria das vezes recusado.
c) Conseguir Ajudas Técnicas/Produtos de Apoio neste momento é quase impossível.
d) Apoio domiciliário é inexistente.
e) Ir a umas urgências hospitalares, só pagando transporte, etc, etc e etc.

Houve uma Mãe que no seu discurso emocionante, de procura de respostas, muito incentivou o mostrarmo-nos, irmos para a rua. Sempre achei uma excelente ideia, como em tempos o mostrei publicamente. Pensem nisso.

Não poderia deixar de agradecer esta minha presença neste Congresso, ao Élio Castelo (foto acima) e Drª Inês Apolinário, Assistente Social da ANDST de Chelas. Muito obrigado!

Comentários

  1. É isso mesmo, Edu, que nunca ninguém te cale, não deixes de lutar e de exigir aquilo que vos é negado duma forma rude e camuflada.
    Tens travado grandes batalhas, és duma generosidade quase impar. Bom, o resto tu já sabes. PARABÉNS.
    (está com óptimo aspecto)

    ResponderEliminar
  2. Estava à espera de mais, entendes? É frustrante ver que quem nos poderia dar uma ajudinha (associações), continua a organizar estes eventos, para nada.
    Obrigado pelo carinho.

    ResponderEliminar
  3. Eduardo,

    Sabes o que se passa...(é a minha modesta opinião), é que infelizmente o marasmo se apodera das pessoas e das instituições, e é preciso haver lideranças fortes, impulsionadoras de acção e de mudanças, que saibam gerir diariamente os recursos que tem disponíveis com inteligência, sem medos e com coragem de enfrentar as dificuldades sempre como um desafio!
    Tu tens essa força! Tu tens qualidades de líder! Tu consegues congregar forças acredita! E a sociedade civil, como dizes, tem que começar a marchar se quer ver mudanças positivas, mas todos tem de dar o seu contributo, e não ficar à espera que o sol mude de posição!

    Abraço amigo,
    Sininho

    ResponderEliminar
  4. Edu, está aí uma das razões porque te admiro tanto!
    Você não se intimida, não se cala, mesmo contrariando a todos!! Parece-me que o Congresso só valeu a pena pelo seu discurso e pelo da mãe. Pena você não ter podido falar tudo, mas o que conseguiu dizer deve estar até agora na cabeça dos presentes.
    Quanto a ir para as ruas, a ideia é excelente, pode contar comigo!! rs
    Beijinhos para o meu amigo guerreiro!
    Mônica

    ResponderEliminar
  5. Sininho, tu também contribuis muito para a nossa visibilidade. Sabes o quanto admiro e agradeço o teu trabalho no Deficiente-Fórum: http://www.deficiente-forum.com/
    Obrigado por tudo e vamos em frente.
    Fica bem

    ResponderEliminar
  6. Mónica, eu sinto na pele todos os dias a indiferença, injustiça e abandono. É desolador ver que nem com associativismo podemos contar, e que agindo assim nunca haverá mudanças significativas. Como não confronta-los?
    Obrigado pela tua presença e carinho.
    Fica bem

    ResponderEliminar
  7. Olá Eduardo,
    Pois... sabiamos que o tempo era pouco para os convidados dizerem da sua justiça, é lamentável que estes congressos por norma nada dêm, eles fazem-se para cumprir estatutos, não para dar voz a quem sofre com os problemas originados pela deficiência.
    Tu como sempre, um lutador nato, já disse e volto a repetir precisavamos de muitos Eduardos... comigo apesar dos condicionalismos podes sempre contar...
    Tb penso que não deve etr sido fácil para ti este fim de semana...

    Amigo um grande abraço

    Miguel Loureiro

    ResponderEliminar
  8. É isso Miguel, mas tudo bem que tenha que existir essa parte burocrática e obrigatória, mas também em paralelo, ou noutras alturas e circunstâncias, poderiam organizar algo que servisse nossos intentos. Ali e assim, nada se resolve.
    E eu quero muito contar contigo. Sabes que a admiração é mútua. És um ser maravilhoso!
    Fica bem

    ResponderEliminar
  9. Eduardo..
    Será muito dificil dizer.te "não" seja no que for, dentro das minhas capacidades estarei contigo...

    Grande Abraço

    Miguel Loureiro

    ResponderEliminar
  10. Olá Eduardo, estive a ler o teu depoimento e acredita que não pus lá os pés porque já calculava que fosse esse o resultado!!!
    Não há dinheiro para NADA, estamos a viver de "esmolas" e quem vai sofrer mais e em primeiro lugar??? Pois está claro...
    Por isso meu Amigo eu acredito que só UNIDOS VENCEREMOS e a única hipotese é apelarmos à Sociedade Civil (aos ricos...Belmiro de Azevedo, Dr.Berardo e compªlimitada). Não podemos "exigir" só do Estado, porque "esse" já era!! Agora é TODOS POR UM e UM POR TODOS!!
    Venham no dia 4 Dez ao I.N.R. e TODOS "Unidos no Amor contra a Indiferença" vamos falar da COVENÇÃO e passar da teoria à prática...também estou farta de leis...venham as realidades, os exemplos...por isso amigo NINGUEM pode faltar :)
    Um abraço e muita Luz
    Isa

    ResponderEliminar
  11. Ó Eduardo eu pareço o Setvie Wonder
    Mas em concreto a intervenção do Eduardo teve o condão de cortar com os discursos politicamente correctos, ele e a Mariana vieram mostrar que o tempo das falinhas mansas já acabou e a partir de agora tem-se que agir e tanto é assim que depois os dois foram muito solicitados.
    Ele é de uma humildade extraordinária e abriu a porta para que os outros pudessem falar a vontade sem serem interrompidos.
    A partir daqui penso que nada mais será como antes.
    Bem hajam todos os Eduardos, Marianas, Sininhos, Migueis. desta vida.
    Perder a perna para conhecer esta pessoa valeu bem a pena por isso tudo o que fizer por ele será insuficiente para agradecer o bem que tem feito a muita gente.
    Obrigado Eduardo
    Obrigado sr Joaquim por estar ao lado deste maravilhoso SER HUMANO
    Élio

    ResponderEliminar
  12. Obrigado Miguel! É óptimo saber isso.
    Fica bem

    ResponderEliminar
  13. Isa, vai ser um sucesso o lançamento do vosso livro e espero que a união fique fortalecida e nossas ideias surjam.
    Infelizmente como já te disse, não poderei ir. Mas três amigos irão.
    Mas brevemente quero me encontrar contigo para conversarmos.
    Tem um bom feriado.

    ResponderEliminar
  14. Élio, meu estimado Élio, não sou, nem faço 1% disso que apregoas. Sou é uma pessoa de sonhos, que detesta injustiças, ver outros sofrerem, batalhador, objectivo e prático.
    Só tento exigir aquilo que qualquer cidadão comum necessita e precisa...: CONDIÇÕES PARA ACEDERMOS AO ENSINO, TRABALHO, VIDA INDEPENDENTE, TRANSPORTE, ETC.
    OU SEJA: VIVER MINHA VIDA EM PLENO COMO TODOS DEVERIAMOS VIVER.
    NÃO PEÇO ESMOLAS E NEM NADA PORQUE SOU DEFICIENTE, MAS SIM CONDIÇÕES IGUAIS AOS OUTROS PARA ACEDER A UMA VIDA MAIS DIGNA...

    Claro que no fds nem tudo foi o marasmo. Fui sempre acompanhado por ti. Aquela tertúlia no hotel contigo e nossa Inês foi inesquecivel, o convivio com aquela gente maravilhosa no almoço de Domingo que proporcionaste á beira mar...e vires de Lisboa de propósito trazeres-me a casa...obrigado mesmo!
    Tem um bom feriado e cuida-te

    ResponderEliminar
  15. ISSO MESMO MEU CARO AMIGO
    É NESSAS OPORTUNIDADES QUE TEMOS, O MOMENTO DE 'JOGAR NO VENTILADOR' TODAS AS CRÍTICAS.
    MUITO BOM MESMO.
    VAMOS EM FRENTE;
    GD ABÇ

    ResponderEliminar
  16. Obrigado Jeff!
    Tu também o fazes desse lado do atlântico e muito bem. Parabéns pela persistência!
    Fica bem

    ResponderEliminar
  17. apercebi-me de aspectos lamentáveis, tanto no que diz respeito à conduta como à estreiteza de visão estratégica dos seus dirigentes e amigos, sobretudo quando me propus, em conjunto com outras pessoas incentivar a sua autonomia e independência financeiras.
    A mentalidade dominante era a de uma sociedade recreativa, cuja direcção tivesse sido arrebanhada por grupos políticos para aproveitamento e glória dos mesmos.
    Desisti, ao fim de dez anos. A minha paciência-e-boa vontade e, sobretudo, o meu tempo atingiram os limites.
    Pelos vistos, como seria de esperar, tudo continua na mesma.
    Abraço.

    ResponderEliminar
  18. Sendo assim, tudo igual, amigo Joaquim Simões!
    São os mesmos rostos de sempre...
    Fique bem

    ResponderEliminar
  19. Eduardo,
    Congressos e eventos organizados pelo Estado, na maioria das vezes, dá nisso.. É como aqui no Brasil.
    Concordo com você e com os colegas acima, no que se refere à organização de um movimento que lute pelos direitos das pessoas com deficiência partindo da sociedade civil. Se não for assim, dificilmente, vocês conquistarão o que é por direito. Entretanto a participação de todas as pessoas com deficiência é fundamental para que mudanças significativas ocorram.
    Precisamos, definitivamente, ocupar nosso espaço na sociedade. Não podemos ser eternamente dependentes de “assistencialismos” e termos uma vida cidadã pela metade. Só queremos ser respeitados e que os nossos direitos sejam reconhecidos, só isso.
    Mais uma vez, parabéns pela sua coragem, persistência e garra! Sei que vai conseguir... Mas cuide primeiro de você, não se desgaste tanto...

    Abraços!

    ResponderEliminar
  20. Este congresso não foi organizado pelo Estado, Vera, mas sim por um órgão que agrega outros organismos com deficiência.
    Em geral Instituições Particulares de Solidariedade Social, as chamadas IPSS que são subsidiadas em geral pelo Estado. Maioria criadas pela sociedade Civil.
    Daí eu exigir e esperar mais.
    Fica bem

    ResponderEliminar
  21. O problema continua a ser o de sempre caro Eduardo as instituições existirem para inglês ver.

    ResponderEliminar
  22. Maioria é isso, mas não podemos generalizar. Conheço gente a fazer um trabalho fantástico.
    Fique bem

    ResponderEliminar

Enviar um comentário