Minha Entrevista ao Jornal de Abrantes

Clique na imagem para amplia-la.

Comentários

  1. Eduardo, você está ficando cada vez mais famoso, hein?! rss
    Adorei a reportagem! Parabéns!
    Com sua valentia, força de vontade e determinação, tenho certeza que irá realizar muitos dos seus objetivos e sonhos. Não existe limites para você...

    Abraços, meu amigo!

    ResponderEliminar
  2. Algumas interpretações diferentes, mas no geral está a mensagem que quis passar.
    Famoso? Quem me dera...rs Hoje em dia que a imagem vale tanto...Aproveitari-a na hora para a nossa causa.

    Fica bem.

    ResponderEliminar
  3. (...)
    "Muitas das medidas a implementar e/ou a consolidar, tornar exequíveis, não exigem somente leis e verbas suplementares! A teoria, desfasada da prática, é o sexo dos anjos, perdoem-me a expressão. Temos de promover coerência entre aquilo que dizemos e/ou escrevemos e o que efectivamente fazemos! As incongruências, ambiguidades e contradições podem gerar descrédito do doente no profissional de saúde! O doente sente motivação para fazer o que o profissional de saúde diz, se acreditar que ele também o faz (por exemplo: exercício físico moderado e regular (algum é melhor que nada), alimentação equilibrada (não hesite em recorrer à ajuda de um nutricionista qualificado), não fumar)!

    Fundamental também é assegurar uma atitude assertiva, tenaz e coerente vontade política e uma muito rigorosa/parcimoniosa actuação dos serviços públicos, tornando-os efectivamente úteis, necessários e eficazes, promovendo a execução das respectivas atribuições/competências e avaliando os resultados que justificam/justificaram, ou não, a sua criação e manutenção [tendo coragem para acabar com serviços públicos que apenas servem de “suporte” para gente pouco preparada, pouco inteligente, nada motivada, pouco discreta e, especialmente, com pouquíssimas ou mesmo nenhumas qualidades (pessoais, técnicas e intelectuais)]. Desenvolver capacidade humana de lidar sensata e delicadamente com todo o género de pessoas, de saber ouvir com sobriedade os seus problemas, acreditando que é possível ajudá-las desde que trabalhemos para isso, juntando ideias e necessidades comuns, promovendo e usufruindo do associativismo, da interacção, da cooperação, de bons executantes.". (in
    Guia dos Direitos e Deveres do Doente Oncológico – Os Profissionais de Saúde, os Doentes, a Família e o Cancro).

    ResponderEliminar
  4. Grande Edu!!!! Tem que usar essa midia aí, para fazer barulho messsssmo!!!

    Flávio do Brasil!

    ResponderEliminar
  5. Flávio, bom ter-te por aqui. Morcego??

    Fica bem.

    ResponderEliminar
  6. Eduardo que ótima oportunidade de colocar questões tão necessárias a sociedade que são algumas dificuldades de acessibilidade a mobilidade reduzida.
    Que sua garra, a esse desafio, que a vida te propôs esteje cada vez mais atingindo o maior número de pessoas que requerem de informação e conscientização.Sou sua fâ deste processo chamado INCLUSÃO.
    Um abraço fraterno Deus o fortaleça.

    ResponderEliminar
  7. Obrigado Eliane, gosto do AMOR que irradia por onde passa. Bonito suas acções. Também tenho muito respeito por si.
    Esta é uma luta interminável. Titânica na maioria das vezes. Mas nunca desistirei. Há dias, horas, minutos e ou segundos que minhas forças fisicas obrigam-me a parar. Só nesses momentos Eliane, minha luta para.
    Fique bem e obrigado.

    ResponderEliminar
  8. Olá Eduardo, admiro a tua luta e determinação. Quanto à questão da política, esta Sra Presidente da Câmara, não é em nada diferente dos que a antecederam. Talvez fosse altura dos portugueses darem oportunidade aos partidos minoritários mas empenhados em questões sociais de fundo, refiro-me à verdadeira esquerda obviamente. Se os políticos eleitos fossem corajosamente multados como fazem ao cidadão comum, não haviam tantas falsas promessas e deixavam de brincar com a sensibilidade humana. A mim não me surpreende porque sou uma pessoa atenta, mas lamento que tudo isto passe ao lado da maioria das pessoas que se distraem apenas com futebol e novelas, e mostram a sua indiferença a questões essenciais que mais cedo ou mais tarde são transversais a todos, directa ou indirectamente. Portugueses cada vez mais pobres, especialmente de espírito. Acompanho a sua luta e reafirmo, não deixe de chegar aos canais televisivos, só assim consegue ter visibilidade, infelizmente. Até breve, saudações. ARM

    ResponderEliminar
  9. Tem razão, mas como fazer chegar essa mensagem? Nossa classe ainda não entendeu a importância da mobilização, somos muitos. Juntos seriamos mais fortes, mas nada fazemos. Associações que supostamente nos deveriam defender, (que são às dezenas) idem.
    Eu só vou endurecer a luta, depois de esgotar todos os canais e possibilidades. Sempre assim actuei. Inclusive tribunais. Se não me derem direitos iguais a qualquer outro cidadão estão a descriminar-me. Isso é crime.Portanto, poderei acusar quem não cumpre com a lei.
    Não aprovo dizerem que não têm isto e aquilo, quando nunca tentaram sequer.
    Embora concorde plenamente consigo, quanto á visibilidade.
    Nem imagina o quanto comentários como o seu, me dão força!
    Obrigado e fique bem.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário