A delicada casa da inclusão que também serve chá no jardim

“Muitas casas de chá têm aberto por esse país fora, mas esta será diferente”. A diferença está na capacidade de ser “um espaço de inclusão” para os jovens da Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental de Coimbra (APPACDM) que ali vão trabalhar e aprender, explica a presidente da instituição, Helena Albuquerque.

A Casa de Chá do Jardim da Sereia abre hoje ao público, depois de um período de gestação de quase 12 anos. E, a partir de “um ninho de ratos”, como descreve Sidónio Simões, engenheiro e diretor do Gabinete do Centro Histórico, nasceu um espaço sofisticado e agradável.

Um espaço de sabores

Não é preciso fazer um esforço para gostar desta casa. Além dos chás, chocolates ou vinhos de seleção, sente-se o cheiro das empadas de Montemor-o-Velho, dos croquetes feitos no centro Casa Branca, dos bolos de São Silvestre ou das tartes de Arganil, entre outras iguarias. “Temos aqui um desafio diferente que é trazer os sabores”, sublinha Ana Isabel, diretora técnica da APPACDM.

Tudo servido num espaço que nasceu da parceria entre a câmara e a associação, recuperando aquela que era a antiga casa do guarda e as velhas instalações sanitárias do jardim. Diário as Beiras

Comentários