Revoltem-se como eu....


É com muita tristeza, que estou a relatar o que está a acontecer ao nosso querido amigo, Nelson Mendes.

Internado há uns dias, num hospital de Lisboa, devido a uma grave e descontrolada infecção numa das pernas, havendo inclusive grande possibilidade de lhe ser amputada, recebe a noticia de que está em lista de espera e que a cirurgia seria em principio efectuada na próxima semana, até lá teria alta, mas que transporte seria da responsabilidade dele.

Visto precisar de transporte adaptado e especifico para ir e vir da sua residência, ser dependente, usufruir mensalmente menos que o salário mínimo pergunta porque o hospital não pagaria o transporte. Respondem que regras agora são outras.

Como o Nelson Mendes não tem condições de pagar o transporte, continua internado e a ocupar uma cama e quarto. Todos sabemos, que fica muito mais caro para o Serviço Nacional de Saúde um dia de internamento, que o transporte de ida e volta para a sua residência.

Mas para onde caminha o nosso SNS? Que é isto? Onde estamos? Porque esta louca e cega maneira de cortar despesas? Eu continuo a espantar-me e revoltar-me com situações destas, já deveria estar acostumado. Deveria achar normal. Mas não quero e não vou deixar que isso me aconteça. Quero GRITAR cada vez mais alto e agir, como o fiz aqui.

Comentários

  1. É muito mas muito revoltante. Temos q mudar isso, gritarrrrr
    Aconteceu -me o mesmo no ano passado, aquando de duas internações devido uma grave úlcera de pressão. Não deram-me transporte no primeiro internamento, bem q reclamei..e como ainda podia sentar, meus vizinhos foram buscar-me.
    No segundo internameto, deram-me alta e n podia sentar, vim p casa ainda com 2 pontos p continuar acamada. Dessa vez, precisa vir mesmo deitada. Hospital recusou transporte, e unica maneira era pagar os bombeiros. Eles n teem idéia de quanto nos custa, recebendo uma miséria de pensão social. Se for preciso, fazemos uma petição p arranjar-lhe transporte. Força Nelson! Carol

    ResponderEliminar
  2. A carris tem um meio de transporte especial, porta-a-porta, para pessoas com dificuldades em mover-se. Está preparado para transportar pessoas em cadeiras de rodas.
    Preço do bilhete: 1,80 €
    Telefona-se para lá e combina-se o dia, hora e locais - levam e vão buscar.

    ResponderEliminar
  3. Carol, quanto mais fico a saber sobre ti, mais me espanto!
    Tu, como a maioria de nós, tens bem a tua quota parte de injustiças...meu Deus...é uma atrás de outra.

    Sinceramente desejo-te melhores dias.
    Fica bem

    ResponderEliminar
  4. Mac, o Nelson só pode viajar com apoio especial. Tem corpo deformado, devido a mais de 8 anos vividos ininterruptamente numa cama. Pernas dele não dobram.
    De qualquer maneira na lei está bem claro: todos os dependentes e que tenha rendimentos mensais inferiores ao salário mínimo estão isentos de pagar transporte nestes casos.
    Fique bem

    ResponderEliminar
  5. Olá amigos,
    Esta é mais uma das medidas humanisticas dos hospitais, é lógico que seria mais conviniente o Nelson ir para casa, logo porque estava menos sujeito a infecções, pois sabemos que nos hospitais é mt fácil adequirir vários tipos de infecções.
    Agora é ridiculo esta situação, vamos supor que o doente não tem dinheiro nunca para ir embora em transporte adequado, o que acontece?
    Vai instalar.se difinitamente no hospital?

    Enfim, esperemos que tudo corra bem para o Nelson, e que acabe de vez com estas infecções malditas.

    Miguel Loureiro

    ResponderEliminar
  6. http://aperoladanet.blogspot.com/2011/02/da-crise.html

    ResponderEliminar
  7. E como mudamos ? É um escândalo !!!
    Quero muito contribuir para isso ....ideias ? Gritar só em blogues não resulta, pelo menos acho... Uma petição ?

    ResponderEliminar
  8. Miguel, bem visto.
    No último internamento no Amadora Sintra, também o responsabilizaram pelo transporte. Comunicou-lhes o que já sabiam. Que não tinha meios para isso, e que o deixassem então ficar internado.
    Resolveram logo a questão...
    Fica bem

    ResponderEliminar
  9. Infelizmente a cada dia que passa constatamos o tratamento de situações de premente necessidade de apoio social apenas no plano financeiro. E quando vemos amigos e familiares a sofrer na pele estas graves faltas de protecção e acompanhamento social, melhor compreendemos o verdadeiro abandono de uma politica social de real valor... A existirem cortes orçamentais, a política justa num estado social, seria iniciá-los pelos mais abastados e não pelos mais carentes.
    Mas para isso é preciso muita coragem e essa anda arredada da maior parte dos nossos governantes! É muito mais fácil a vil e cruel retirada de direitos e garantias do cidadão mais fraco e desprotegido, evidente... mas não se esqueçam como diz o amigo Eduardo: calados nunca! denunciem sempre! mostrem descontentamento, por escrito como queiram... só agindo é que se muda alguma coisa!

    Abraço,
    Sininho

    ResponderEliminar
  10. O Joaquim Simões responde no seu blog:

    "O Ministério da Saúde revelou ontem que as despesas do Serviço Nacional de Saúde (SNS) baixaram em 45,5 milhões de euros em Janeiro."

    Interessa é diminuir despesas, doa a quem doer...
    Fique bem

    ResponderEliminar
  11. Grilinha, não chega mas é uma das armas.
    Por isso vamo-nos juntar todos dia 11 de Junho de 2011 na Av. da Liberdade em Lisboa, e quem sabe daí não surgir um movimento forte e activo?
    Quanto à petição estou a estudar essa hipótese juridicamente. Isto porque esta minha luta vem de trás. Veja aqui o parecer bem esclarecedor que recebi da Entidade Reguladora da Saúde a uma queixa minha:
    http://tetraplegicos.blogspot.com/2010/12/ainda-quero-maisdireitos-sao-direitos.html

    Fique bem

    ResponderEliminar
  12. Sininho, como sempre teus comentários tocam nos pontos certos.
    Obrigado pela objectividade.
    Fica bem

    ResponderEliminar
  13. Olá novamente,

    Apresento aqui uma medida: vamos propor aos nossos governantes a cativação de... para ser amiguinha... 50% destes lucros fabulosos:

    http://www.jornaldenegocios.pt/home.php?template=SHOWNEWS_V2&id=468045

    Que acham? Tapava algum buraco ou não?!

    Abraço,
    Sininho

    ResponderEliminar
  14. A Sininho refere-se:

    "Os lucros da Galp Energia foram de 40 milhões de euros no quarto trimestre de 2010, ficando acima da média das estimativas compiladas pela Reuters."

    Esses e outros lucros são para dividir pelos amigos, amigos deles, amigos dos amigos deles e por ai fora.
    Fica bem

    ResponderEliminar
  15. Não sabia, na fotografia ele está numa cadeira de rodas e os moços da Carris são umas jóias, sei por experiência.

    Uma situação muito difícil.

    ResponderEliminar
  16. Estou perplexa com tudo isso, Eduardo. Não imaginava que uma situação como essa poderia acontecer em Portugal.
    Aqui no Brasil, infelizmente, o sistema público de saúde é reprovado por mais de 70% dos brasileiros. É constante a falta de médicos e a demora para agendar consulta ou exame. Os doentes ficam abandonados nos corredores dos hospitais. É uma vergonha!
    Concordo com Miguel Loureiro. E agora, o amigo Nelson ficará definitivamente no hospital? O Nelson é uma pessoa que não merece passar por isso. Ele já sofreu e sofre tanto nessa vida. Deixaram ele na lista de espera e ainda tem que passar por mais essa humilhação. Que crueldade!
    Espero que esse hospital, urgentemente, reveja sua posição e tenha dignidade de oferecer
    transporte ao amigo Nelson.
    Mais uma vez parabéns, Eduardo. Cada dia que passa admiro mais sua coragem, senso de justiça e garra.

    Abraços!

    ResponderEliminar
  17. Vera, parece que tudo de mau vai ter com o Nelson.
    Este Hospital até é um dos melhores...aqui nem há muita diferença entre o público e privado. Eu frequento os dois sistemas, e sinceramente vejo os mesmos profissionais a trabalharem em ambos os lados e problemas idênticos.
    Fica bem

    ResponderEliminar
  18. É Mac, ele consegue ficar sentado. Tiraram-lhe articulação para que o pode-se fazer. Essa perna que infectou.
    Fica bem

    ResponderEliminar
  19. A ver se os burocratas vão abdicar de usar berlinas full-size como viatura oficial para liberar verbas para o investimento público em ambulâncias que possam atender a pessoas como o Nelson. Há uma inversão gritante de valores, como se a vida de um trabalhador (apesar das limitações físicas, o Nelson faz belos trabalhos no campo das artes) fosse menos importante.

    ResponderEliminar
  20. CRIPLE, e parece que as coisas pioram a cada dia que passa...
    Aparece uma noticia boa, logo várias péssimas.
    Fique bem

    ResponderEliminar
  21. Eduardo, claro me me junto a vocês !
    Há alguma circular na internet a divulgar esta concentração ? Gostava de divulgar pelos meus conhecidos e pelos PAIS EM REDE. E ainda vamos bem a tempo de organizar algo com muita, muita força ....
    Aguardo resposta.

    ResponderEliminar
  22. Grilinha, existe já muita informação a circular.
    Enviei-lhe por e-mail.
    Fique bem

    ResponderEliminar

Enviar um comentário